quarta-feira, dezembro 05, 2012

O azar não dá trabalho nenhum

Não me chateia muito o Porto ter perdido em Paris o primeiro lugar do grupo, tendo em conta que esta época a vantagem de ser primeiro depende mais do sorteio dos oitavos do que do estatuto adquirido. O que me chateia é a aposta errada de Vítor Pereira (ou de quem decide estas coisas por ele) que resultou em dois objectivos falhados e na interrupção da consistência que eu elogiei aqui.

Claro que para isto contribuíram os azares de Danilo e de Helton. Mas, da mesma forma que a sorte se dá bem com o trabalho e a ousadia, o azar, regra geral, faz companhia à incompetência e ao medo. Chamem-lhe poupança, se preferirem. A realidade não se altera: duas derrotas em três jogos é um saldo negativo e relança as dúvidas sobre a fiabilidade do Porto de Vítor Pereira.

Só mais uma dúvida: como se explica a permanência de Varela em campo, durante 85 minutos?

littbarski

16 comentários:

Tim disse...

"duas derrotas em três jogos"?
Diria duas derrotas em dois jogos!

Carlos disse...

ou 2 derrotas em 22 jogos oficiais.

O Porto voltou a ser penalizado por um erro individual.
A meu ver não merecia nenhum dos resultados negativos do últimos jogos.
Em ambos os jogos a equipa reagiu bem e ontem dispôs de boas oportunidades para nivelar o resultado.
Obviamente que aspirávamos o 1º lugar mas o objectivo nº1, passar à 2º fase, foi alcançado.

.:GM:. disse...

O Varela foi uma nódoa o tempo todo. Escorregava, perdia bolas, falhava passes, etc. Acho que a opção de o manter em campo todo aquele tempo não terá tido a ver com o próprio Varela mas sobretudo com o que o Atsu demonstrou nos últimos jogos: ainda menos que o próprio Varela. Temos um banco cheio de esperanças e com muito poucas certezas.

Também não gostei das brincadeiras do Fernando no meio-campo. Em Braga foi o que foi e safou-se sem que o árbitro tenha visto o penalty sobre o Hugo Viana, ontem tentou fazer dois túneis em zonas perigosas e ambos lhe saíram mal. Brincadeirinhas a mais para meu gosto.

E o que dizer da entrada sem bola do Ibra logo no primeiro minuto de jogo? De acordo com as regras, teria sido vermelho pois não teve a mínima intenção de jogar a bola, sendo que mais tarde no jogo voltou a fazer outra parecida sobre o Otamendi. O árbitro olhou para o lado, como olhou todo o jogo em n outras situações. A produção televisiva também foi vergonhosa não dando repetições de lances duvidosos a favor do Porto. Não é a mania da perseguição, é apenas uma constatação no seguimento do que já se havia passado no primeiro jogo. Vergonhoso.

No meio de azar, incompetência e até facilitismo, ter também "azar" com o árbitro não ajuda.

Filipe disse...

A permanência do Varela explica-se com a falta de qualidade do banco. O Atsu não tem rendimento para estas andanças e mais valia ter continuado o Varela. Aliás, dos jogadores que estavam no banco, nenhum tem qualidade para substituir um dos titulares, mesmo quando os titulares estão em baixo de forma.

littbarski disse...

«Esta consistência reflecte-se, sobretudo, na Liga dos Campeões, onde o Porto já conseguiu o apuramento para os oitavos-de-final, e vai ser testada mais a sério nas deslocações a Braga e a Paris.»

Estes três jogos.


Quanto ao resto só digo isto: é extraordinário como em menos de uma semana se conseguiu queimar não só a segunda linha como dois titulares. Valeu a pena a fantástica poupança para Paris.


Quando me lembro de ver o Porto de Villas-Boas, já campeão, a jogar sem poupanças ou vindo quase directamente da final da Liga Europa para dar festival na Taça de Portugal. Bons tempos. Infelizmente, agora parece que os jogadores, alguns deles os mesmos, não aguentam dois jogos numa semana.

Hugo disse...

Olha os criticos a sairem da toca . Daqui a bocado aparece alguem a falar do iturbe,esse craque do Twitter

Joao disse...

É bom que Vítor Pereira volte rapidamente a pôr a equipa a ganhar jogos porque mais um ou dois resultados negativos e volta a ser violentamente criticado como no ano passado...

Sobre este jogo há que ser realista. O PSG teoricamente é mais forte (na prática pareceu-me mais fraco que o Porto) e o segundo lugar não envergonha ninguém (já aquele frango do Helton...).

Iturbe está na equipa B a ver se cresce um bocado...

Rearviewmirror disse...

O Miguel Sousa TAvares até acaba por ter razão, ao dizer que Danilo não vale meio Fucile.
A maneira como ele (não) coloca-se no lance do primeiro golo, fez-me lembrar o Rojo e a sua técnica de defesa primária. Simplesmente infantil. E quando se pensa nos 18M€ então...

Quanto á falha do Helton, sabe-se que ele dá sempre uma ou duas dessas por ano (lembro-me de jogos com o Chelsea e Arsenal, por exemplo) o que para um jogador que faz 40 jogos por época é bastante aceitável. Para mim é um guarda-redes de top.
O problema é que são muitas falhas na Champions, e a visibilidade que ela tem e dá, funciona para os dois lados, e esses erros já lhe custaram anteriormente um lugar na selecção brasileira. É pena, porque acho que a sua carreira deveria ser recompensada com jogos na selecção.

