terça-feira, julho 17, 2012

Em banho maria

- Porto, Benfica e Sporting apresentaram até agora os seguintes jogadores novos (empréstimos à parte):  Jackson Martinez, Fabiano; Hugo Vieira, Melgarejo, Michel, Ola John, Luisinho, Paulo Lopes; Pranjic, Labyad, Gelson Fernandes. Onze, dos quais oito não são portugueses. Dois de 8-9 milhões. Viva a fartura.

- Luís Campos é reforço da equipa técnica do Real Madrid. Vai observar adversários. Não para retirar informações, mas para lhes dar azar, claro.

- O Vitória contrata dois emprestados pelo Chelsea: Matej Delac (guarda-redes de 19 anos, que nas duas últimas épocas fez um jogo sénior, tendo sofrido 4 golos, pelo Ceské Budéjovice); e Milan Lalkovic (que tem 273 minutos de futebol sénior nas pernas, repartidos entre o Doncaster e o Den Haag). Estou entusiasmado... E gosto tanto de emprestados...

master kodro

33 comentários:

Rearviewmirror disse...

É melhor ter jogadores do Chelsea de 3ª linha emprestados do que ter jogadores internacionais sub-21 como são(foram) Nelson Oliveira/Cedric/Adrien/David Simão/Ukra/Castro/Wilson Eduardo/Yazalde, etc etc.
Como se sabe, também o Gil Vicente já tem um protocolo com o Manchester City, portanto é provável que nos próximos tempos chegue mais um ou outro crack proveniente de Inglaterra.


Ontem um dos muitos jornalistas iluminados da Sic Noticias, dizia que os clubes só têm a lucrar com isto [dos não empréstimos] porque como isto estava, eles não tiravam benefícios com esses jogadores, e deu como exemplo o Melgarejo, que teve "algum retorno desportivo" no Paços de Ferreira.

O homem em 29 jogos marcou 10 golos na Liga (dos 35 da equipa). Qual foi o impacto directo em termos pontuais desses 10 golos (sem contar com assistências nem outros aspectos de jogo) na classificação do Paços?
Foram "só" 10 pontos.

Dos 31 para os 21.
O Feirense desceu com 24.
É "só" a diferença entre estar na 1ª ou na 2ª Liga.

Ou então podemos falar da importãncia dos 14 golos do Yazalde/Atsu no Rio Ave (nos 33 da equipa) que mantiveram a equipa na 1ª divisão.

Disso não falou ele. O que conta é as vendas dos jogadores, o aspecto financeiro, as tão badaladas "mais valias".

Qual é a diferença em termos financeiros em ter uma equipa na 1ª ou 2ª divisão?

Pois...

Infante disse...

Realmente, substituir os emprestados dos grandes pelos emprestados dos estrangeiros também não é o melhor caminho, mas estes ao menos não vão ter dores de barriga antes dos jogos com a casa-mãe. Desportivamente, pelo menos, sempre é uma vantagem.

Rearview, o problema aqui é que tu não podes provar que, sem esses jogadores, o Paços ou o Rio Ave tinham descido. Se não estivessem esses, estavam outros, se calhar até melhores, sabes lá tu. Adoro esta mania de quererem provar que qualquer gajo dos 3 estarolas tem que ser necessariamente melhor que outros, "tão bonzinhos que somos, que estamos a aumentar-lhes a qualidade". O Feirense e o Leiria também tiveram emprestados, não lhes serviu de grande coisa.

A Naval conseguiu manter-se na primeira divisão durante 6 anos sem qualquer jogador emprestado pelos grandes. É possível.

Infante disse...

Já agora, jogadores como Nei, Marcelinho e Diego Ângelo todos eles renderam bom dinheiro à Naval. O Diego Ângelo saiu por um milhão e meio, se não estou em erro. Estes ganaciosos da Naval, esse dinheiro devia era ter ido para um dos grandes...

Francis disse...

Não queria acreditar quando vi essa noticia. Luis Campos, em rodapé na SportTv... só o Mourinho para fazer uma coisa destas. Estou francamente espantado.

Rearviewmirror disse...

