terça-feira, fevereiro 17, 2009

Jardim de Rodin # 4 - O remate com a mão que tinha mais ao pé

Há momentos difíceis de compreender em futebol. Vukcevic acabara de aplicar um excelente remate ao qual Nuno respondeu com uma não menos excelente defesa. Defendeu para onde deu. Deu para Postiga, completamente isolado, com o guarda-redes a tentar levantar-se do chão. Parece óbvio, não é? Lembrei-me do Gabriel Alves. Nuno Herlander Santos do Espírito Santo, 35 anos de idade, subjugado pela conjuntura que o limita a um quarto dos seus 188 cms de altura, numa luta inglória contra a gravidade, tenta elevar os seus 88 quilogramas para evitar que Hélder Manuel Marques Postiga, ponta-de-lança internacional português, 26 anos, 33 centímetros de perímetro de coxa, concretize o inevitável encontro marcado com o seu destino, o golo.

Mas o pior veio depois. Não sabemos o que se passou pela cabeça de Hélder Postiga nos momentos seguintes. É verdade que a bola não estava rente à relva, mas não há nada que explique a estranha dança que o avançado resolveu empreender. A bola estava ao alcance do seu pé esquerdo - Postiga flectiu essa perna. A perna direita, que devia apoiar o movimento, foi lançada para trás. Só se pode imaginar o que terá passado pela cabeça do homem. Terá pensado em algo que Paulo Bento tenha dito? "Futebol, pé, andebol, mão" ou seria "Andebol, pé, futebol, mão"? Na dúvida, passou à ideia seguinte. Será que, como eu, também Hélder Postiga se lembrou de Gabriel Alves e baralhou um conceito, transformando "Rematou com o pé que tinha mais à mão" em "Rematou com a mão que tinha mais ao pé"? Nunca saberemos. A única certeza que tenho é que Hélder Postiga, face à situação adversa que se lhe deparou, escolheu a melhor opção. Tenho a certeza disso e os livros não me deixam mentir.

master kodro

18 comentários:

Mr. Blue disse...

Numa palavra MK: Brilhante!

JLC disse...

Realmente, fazer um post sobre um jogador que cai é brilhante.

pitons na boca disse...

Excelente.

O detalhe do "perimetro de coxa" é brilhante e ao alcance de poucos (tal como o grande Gabriel Alves). :)

João disse...

A teoria das (boas e más) opções num jogo de futebol é muito interessante. O segundo golo do Sporting no Restelo foi brilhante, tanto o passe de Vukcevic como o golo de Postiga. No entanto, se o Cândido Costa tivesse um bocadinho de cérebro teria-se colocado em linha com os seus colegas e a jogada teria sido anulada por fora-de-jogo. E aí o brilhantismo de Vukcevic e Postiga teria ido pelo cano. Eu, um mendigo do futebol, acho que este é feito de acasos, coincidências, erros, inteligência e burrice, tudo junto. Mas ainda bem que há uns Copérnicos que me esclarecem que, afinal, é tudo uma questão de opção e de decisão. E que é preferível tomar uma decisão certa que não produza nada do que uma errada que acabe, imaginemos, em golo.

Nuno disse...

João diz: "E que é preferível tomar uma decisão certa que não produza nada do que uma errada que acabe, imaginemos, em golo."

João, se o futebol é um jogo de acaso, por que é que se treina? Por que é que as equipas querem os melhores jogadores? Se é um jogo de acaso, pura e simplesmente, o acaso deveria estar distribuído por todos. O que os bons jogadores fazem é, porque são bons, reduzir o acaso. Como é óbvio, uma boa decisão não implica necessariamente um bom resultado. Mas garanto-te que o torna mais provável. 1 jogada em que se decida bem e não dê um bom resultado por causa do acaso acontece. O que não acontece é ter piores resultados em 10 jogadas bem decididas do que em 10 jogadas mal decididas. Isto é claro. E é por isto que o futebol não é um jogo de acaso. Quem quiser, que o entenda.

