segunda-feira, Setembro 22, 2014

Coisas difíceis de digerir

É um pormenor, mas para mim é um pormenor importante: Lopetegui preferiu (julgo que Jackson não escolheu sozinho) ver a bola travada (pela água) no ataque ao risco de isso acontecer na defesa. A tracção à frente que vimos contra o BATE esgotou-se nesse jogo. É o regresso aos pré-requisitos e às perdas de pontos à mínima contrariedade. É também o regresso aos disparates de Maicon (que falha Alvalade) e àquela tripla que tão bom resultado deu em Guimarães. No meio de tantas mexidas, numa altura que devia ser de consolidação da exibição e da goleada obtidas a meio da semana, Lopetegui conseguiu voltar a juntar Rúben Neves, Casemiro e Herrera no meio-campo. Com o mesmo resultado.

domingo, Setembro 21, 2014

O aperitivo

Antes do City x Chelsea, Di Maria + Rooney + Van Persie + Falcao. Parece-me bem.

quinta-feira, Setembro 18, 2014

TLX # 1 | Manchester City x Chelsea

Eis que volta a Taça da Liga Xanana e logo a arder com um vasto leque de candidatos ao golo, a começar por um duelo Aguero 3 x 7 Diego Costa, até ao momento na Liga inglesa. Quem ainda tem dúvidas, deve dar um salto ao regulamento.

Data: domingo, 21 setembro 2014, 16:00

Resultado: Man City ( x ) Chelsea

Marcador:

Fome de bola sem pré-requisitos

Um Porto de tracção à frente que, desta vez, não quis saber de pré-requisitos e foi logo para cima do seu adversário; um BATE com fragilidades defensivas pouco comuns na Champions e que a magia de Brahimi e a eficácia de Jackson não perdoaram. Eis como tudo se resolveu antes do intervalo.

Gostei de ver a mesma fome de bola depois do terceiro golo. Gostei do discurso sóbrio de Lopetegui, mantendo os pés no chão e avisando que o que acontecer no próximo jogo vai depender do que a equipa fizer nessa altura e não do que fez ontem. E gostei do empate entre o Athletic e o Shakhtar, que coloca o Porto na liderança do grupo.

Não gostei da exibição de Herrera, acho que foi o pior elemento do Porto. Aquilo que, em teoria, o mexicano pode acrescentar ao meio-campo (músculo, verticalidade) perdeu-se na dificuldade de passe e na lentidão com que ataca, defende e decide. E desta vez não vi Evandro fazer melhor. Quaresma continua a sua luta interna entre a vontade de resolver sozinho e a necessidade de jogar simples para a equipa. Ainda assim, acho que o Porto precisa dele, daquela capacidade de num lance desbloquear um jogo.

domingo, Setembro 14, 2014

Notas portistas em Guimarães

- Quintero amarrado a uma ala (com Danilo amarrado lá atrás), com Quaresma e Tello no banco. Difícil compreender.

- A lentidão da transição ofensiva do Porto. A 5 minutos do fim, com o jogo empatado, os defesas trocavam tranquilamente a bola entre eles, como se não houvesse um jogo para ganhar.

- Aboubakar a 1 minuto do fim. Para nada, como é óbvio.

+ Brahimi, sempre ele, apesar do árbitro-assistente (que lhe retirou o golo da vitória), só ele conseguiu quebrar a monotonia do jogo portista, em Guimarães.