O que eu posso provar é aquilo que te digo: os 10 golos do Melgarejo deram 10 pontos directos (em vitórias por um golo ou empates) ao Paços, e os 14 do Yazalde/Atsu valeram 4 directos (fora os jogos que ganharam por mais de um golo).
Isso são factos, não são "ses".
Se este, se aquele, e tal é entrar por um campo de futurologia/astrologia que não domino por isso abstenho-me de comentar.

Não me lembro do Feirense ter um jogador emprestado, mas sei que o Leiria tinha alguns e correu mal, principalmente devido a aspectos extra-futebol, como deves saber com certeza.
Fico feliz pela Naval ter conseguido vender 3 jogadores nesses 6 anos (que deve ter dado dinheiro ás carradas á colectividade), mas isso não muda em nada a ideia que tenho.

Ao teres melhores jogadores na equipa principal, com certeza que jogas melhor futebol. Aí consegues dar maior visibilidade á tua equipa, e potenciar jogadores dos teus quadros para possíveis vendas.
A Académica teve 3 jogadores emprestados Adrien/Cedric/Abdoulaye que foram 3 dos 5 jogadores mais utilizados da equipa. Elevaram a qualidade de jogo da equipa e potenciaram outros jogadores.
Venceram a Taça de Portugal e vão à Liga Europa. Os dirigentes da Académica estão tristes? Não me parece.

Ao teres os melhores jogadores jovens portugueses e não portugueses a jogar na 2ª Liga, por terem contrato com os 3/4 grandes, vais ter uma evolução não tão rápida desses jogadores, como seria de prever.
Se deveria haver uma limitação?
Sim.

Mas agora privar estes jogadores de 19/20 anos de jogarem na melhor liga portuguesa, por terem um contrato com um grande dos clubes portugueses (com um salário profissional que muitas vezes nenhum outro clube em Portugal tem capacidades para pagar), é algo que considero simplesmente aberrante.

Infante disse...

"Venceram a Taça de Portugal e vão à Liga Europa. Os dirigentes da Académica estão tristes? Não me parece."


E só se safaram da descida na última jornada, já agora.

Sim, o Feirense tinha emprestados: Diogo Amado, Nuno Henrique, Bamba.
O Portimonense, que desceu na época anterior, tinha 11 (ONZE!) jogadores emprestados, (nem todos por clubes portugueses, é certo). Aumentou bastante a qualidade da equipa, sem dúvida.

Note-se que, tal como tu, eu até nem sou totalmente contra os empréstimos, apesar da limitação ser uma necessidade óbvia. Mas acho que o MK tem alguma razão na questão da autonomia económica dos clubes pequenos e faz-me impressão que os adeptos dos grandes não consigam ver isso. Uma vez mais, a Anal aguentou-se 6 anos sem ter jogadores emprestados dos grandes.

E já agora, o Barça não precisa de ter 500 jogadores emprestados para saber quem tem valor. Tem a sua equipa B e desses retira os que acha que vale a pena (muitos deles tendo já tido oportunidades na equipa A em taças). Eu sei que as comparações com o Barça devem ser feitas com cuidado, mas ainda assim... porque é que há tão pouca confiança dos clubes grandes tugas em relação aos jogadores da sua cantera?

Infante disse...

LOL, a Anal...

Era a Naval, claro.

Rearviewmirror disse...

Dás exemplos deste e daquele clube, mas é claro que ao teres jogadores emprestados isso não é sinónimo de sucesso garantido. Vão haver sempre casos positivos e negativos. Mas são muitos mais os aspectos positivos que os negativos, garanto-te. Tivemos um jogador no Europeu que teve emprestado ao Braga, e se ele não tem jogado lá? No banco do FCP não ia ao Europeu de certeza.

Com esta lei, vais mandar jogadores de qualidade (e muitos deles portugueses) para uma qualquer equipa B, ou para uma segunda ou terceira divisão espanhola, sem poderem conseguir competir com os melhores na 1º Liga.
Jogadores como o Ricardo Carvalho, Bruno Alves, Pizzi,Ukra, Castro, Yazalde,Bruno Gama, Helder BArbosa etc etc, que tinham mais que qualidade para jogarem numa 1ª divisão, mas estavam tapados nas suas equipas estiveram emprestados a equipas da 1ª divisão portuguesa e evoluiram. Tiveram minutos, jogos e competitividade.

