domingo, agosto 12, 2012

Primeiro de Jackson

Jackson Martínez faz-me lembrar McCarthy: tem aquele estilo desengonçado-cool de quem joga a ouvir Bob Marley, mas tem técnica, mobilidade e sabe guardar a bola e esperar pela subida da equipa. Falta testar a eficácia da finalização. O primeiro golo surgiu ontem, de cabeça, na estreia oficial do colombiano com a camisola azul e branca, valendo ao Porto a 19.ª Supertaça, num jogo pouco interessante, como são normalmente os primeiros jogos da época, ainda em ritmo de pré-temporada, e como foram uma grande parte dos jogos da era Vítor Pereira. A Académica apostou tudo na organização defensiva e só por uma vez assustou verdadeiramente Helton, num livre apontado por Hélder Cabral. O Porto teve algumas boas situações de golo, mas James, Maicon, Mangala e Otamendi nem de bicicleta conseguiam levar a bola ao seu destino. Até que surgiu o minuto 89, o momento em que Jackson devolveu a esperança à camisola 9 portista, abandonada desde a saída de Falcao.
littbarski

13 comentários:

Joao disse...

Mais uma competição ganha...

Ainda há muito trabalho a fazer. Entretanto chegam pelo menos Danilo e Alex Sandro, que pelas últimas indicações também podem ser substitutos de Lucho e Moutinho no meio campo!!!

Tomé Silva disse...

Um jogo típico de início de época com um resultado previsível.

Mas pronto mais um "caneco" para o futuro museu do clube,que a continuar assim terá de mandar construir 2 museus para caber tudo -).

http://vamosjogarnototobola.blogspot.pt/2012/08/fcporto-1-0-academica-supertaca-candido.html

Abraço.

miguel_canada disse...

"...num jogo pouco interessante, como são normalmente os primeiros jogos da época, ainda em ritmo de pré-temporada, e como foram uma grande parte dos jogos da era Vítor Pereira."

Eu pegaria exactamente neste trecho de teu texto para exemplificar a forma como vi este jogo.
Gostaria imenso de dizer que o jogo do Porto foi fraquinho por ainda estarmos numa fase embrionária da época e que as coisas vão melhorar com o decorrer do tempo.
O problema é que com o Vítor Pereira temos de nos mentalizar de que as coisas não vão melhorar assim muito. Vai-se jogar um pouquinho melhor do que ontem, vai haver um bocadinho mais de entrosamento e a dinâmica global da equipa vai melhorar um bocadinho mas só um bocadinho!!!!
De resto prevejo mais uma época igualzinha a anterior de futebol atabalhoado com os jogadores perdidos em campo sem saber ao certo o que fazer ou onde se posicionarem e os adeptos a rezarem para que o Jorge Jesus continue igual a si mesmo para que o titulo nos caia no colo sem sabermos ler ou escrever.

Costa disse...

Pululam por aí muitos 'portistas' que estão com saudades do tempo das 'vitórias morais', em que jogavamos um futebol maravilhoso e...

Os outros ganhavam.

Hugo disse...

Vamos ter mais uma epoca igual à anterior. Futebol chato e aborrecido que chega para o campeonato mas esqueçam a Champions.
E Costa não se tratam de vitórias morais. Eu vi o Porto a jogar bastante bem e a ganhar.
Se gostas deste Porto de Vitor Pereira então força diverte-te

littbarski disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
littbarski disse...

Vitórias morais, Costa? Mas não foi isso que aconteceu, na época passada, contra o Barcelona, o Zenit e o Manchester City (uma injustiça, segundo o treinador)? Se ganhássemos tudo sem dar espectáculo, como acontecia no tempo do Ivic, ainda percebia essa. Infelizmente, jogar mal (que é diferente de não dar espectáculo) e levar 3 da Académica ou perder com o campeão do Chipre não deixa sequer espaço para as vitórias morais.

Vítor Pereira teve o mérito de aproveitar (aos tropeções, mas aproveitou) a quebra do Benfica, na ponta final do campeonato, e vencer os jogos decisivos. Ganhou duas Supertaças. Esse mérito ninguém lho pode tirar. Mas falhou no resto. Nomeadamente na gestão motivacional de vários jogadores que ele já conhecia da época anterior (tem essa vantagem em relação a qualquer outro treinador que tivesse chegado para substituir Villas-Boas e por isso foi apresentado como uma solução de continuidade). E lá foi Guarín (este ainda rendeu dinheiro ao Porto), Souza, Fucile e temos os casos tristes de Sapunaru, Bellushi e, mais recentemente, de Álvaro Pereira (não foi vendido ao Chelsea, para isto?). Se juntarmos esta desvalorização de jogadores à incapacidade de valorizar os mais novos, ao insucesso nas competições europeias e associarmos uma política de alto risco da SAD portista, em tempo de crise económica, poderemos ter algo bem pior do que uma vitória moral.

