domingo, março 01, 2015

Hat-Tello

A boa notícia, para o Sporting, para além da arbitragem amiga de Artur Soares Dias, é que foram só 3. Podia ter sido mão cheia, tal foi a superioridade portista, naquele que foi, talvez, o jogo mais conseguido do Porto, esta época, tendo em conta aquilo que criou, o que concedeu e o valor do adversário. Tello rasgou por completo a defesa leonina e foi, obviamente, o homem do jogo. Evandro (enquanto durou) e Jackson (aquela assistência para o primeiro golo...) merecem também destaques muito positivos.

sexta-feira, fevereiro 27, 2015

O míssil de Guarín



Esta nem o Benaglio apanhava.

Dnipro

Enquanto estamos na liga que o Olympiakos venceu 16 vezes, nos últimos 18 anos, a coisa vai. Não vai sempre, mas vai. O problema é quando chegam as provas a eliminar e adversários poderosos como o Dnipro. Aí, a coisa começa a derrapar. Mas, pelo menos, os adeptos podem apreciar outro tipo de futebol.

quinta-feira, fevereiro 26, 2015

Atlético sobrevive, Arsenal cai com estrondo

Gosto dos comentários de Pedro Henriques. Ontem, durante o Leverkusen x At. Madrid, num lance entre Mandzukic e vários jogadores do Bayer, saiu-se com qualquer coisa deste género: «foram todos comer, levantaram-se, foram-se embora e ele [Papadopoulos] ficou para pagar a conta» - sendo que a conta foi um cartão amarelo e que a única coisa que o grego papou foi o braço de Mandzukic. Acho piada a estas coisas. Na verdade, por vezes é a única coisa que me diverte, no meio de alguns jogos enfadonhos. Não foi o caso. O Leverkusen tem um futebol straightforward, mesmo quando do outro lado está uma equipa organizada, forte defensivamente e que concede pouco espaço aos seus adversários. O 1x0 pode ser curto, mas estes alemães mostraram que são perfeitamente capazes de marcar em Madrid e complicar as contas do Atlético.

Mais uma corridinha e Leonardo Jardim ia festejar com Mourinho o terceiro do Mónaco, no Emirates. Percebe-se porquê: num só jogo, os monegascos marcaram quase tantos golos como nos 6 jogos da fase de grupos e puseram o Arsenal com um pé fora da Champions. É difícil acreditar. Mas depois de olhar para o espaço que Berbatov, Carrasco e Cia. tiveram e ver Giroud, na frente, a falhar tudo o que lhe deram, é mais fácil perceber. De repente, os quartos-de-final prometem ter uma equipa de fazer crescer água na boca às restantes 7, mesmo sabendo o quanto Wenger e os seus Gunners não terão salivado.

quarta-feira, fevereiro 25, 2015

City na praia, Juventus na marra

Foi pena a reação do City (ou de Aguero + 10) ter sido abruptamente interrompida por um disparate de Clichy. Mas sejamos justos, a primeira parte foi um festival do Barcelona no Etihad. Aquele golo que Messi ainda deve estar a pensar como falhou arrumava a questão. Mas julgo que o 1x2 vai chegar e sobrar.

O jogo de Turim foi um combate ganho pelos pitões de Vidal e por alguma arte de Pogba, Tévez e Morata. No Dortmund, voltou a haver Reus, mas faltou a pontaria que tem permitido a Immobile disfarçar a perda de Lewandowski. Ainda assim, tudo em aberto para o jogo da segunda mão.