Esta medida é completamente terceiro mundista (que para já, nem sei se é completamente legal) e não existe em nenhum dos maiores campeonatos mundiais.
Aliás, nem sei se é permito em algum campeonato.

Um exemplo:
Yazalde. Tem uns 3 anos de primeira Liga, e tem contrato com o Braga (onde deve receber um bom ordenado).
Se não ficar na equipa principal do Braga, como vai fazer?
Tenta ficar com o passe na mão para jogar na 1ª Liga, num Rio Ave ou assim, com um salário bastante inferior aquele que o Braga lhe pagava?
Vai jogar para a equipa B do Braga?

master kodro disse...

Há aqui questões muito interessantes que passo a pontos:

1. Ficamos a saber que se o Melgarejo não tivesse sido emprestado ao Paços, os castores jogavam com 10.

2. Gostava muito que o Rearview aqui fizesse a lista dos jogos em que o Melgarejo valeu 10 pontos directos ao Paços de Ferreira. É que eu já vi a lista de jogos do Melgarejo e espero que não estejam a ser contados 1 golo numa vitória por 2x0 ou o primeiro golo de um jogo que acaba 2x1. Mas já acredito em tudo.

3. O Melgarejo jogou com um companheiro de ataque durante grande parte do campeonato, que não marcou 10, mas marcou 9 golos. Foi vendido pelo Paços de Ferreira ao Benfica. Não sei se é preciso dizer mais alguma coisa sobre o que isto significa. Desconfio que sim.

3. Mas vamos à origem que é o meu Vitória. Não quero emprestados de lado nenhum. Mas um jogador emprestado por um clube estrangeiro não está a beneficiar directamente os interesses de um clube adversário. Porque o objectivo do meu clube (e de todos) é de ganhar aos seus adversários, não é proporcionar-lhes melhores condições financeiras e escoamento para os seus excedentes (fruto de gestões ruinosas, acrescente-se, dessas bastam as próprias, obrigado).

Portanto o Chelsea não é concorrente do Vitória. E não o é, porque o Vitória não joga na Champions. E como tudo na vida dá a volta de uma forma extraordinária, o Vitória até já esteve às portas da Champions, mas perdeu uma pré-eliminatória com o Basel, por 1 golo. E porque é que perdeu? Porque não tinha o plantel formado. E porque é que não tinha o plantel formado? Porque estava à espera dos restos emprestados de outro clube, por acaso o Benfica, mas se fosse no ano anterior seria o Porto, que estavam a participar em jogos particulares ao serviço do seu patrão. É preciso chegar ao moral da história?

master kodro disse...

Mas há mais. Em 2009/2010, um lugar do plantel do Vitória foi ocupado por um rapaz chamado Leandro Silva, emprestado pelo Benfica. Fez 424 minutos durante 5 jogos, dos quais resultaram 3 derrotas. Era central. No lugar de central, o Tiago Alencar (brasileiro, do Vitória) e o Paulo Oliveira (júnior, português, que pode ter uma oportunidade este ano) não tiveram um minuto sequer. Percebe-se a mensagem?

Outro empréstimo de grande retorno para o Vitória foi o do jovem Urreta, que veio lesionado e que depois fez 14 jogos e quase impediu o Vitória de se inscrever na Liga.

Realmente, se vamos para os exemplos extremos, temos muito que falar.

master kodro disse...

O Abdoulaye, então, elevou o nível de jogo da Académica a níveis impensáveis: 4 expulsões e 10 amarelos é algo que nenhum júnior, ou emprestado do Chelsea, conseguiria fazer, por certo.

Rearviewmirror disse...

Tava a ver que não aparecias espertalhão.
Mas por mim ficas a falar sozinho.
Se não sabes fazer simples contas de somar não vou ser eu que te as vou ensinar.

Abraço

Rearviewmirror disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rearviewmirror disse...

Leandro Silva, 3 derrotas.
Uma contra o Porto no Dragão, outra com o Benfica na Luz.

Percebe-se a mensagem?

master kodro disse...

Fizeste bem em tirar a mensagem sobre o Rui Costa e o Fafe, Rearview. Não podes ser tão incompetente a ler ao ponto de escrever uma coisa dessas como se me estivesses a atacar. Era demasiado ridículo.

Rearviewmirror disse...