O Anti Lampião disse...

A desfaçatez de Eugénio Queiroz
Excelente artigo:
http://www.reflexaoportista.pt/2012/12/claques-violencia-e-desfacatez-de.html

GOD disse...

Esse burro do VP, que conseguiu cumprir os objectivos e que esteve muito perto de passar em 1º lugar. mas que ao que parece teve toda a culpa do mundo num lance infeliz do Helton. Ao contrário esse génio do futebol, o catedrático das tácticas que conseguiu ser eliminado por esse colosso mundial de seu nome Celtic. O único problema do VP é que é engraçado em vez de ter caído em graça.

Hugo disse...

Quanto ao Danilo, parece-me claro que rende muito mais a meio campo.

Costa disse...

"Quando me lembro de ver o Porto de Villas-Boas, já campeão, a jogar sem poupanças ou vindo quase directamente da final da Liga Europa para dar festival na Taça de Portugal. Bons tempos."

Boa comparação pois claro, era o que faltava o VB poupar os jogadores...

... Para não chegarem cansados às férias que se iniciavam na 2.ª feira seguinte.

Como dizia o outro:
Iluminados são os que estão de fora, pois os que estão dentro (e percebem da 'poda') são uns BURROS.

É triste haver portistas que torcem para que o FCP perca só para terem razão.

littbarski disse...

Triste é haver portistas que se acham mais portistas do que os outros. É triste haver portistas que não aceitam as opiniões diferentes de outros portistas. É triste haver portistas que não percebem o absurdo que é dizerem que alguém torce para que o seu clube perca só porque critica o treinador. É triste e absurdo. Tão triste e tão absurdo como seria eu dizer que há portistas que torcem para que o Porto perca só porque criticam um jogador. Por exemplo, o craque (ou a vedeta) do Twitter.

littbarski disse...

Só para lembrar os mais distraídos que o Porto já campeão de Villas-Boas fez 12 jogos antes de ir de férias. E o comentário foi feito porque começa cedo o choradinho de os jogadores não aguentarem dois jogos por semana. O Porto de Mourinho aguentou e o de Villas-Boas também. Como aguentam muitas outras equipas por essa europa fora.

E para que fique claro, eu compreendo que tenha de haver gestão de esforço e do próprio plantel, no sentido de dar ritmo de competição a segundas escolhas, oportunidades a novos jogadores, etc. Não concordo é com esta gestão de meter todos ao mesmo tempo, num só jogo, como aconteceu no jogo contra o Sta. Eulália, ou com a que foi feita em Braga, num jogo difícil e decisivo, antes de um jogo difícil, mas não decisivo. Ou então, que se diga de uma vez por todas que as competições que verdadeiramente interessam são o campeonato e a Champions/Liga Europa. Quem ouviu o barulho que foi feito antes do jogo com o Nacional, por causa da selecção, não ficou com essa ideia.

Carlos disse...

Posso estar enganado mas não me recordo do VP se ter justificado com o argumento de cansaço mas antes o de dar oportunidade a outros jogadores.

Podemos nos questionar se a Taça merecia mais atenção.
Eu da minha parte valorizo o título na Liga e uma boa prestação na LC em detrimento de dobradinha Liga+Taça.
Financeiramente presumo que uma vitória em jogo da LC valha tanto quanto um percurso vitorioso até à final da Taça.

Já agora, ainda existe taça da liga ? Essa é uma competição em que se devia integrar alguns jogadores (1, 2, 3) da equipa B.

littbarski disse...

«Apostei numa equipa o mais fresca possível» - palavras de Vítor Pereira. Mas eu nem estava a pensar no treinador em particular, mas sim na discussão que se gerou a este propósito, depois da derrota em Braga.

Repito que compreendo que é preciso gerir o esforço dos jogadores. Sei que é difícil manter o mesmo nível ao longo da época, em todos os jogos e em todas as competições. Mas é possível não haver grandes oscilações de forma. Mourinho conseguiu-o. Villas-Boas teve um período difícil, que coincidiu com lesões de jogadores importantes (e portanto, julgo que teve mais que ver com isso do que propriamente com o desgaste), mas na hora das grandes decisões a equipa correspondeu. Aliás, eu lembro-me de que, a determinada altura, depois da vitória na Luz que deu o campeonato ao Porto, se discutiu se seria mais importante descansar jogadores ou dar-lhes ritmo competitivo para o que faltava da época. E faltavam jogos de campeonato, com o objectivo das zero derrotas, da Taça (com uma missão quase impossível na Luz) e da Liga Europa.

Aquilo que eu acho que não faz sentido é esta divisão, entre primeiras e segundas escolhas, entre competições de primeira e de segunda, acentuada por aquela frase de Pinto da Costa, dizendo que não era a equipa da Taça que ia jogar em Paris. Acho que a gestão do plantel deve ser feita de forma equilibrada e em todas as competições, nomeadamente, nos jogos do campeonato. Há vários jogos em casa, do campeonato, em que Vítor Pereira pode gerir o plantel, dando ritmo competitivo a segundas escolhas, oportunidades a novos jogadores, denscansando outros, etc.