Quanto ao lance, o Postiga tem que reagir rapidamente e acaba por hesitar e falhar o remate, tendo depois a bola tocado na mão. Estes lances são normalíssimos. O Moutinho, que é dos jogadores tecnicamente mais perfeitos do campeonato e dos mais rápidos a reagir, teve um lance parecido no Europeu, quando hesitou e acabou por rematar com o joelho.

Jorge disse...

A mim pareceu-me que a bola estava "a mao do pe esquerdo" e o Postiga decidiu subitamente que seria melhor joga-la com o pe direito e acabou por se atrapalhar.
Fez-me lembrar o Nuno Gomes que vi mais de uma vez perder golos feitos, ou quase feitos, por querer rematar com o pe direito quando era claramente preferivel rematar a bola com o pe esquerdo.
E-me muito dificil ver lances destes e considerar que estes jogadores possam ser considerados bons avancados centro.
Nao tem a ver com a atrapalhacao, que acontece a todos, mas a incapacidade de jogar bruto e feio quando necessario, de a meter la dentro com a parte do corpo que "esta mais a mao."

Gabriel disse...

o que eu acho engraçado neste lance é que houve gente que estava a ver o jogo comigo a dizer que o Postiga não toca na bola com a mão!

jamsilva disse...

qual mao qual quê!!!!
Aquilo foi um autogolo do Nuno pá!! Mas Mas foi eu é que o consigo ver??
seus ceguetas...
:)

João disse...

Mestre Nuno, ainda bem que falas do Moutinho, um dos "jogadores tecnicamente mais perfeitos do campeonato". Moutinho, que é uma das minhas embirrações de estimação, pretende ser um número 10 e tem como modelo Steven Gerrard. No entanto, Moutinho tem um número de golos e assistências perfeitamente ridículo para um jogador da sua posição e da sua alegada categoria. Há um lance típico de Moutinho, que ele ensaia pelo menos uma vez por jogo: o remate de fora da área em excelente posição. O resultado é, em mais de 90% dos casos, o mesmo: a bola sai cerca de 3 metros acima da baliza à volta de 4 metros ao lado. A opção se calhar é boa. A execução e, sempre, desastrosa. Posso falar, também a título de exemplo, dos medíocres resultados das suas bolas paradas. A sua percentagem de acerto no passe é elevada, porque também elevada é a percentagem de passes para trás e para o lado, sem o mínimo de risco. Porque os passes de risco terminam, quase sempre, numa perna adversária. No entanto, é um jogador "tecnicamente dos mais perfeitos". Explicas-me porquê?

rearviewmirror disse...

João, faço tuas as minhas palavras.
Num outro blog, li um grande sportinguista a dizer o seguinte:

"Moutinho, a 10, não tem lugar em nenhuma equipa da primeira divisão da Islândia para baixo. Moutinho é um jogador... ora foda-se, vamos lá a ver. Eu gosto de bola e de ver jogadores a jogarem. O João Moutinho é um Gattuso, foda-se. É um aplicado, raçudo, chato e talentoso recuperador de bolas. E acontece que, depois, consegue sair a jogar. Ora se isto não é, no esquema de Paulo Bento, o exemplo acabado do número 6, que vem a ser então? (...) Um 6 recupera bolas, vai buscar jogo, passa a bola e chega-se a quem a passa tipo "olha eu aqui", ajuda a equipa a recuperar a bola e, depois, esforçada e talentosamente, vai ajudando a pô-la onde interessa, jogável, bonita, mais à frente. Num dos dele. (...)Se o Paulo Bento pensa que tem no Moutinho um 10, é burro. Não tem. Tem ali um 6"

Não percebo como é que um jogador desta qualidade (ou falta dela) é sequer convocado para a selecção nacional.
1000xs Raul Meireles, Tiago e Manuel Fernandes.

Nuno disse...

Foda-se! Estas duas anénomas quase que me convenciam que eram pessoas. E depois o ridículo é o gajo que diz que o Hulk decidiu mal. Está certo...

francis disse...

Esta merda foi nabiçe.

João disse...

Nuno, fiz este exercício para te testar e confirmou-se a minha teoria: és um atrasado mental.