Senão era muito texto seguido. Mas ainda bem que leste, porque de certeza que poderia ser o teu próximo argumento. Rui Costa e Pauleta.

Mas gostei da história do outro dos 400 minutos e das 3 derrotas.
Comovente.

master kodro disse...

De certeza que poderia? Grande expressão, Rearview. Realmente o Rui Costa só te dá razão: o empréstimo à segunda B acabou-lhe a carreira.

Rearviewmirror disse...

Mas infelizmente Rui Costas não há muitos.
Mas lá está, podia-se mandar esta escumalha toda para a segunda B,que lá é que estariam bem.

E tinha-se mandado para lá o malandro do Leandro Silva...
Com ele na equipa as viagens ao Dragão e á Luz deixaram de ser um passeio, e graças a ele (e só a ele) lá veio o grande Vitória derrotado desses terrenos..

Percebe-se a mensagem?

master kodro disse...

O problema da mensagem, para ti, é que engloba várias vertentes. Uma delas é a seguinte (primordial para mim, daí ter-lhe dedicado mais palavras):

"No lugar de central, o Tiago Alencar (brasileiro, do Vitória) e o Paulo Oliveira (júnior, português, que pode ter uma oportunidade este ano) não tiveram um minuto sequer."

Mas tenho a impressão que, de facto, a mensagem não chega aí. É mais uma questão "de certeza poderia ser".

Joao disse...

Antes desta questão dos empréstimos acho que a liga deveria limitar o numero de jogadores sobre contrato.

Se não me engano tanto o Benfica como o Porto conseguem emprestar dois/três jogadores a cada equipa da primeira liga... (e ainda ter uma equipa b).

Apesar de não estar devidamente informado sobre esta questão creio que as principais equipas europeias não trabalham muito com empréstimos de jogadores...

Rearviewmirror disse...

"Em 2009/2010, um lugar do plantel do Vitória foi ocupado por um rapaz chamado Leandro Silva, emprestado pelo Benfica. Fez 424 minutos durante 5 jogos, dos quais resultaram 3 derrotas. Era central"

Quando a mensagem é mostrada de forma tendenciosa, onde transparece logo uma situação de causa--» efeito, uma pessoa estranha.
E quando duas dessas três derrotas são no Dragão e na Luz, estranha-se ainda mais esse exemplo tendencioso que foi dado.
Como se não fosse nada normal o Vitória perder nesses campos, sejam os centrais o Meira, o Geromel, Gregory ou outro central qualquer...


Percebe-se a mensagem?

Filipe disse...

«Yazalde. Tem uns 3 anos de primeira Liga, e tem contrato com o Braga (onde deve receber um bom ordenado).
Se não ficar na equipa principal do Braga, como vai fazer?
Tenta ficar com o passe na mão para jogar na 1ª Liga, num Rio Ave ou assim, com um salário bastante inferior aquele que o Braga lhe pagava?»

Eis um forte argumento para o fim dos empréstimos. Inflacionam os preços dos jogadores e os salários. Qualquer jogador minimamente competente (Djaniny, Michel por exemplo) é logo contratado por um dos estarolas, para ser emprestado a quem der jeito, e passa a ganhar acima das possibilidades da maioria dos clubes.

Não me admira que tenha sido o Nacional a levantar a questão. É uma equipa com orçamento razoável e mesmo assim não consegue ir buscar jogadores que se mostraram no nosso campeonato.

master kodro disse...

Rearview, repara na quantidade de exemplos para ser contra os empréstimos (e discordando das tuas opiniões) que te deixei nesta caixa de comentários, resumidamente:

1. Se o Melgarejo não jogasse, jogava outro.

2. Os golos do Melgarejo na Liga não valeram 10 pontos directos.

3. O Michel que não foi emprestado marcou 9 golos e foi vendido com lucro para o Paços de Ferreira.

4. O objectivo dos clubes é vencerem, derrotando os adversários, não é dar-lhes condições para serem mais ricos e mais fortes.

5. O Vitória perdeu uma oportunidade de estar mais forte na eliminatória mais importante da sua história por estar à espera de emprestados.

