domingo, dezembro 21, 2014

Real Madrid campeão do mundo

Mesmo jogando a meio gás e sem os golos de Ronaldo. Desde que entrou nos eixos, o dream team de Ancelotti conhece apenas o sabor da vitória, 22 mais precisamente, com 81 golos marcados (uma média de quase 4 golos por jogo!) e 10 sofridos. Quem pára esta máquina de triturar?

PS - Das 10 edições do Mundial de Clubes que substituíram a Taça Intercontinental, 7 foram ganhas por equipas europeias e 3 por equipas sul-americanas, o que, na prática, significa que o formato actual continua a ser uma mera formalidade.

sábado, dezembro 20, 2014

Melhor só o Gil Vicente

Era difícil encontrar uma equipa tão à medida da ressaca portista, depois da derrota caseira com o Benfica. Ainda assim, foi importante regressar às vitórias, com estreia positiva de Campaña, no primeiro teste sem Brahimi, que está de partida para a CAN. Com Tello e Quaresma em modo intermitente contínuo, Lopetegui pode ter mais um problema para resolver, nos próximos tempos. Não sei se aquele miúdo que deu um campeonato a Vítor Pereira ainda vai estar por cá, em Janeiro. Se estiver, talvez dê jeito.

quinta-feira, dezembro 18, 2014

Deixem jogar o Benfica

Pediu Jesus, acabadinho de sair do Dragão, onde viu a sua equipa fazer quase o dobro das faltas que fez o Porto. Agora, depois da derrota com o Braga, queixa-se de falta de eficácia e reclama que o Benfica foi a melhor equipa. Tem razão: os encarnados tiveram mais posse de bola, mais ataques, mais remates, mais oportunidades de golo, mais tudo... excepto golos (e faltas). Ou seja, o inverso daquilo que aconteceu no Dragão. Em quatro dias, Jesus conhece os dois lados da mesma moeda.

segunda-feira, dezembro 15, 2014

Haja uma boa notícia

Basileia é o adversário do Porto, nos oitavos da Champions, que terão ainda a reedição de dois grandes confrontos: PSG x Chelsea (desta vez, mais cedo - a época passada foi nos quartos) e M. City x Barcelona. É desta que o City passa os oitavos?

Ganhou a equipa mais madura e eficaz

No jogo jogado, o Benfica foi melhor do que o Porto? Na minha opinião, não. Mas teve o mérito de aguentar a pressão inicial portista, sem nunca se desorientar, e de saber aproveitar as poucas oportunidades que teve - quantos jogos é que o Porto já ganhou assim? O resto é futebol: a bola que bate na barra e caprichosamente não entra, a defesa incompleta que desvia a bola para os pés errados. Grave é a desconcentração portista, no lance do primeiro golo. Mas também isso o tempo varre. Para a história ficam os dois golos de Lima e os seis pontos (que poderão ser sete) que o Porto terá de recuperar, na segunda metade do campeonato - uma missão que, não sendo impossível, é extremamente complicada.