Senão vejamos:

1) Tu acusas outros de te insultarem e não rebaterem os teus argumentos. Eu expus os meus argumentos sobre o Moutinho e, em vez de me contradizeres com a tua ciência, insultas-me.

2) Tu achas-te um génio por discordares do rebanho que aprecia as qualidades do Liedson. E achas-me uma anémona por discordar do rebanho que aprecia o Moutinho.

Este foi o teste definitivo que te lancei e tenho que te dizer que reprovaste. Diagnóstico: grave deficiência mental, com indícios de filha-da-putice aguda. Tratamento: se conhecesse dizia-te.

Nuno disse...

João, o que tu apresentaste não foram argumentos. Tu apresentaste uma ideia idiota. Nem eu nem ninguém tem a capacidade de te fazer ver que estás errado, porque simplesmente isso é sintoma de um problema qualquer muito grave. Tu vês coisas que não são verdade; vês que o Moutinho remata sempre por cima ou ao lado; vês que o Moutinho é mau porque marca poucos golos, o que é um argumento fenomenal; vês o Moutinho a falhar bolas paradas, quando raramente as bate; vês o Moutinho a falhar todos os passes de risco. Pá, eu não sou oftalmologista, logo não te posso ajudar.

Se houve coisa que nos posts anteriores me incomodou foi o facto de maior parte das pessoas não estar preocupada com os argumentos dos outros, mas apenas em insultar. Como tal, a menos que veja que vale a pena e que a pessoa que tece considerações tem um pingo de inteligência, recuso-me a tentar argumentar contra calhaus.

P.S. Só um aparte. Talvez ajudasse se visses nos jogadores mais do que golos, assistências, poder e precisão de remate e quantidade de passes de risco efectuados por jogo. É só uma ideia.

João disse...

Nuno, o teu problema maior, se calhar por seres atrasado mental, como eu determinei anteriormente, é pensares que as tuas ideias são mais válidas do que as de todas as outras pessoas que aqui postam. Ora tu, até que proves o contrário, não sabes mais de futebol do que qualquer um de nós. Não tens currículo, não tens obra publicada, não tens nada que nós não tenhamos. Eu sei que tu, por seres atrasado mental, como eu determinei anteriormente, não aceitas este facto, porque o teu ego turva-te o cérebro. Daí talvez a sina de seres atrasado mental.

Se, pelo contrário, tens um currículo de registo no futebol e obra feita, então mostra-a, para eu então reconhecer que sabes mais de bola do que eu. Mas mesmo que o fizeres continuarei a pensar que tens algum problema mental, pois então não fará sentido as discussões aparvalhadas em que te envolves na blogosfera. Sendo eu um teu interlocutor também serei aparvalhado, dirás tu. Seja. Mas antes aparvalhado do que atrasado mental.

Nuno disse...

O zarolho do Camões, quando quis fazer uma perífrase para Portugal, escreveu "Ocidental praia lusitana". Tu também és bom nas perífrases. Estes dois parágrafos são uma perífrase para a frase "Nuno, és um atrasado mental." A perífrase do Camões pode até ser mais bonita, mas a tua deu sem dúvida mais trabalho. O que eu não percebo, porém, é a necessidade de escrever em perífrases, se isto não é Os Lusíadas e tudo o que tinhas para dizer é que eu sou um atrasado mental.

matrafisco disse...

há coisas nestas caixas de comentários que me fazem dar gargalhadas.
se eu já não fosse maluquinho, pelo menos parecia.

mas gosto do teorema dos insultos.
os dos outros, claro.
estranhamente deve ser o mais consistente que já vi.

rearviewmirror disse...

"Foda-se! Estas duas anénomas quase que me convenciam que eram pessoas."

ò meu caralho (Nuno), se não tens capacidade para ouvir, vai pra puta que te pariu e não comentes. PQ eu fiz um comentário, não te insultei, nem a ti nem a ninguém.
Pq nunca o fiz antes.
Queres discutir com o João, chamar nomes, etc, é com voçes os 2.
Agora meteres-me num saco, sem eu ter culpa nenhuma, revela a tua pequenez de espirito e autentica falta de capacidade intelectual.
puta q te pariu