6. O Abdoulaye foi expulso 4 vezes.

7. O emprestado Urreta quase impediu o Vitória de se inscrever na Liga.

E, finalmente, 8. Vou repetir o comentário todo para ver se consegues ler tudo e perceber que estás a dar importância a um pormenor num parágrafo inteiro:

Em 2009/2010, um lugar do plantel do Vitória foi ocupado por um rapaz chamado Leandro Silva, emprestado pelo Benfica. Fez 424 minutos durante 5 jogos, dos quais resultaram 3 derrotas. Era central. No lugar de central, o Tiago Alencar (brasileiro, do Vitória) e o Paulo Oliveira (júnior, português, que pode ter uma oportunidade este ano) não tiveram um minuto sequer. Percebe-se a mensagem?

8.1. A frase começa com uma ideia: "um lugar do plantel foi ocupado por".

8.2. Acaba com: "No lugar de central, o Tiago Alencar (brasileiro, do Vitória) e o Paulo Oliveira (júnior, português, que pode ter uma oportunidade este ano) não tiveram um minuto sequer. Percebe-se a mensagem?"

Porque é que insistes, em 8 ideias de possível debate, num pormenor insignificante de uma das 8 ideias?

Mas se é esse o nível de abrangência do teu pensamento, vamos lá discutir a frase a que te estás a agarrar e faço-o com uma pergunta:

Quem é que está a defender desde o início da caixa de comentários que os emprestados dos grandes são de uma qualidade fantástica, de uma qualidade que não está ao alcance dos menos grandes e que alguns dos menos grandes não podem passar sem eles senão descem de divisão?

Achas normal estares a argumentar - no meio disto tudo - que o Leandro Silva não elevou o nível de jogo do Vitória para não perder com o Porto e o Benfica (deixando propositadamente o jogo do Marítimo de lado, mas é assim que argumentas), quando dizes que os emprestados servem para isso mesmo - elevar o nível de jogo dos receptores?

Mas nem nas minhoquices fazes sentido?

miguel_canada disse...

Eu, sinceramente, também não consigo perceber a vantagem de transformar um clube de futebol numa espécie de armazém de retém de futebolistas pendurados na parede na vã esperança de ganhar dois tostões e meio com a sua hipotética venda a um qualquer Hapoel Nicósia do Chipre.
Que se tenham 10 ou 12 nesta situação ainda se entende mas quando começam a ser 50 ou 60... algo está tremendamente errado.
Neste tipo de critica gosto de me centrar apenas no meu clube porque com o mal dos outros posso eu bem e como tal, já há muitos anos que reconheço que o lucro tem sido manifestamente inferior ao prejuízo no que ao FCPorto diz respeito.
Por cada Deco ou por cada Ricardo Carvalho, estouramos milhões numa data de Tomases Costas, Nelsons Benitez, Valeris e Predigueres com quem não podemos apenas contabilizar os saldos da compra vs venda mas também incluir os chorudos ordenados e prémios.
Renteria, Orlando Sá, David Addy, Walter e Souza pertencem a um extenso grupo de autênticos falhanços desta politica mercantil que se desvia notoriamente daquilo que é a verdadeira essência de um clube de futebol; ter uma boa equipa, jogar bom futebol e ganhar títulos.
Há muito que desejo uma politica idêntica à do Manchester United ou do Arsenal, clubes que tem muitíssimo mais dinheiro do que nós... Vende 1, compra 1 e eventualmente mais um miúdo a quem confiam um futuro promissor.
Os contentores de craques furados vão ser a ruína do FCPorto caso não se vire a agulha para outro lado o mais rapidamente possível.
Agora que se cessaram os empréstimos a equipas da mesma liga, temos aqui uma oportunidade dourada para começar a limpar a casa de uma vez por todas! 6 Guarda redes seniores???? 4 laterais direitos??? "Seriously"??!!

Rearviewmirror disse...

Filipe

O Nacional e o Marítimo, só de ajudas do governo Regional da Madeira, recebem cada um 1.750M€. Baixou este ano, porque o valor anteriormente passava os 2M€.

Esses 2 clubes raramente têm jogadores emprestados, porque em termos de salários conseguem ir buscar jogadores bem acima da média, tirando os 3/4 grandes.

Não conseguem ir buscar jogadores de qualidade?


O Nacional este ano contratou 2 brasileiros ao São Caetano e outro ao Palmeiras.
Não sao equipas do terceiro ou quarto escalão brasileiro, onde os paços de Ferreira e Gil Vicentes vão desencantar jogadores...

