segunda-feira, março 25, 2013

Os múltiplos talentos de Scolari

De regresso a Stamford Bridge, Scolari afirmou que a passagem pelo Chelsea não foi assim tão má, até porque estava qualificado na Champions e na "Copa da Rainha". Este é um dos maiores talentos de Scolari, a memória selectiva que esquece a eliminação na League Cup perante o Burnley, ou um percurso glorioso na FA Cup, eliminando - respirem fundo - o Southend e o Ipswich.

Há 3 anos, nesta entrevista, Scolari defendia que "A direcção ficou assustada porque ainda não tínhamos vencido nenhuma das grandes equipas. Percebo isso, mas só estávamos a dois ou três pontos da frente.". Na verdade, depois do empate em casa com o Hull, que fez saltar a tampa a Abramovich, eram 10 pontos, mas quem é que conta essas merdas?

O outro talento que desarma qualquer um é o de estar a treinar a selecção do Brasil, em período de Mundial caseiro, depois de contribuir decisivamente para a descida do Palmeiras, o que lhe valeu a demissão. É obra.

3 comentários:

rbn disse...

Felipão assim como qualquer treinador no mundo, não tem 100% de preferncia no mundo do futebol.

Nem ele nem Mourinho, nem Guardiola, nem o professor Neca.

Há mes e meio atrás, queriam mandar Mourinho embora do Madrid e já pensavam em sucessores, hoje é o maior.

Guardiola foi esperto e saiu na mó de cima.

Felipão tem memória seletiva como todos nós.

No Benfica-Porto de 2011/2012, os vermelhos queixam do golo de Maicon, mas raramente lembram do do penalty duplo penalty cometido por Cardozo 5 minutos antes.

Os do FC Porto se queixam com razão que Cardozo colocou 2 vezes a mão na bola dentro da área na cara do Proença após um canto.Era penalty e 2º amarelo ao Cardozo, e o Benfica ficava a jogar com 9 o resto do encontro, já que Emerson já havia sido expulso.

Estes múltiplos talentos não são apenas de Felipão, mas de todos, ou quase todos.

Mourinho meteu a mão na cara de Vilanova, tentou ridicularizar Pep Guardiola várias vezes nas conferencias de imprensa, Scolari tentou dar um murro num sérvio, Jesus agrediu Luís Alberto com um soco, Maradona entrou a pés juntos na barriga de um brasileiro no mundial 1982, entre muitos outros exemplos.

Felipão não precisa provar nada a ninguém, assim como Mourinho e outros.

Felipão tem a ingrata missão de ser campeão em 2014 dentro de casa, com um Brasil inteiro a pressionar por todos os lados.

Tu que escreves este blog, se te convidassem, aceitavas o cargo que Felipão ocupa hoje em dia?

Claro que não, afinal é preciso ter múltiplos talentos para treinar a seleção de maior palmarés na história do futebol.

miguel.ca disse...

Scolari é a prova viva de que nem só os políticos ocupam cargos para os quais não estão minimamente qualificados.
Scolari tem talentos, obviamente que sim mas treinador ou seleccionador Nacional não é definitivamente um deles.
É um incompetente nato que nasceu com o cu virado para a lua, tem tido, a nível profissional, uma sorte pornográfica fruto porventura de ter tido a sorte de vencer um mundial com Ronaldo, Ronaldinho Gaucho, Rivaldo, Roberto Carlos, Maicon, Cafu, Kleberson no campo, Pele e Avelanche entre outros a "fazer algumas coisas pelo outro lado".
Reconheço-lhe a capacidade brutal que tem de tornar a equipa uma família unida e solidaria, de a proteger com unhas e dentes, reconheço-lhe também a capacidade de movimentar as massas e a esperteza saloia com que conquistou 6 milhões de Portugueses ao entrar em guerra aberta e inútil com Pinto da Costa crucificando o Vítor Baía pelo caminho.
Mas como treinador acho-o ao nível de um Peseiro e a forma infantil e incompetente como preparou o jogo com a Grécia e como perdeu uma final de um Europeu em casa ficará para sempre gravado na memoria de quem não se deixa enrolar por fadinhos vermelhuscos.

rbn disse...

Pele e Avelanche entre outros a "fazer algumas coisas pelo outro lado".???A que se refere???

O Brasil jogou excelente futebol em 2002, basta ver no youtube.

Scolari entrou no mundial com Juninho a titular, depois viu que só Gilberto Silva a médio defensivo era pouco e acertou a equipa com Kleberson em lugar de Juninho, dando liberdade aos avançados.

E a culpa da derrota para a Grécia pertence ao frangueiro Ricardo, aquela bola na pequena área ERA DELE, mas como todos sabemos, o frangueiro era fraquíssimo em bolas altas.

Concordo que Baía devia ter sido o guarda-redes, mas para voce ver que as escolhas dos treinadores são pessoais ou mandadas, temos lá no FCP o Fucile a treinar-se sozinho, sem estar inscrito sequer na liga ou na taça da treta, enquanto se Danilo ou Alex faltarem, não temos suplentes à altura.

Também sou portista, mas tu falas como o MST:quando ganha, o mérito é dos jogadores, quando perde, o VP é o GRANDE CULPADO.

A sorte dá muito trabalho, e quem tira méritos aos outros geralmente são os encornados.

Se a seleção principal portuguesa alguma vez chegou à final de uma grande competição, foi com Scolari.A diferença é que numa final, os craques geralmente decidem, como fez Iniesta no último mundial por exemplo, ou Ronaldo em 2002.

Em 2004, na final, não se viu Figo, Maniche ou CR7 criarem uma mísera jogada de real perigo, nem se viu Pauleta balançar as redes uma única vez em todo o euro 2004.
Em suma, os craques portugueses amarelaram, se omitiram do jogo, e o ferrolho de uma Grécia aguerrida e lutadora garantiu a vitória num pontapé de canto fortuito.

Faltou a Portugal que o craque decidisse, como Iniesta em 2010, ou Fernando Torres em 2008, ou Platini em 1984, ou Ronaldo em 2002, ou ainda Zidane em 1998, ou Henry em 2000.

Mas infelizmente, Figo e cia amarelaram.