Costa disse...

Ok, concordo...

O VP já está há 13 meses no FCP e ainda não ganhamos nenhuma Liga dos Campeões ou Liga Europa.
Não serve!

O Libras Boas (e até o Mourinho) nunca punham o resultado acima das exibições, aquilo era 'Opera' toda a época.
Vamos busca-los!

Também desconhecia (não tenho acesso a inside information) que o VP era o responsável pela 'não venda' dos jogadores o ano passado, o que originou todo o motim que se conhece.
Um bandido, é o que é...

E afinal é tão fácil começar a jogar um futebol espetacular e ganhar títulos dia-sim dia-não:
Basta mandar embora o VP!

Como é que a SAD não consegue ver o obvio...

littbarski disse...

Costa, por partes:

1 - Eu não exijo a Vítor Pereira (nem a nenhum outro treinador) que ganhe a Liga dos Campeões. Sei que é extremamente difícil um clube como o Porto consegui-lo e por isso foi extraordinário o que Mourinho fez (e por isso eu continuo a admirá-lo). Mas que pelo menos seja capaz de ganhar ao campeão do Chipre e não seja humilhado na Liga Europa. Acho que não é pedir muito.

2 - Por isso é que eu disse que há uma diferença entre jogar mal e jogar para o resultado. Vou dar-te um exemplo: o APOEL jogou no Dragão para o resultado. E conseguiu o que queria. O Porto, nesse mesmo jogo, foi incapaz de conseguir outro resultado. São coisas diferentes. Será que era preciso ópera para ganhar pelo menos uma vez em dois jogos com o APOEL?

3 - Eu também não tenho nenhuma inside information. Mas é público que Vítor Pereira não conta com Sapunaru e Belluschi. O mesmo aconteceu com Fucile, senão não andava o Maicon a jogar na direita. Se é só por problemas disciplinares, então, o treinador não tem estofo para gerir um balneário como o do Porto. São demasiados casos...

4 - Não sei se basta, nem se será preciso. Mas sei que se desfez a base de uma equipa que tinha ganho tudo com Villas-Boas e que a continuidade que Vítor Pereira deveria garantir se transformou em rotura, com resultados muito aquém daquelas que eram as legítimas expectativas, no início da época passada.

5 - É verdade. Tantas vezes fiz essa pergunta a mim mesmo, quando a SAD não colmatou a única saída de peso do plantel da época passada. Ou quando deixou o plantel com apenas 4 médios, a meio da temporada. E se no primeiro caso acho que o treinador não tem culpa nenhuma, no segundo já tenho muitas dúvidas.

miguel_canada disse...

Costa, a sério que eu gostava de conseguir ver as coisas pelo teu prisma... Preto ou branco, agua ou vinho, céu ou inferno. De facto quando se retiram todas as variantes do meio as coisas ficam muito mais fáceis de analisar. Não dão mesmo trabalhinho nenhum.

Hugo disse...

Eu so gostava de perguntar ao Costa qual foi o jogador com a excepcao do Maicon que evoluiu sob o comando do VP.
Mas vem ai nova resposta pseudo-humoristica

Costa disse...

Tenho pena de quem não se importa (talvez até faça força...) que o FCP perca, apenas para provar que tem razão.

E esses são bem mais portistas do que eu, por isso vou continuar a ser 'mau portista' e ter vergonha de querer que o FCP ganhe, mesmo que o gajo que nos treine não seja 'bonito','vistoso','poreiro' ou 'vaidoso'.

PS. Não dou mais para este peditório.

miguel_canada disse...

Costa, ninguém disse ou quer que o Porto não ganhe!!! Estas a confundir as coisas. Nós queremos que o Porto ganhe sempre e ai é que reside o problema.... não acreditamos que o Pereira tenha estofo para isso. Em 2011/2012 apenas garantiu o campeonato quando o Jesus começou a meter agua por todos os lados e a equipa do benfas se arrastava em campo com os bofes de fora. O nosso futebol foi uma miséria a época inteira e não fossem os Lisboetas serem pouco mais do que amadores e tinha-mos visto o campeonato por um canudo.
Um carro com 60 cavalos também te leva ate ao Algarve mas se pudesses ir num com 250 cavalos a viagem tornava-se bem mais divertida, não?