O Nene que foi para o Cagliari 2 anos antes estava no Cruzeiro.
Benaglio veio do Estugarda.
Felipe Lopes do Anderlecht.
Luís Alberto do Cruzeiro.
Etc...
Etc...

Rearviewmirror disse...

"*QUE Tirando os 3/4 grandes ninguém lhes consegue pagar"

Pedro disse...

"O emprestado Urreta quase impediu o Vitória de se inscrever na Liga."

Concordo com muito do que dizes sobre os empréstimos. Concordo com esta lei só não concordo q seja aplicada já esta época com muitos acordos de empréstimos já feitos. Era aprovar a lei e deixar uma época para os clubes se adaptarem a ela (sem as manhas típicas dos tugas).

Mas este argumento do Urreta não faz qqr sentido. Até parece q foi por culpa dele que não recebeu o pagamento devido e que tinha q abdicar dele.

master kodro disse...

O problema é que só vez o assunto do teu ponto de vista, Pedro, ou seja do ponto de vista do Benfica e não és capaz de te pôr na pele dos outros, aparentemente.

Primeiro, ninguém acusou o Urreta de nada. Segundo, se eu estivesse no lugar dele, provavelmente faria o mesmo. Terceiro, por não ter qualquer ligação ao Vitória, foi o único que recusou um plano de pagamento diferido. Não é, obviamente, coincidência que o emprestado, não ligado ao Vitória, fosse o único a recusar o acordo. Os outros, com vínculo à entidade, assinaram. Se te mantiveres ligado ao assunto central, não ficas com dúvidas sobre o que é escrito.

Pedro disse...

E se for mesmo coincidência??

Estamos a falar de falta de pagamento de ordenados...tens o exemplo do Leiria em que muitos dos profissionais ligados ao clube pediram rescisão enquanto que os emprestados continuaram a jogar. Há prós e contras na questão dos emprestados, apontar como contra o facto de um emprestado fazer finca pé para receber o que tem direito parece-me puxado. ☺

Rearviewmirror disse...

1. Com certeza que até podias jogar tu. Ou um padeiro. Jogou esse carago paraguaio com nome estranho, mas com certeza que não se notaria diferenças em termos de qualidade.
Aliás, ele contra o Benfica até mandou uma ao poste. É um azelha portanto.

2. Segundo as tuas contas valeram pelo menos 7. Já não é mau de todo. O golo dele à Académica não conta na estatística porque acabou 2-0. Esses 7 já davam para empatar com o Feirense. A importância do golo dele à académica fica para tu avaliares como quiseres. Como se diz na gíria, "dou de barato".

3. O estranho era ter ser vendido com prejuízo. Os 9 golos do Michel pontualmente não tiveram a importância dos do Melgarejo.

4. Há clubes que recebem jogadores em que a "casa-mãe" suporta 100% dos ordenados. Aí não ficam mais pobres, com certeza, mas isso já tem a ver com a capacidade negocial da equipa que os recebe. O Benfica nesse aspecto consegue fazer sempre empréstimos ruinosos, em que fica com percentagem do passe de um ou outro jogador. Este ano vi o Melgarejo a partir a defesa toda do Benfica sozinho na mata real. Não me pareceu que tivesse a jogar para perder.

5.Opções dos clubes.

6. E ainda conseguiu ser o 5º jogador da equipa com mais minutos. E ajudar a vencer a Taça de Portugal. É obra.

7. Sempre ouvi dizer que sem dinheiro não há vícios. Todos os trabalhadores têm como direito receber a tempo e horas o vencimento acordado com a sua entidade patronal. Os futebolistas não são excepção.

8 [esta vai em copy-paste, com o bónus do Marítimo]
"Fez 424 minutos durante 5 jogos, DOS QUAIS RESULTARAM 3 derrotas" presumindo uma situação de causa-»efeito.

Quando a mensagem é mostrada de forma tendenciosa, onde transparece logo uma situação de causa--» efeito, uma pessoa estranha.
E quando duas dessas três derrotas são no Dragão e na Luz (e a outra com o Maritimo), estranha-se ainda mais esse exemplo tendencioso que foi dado.
Como se não fosse nada normal o Vitória perder nesses campos, sejam os centrais o Meira, o Geromel, Gregory ou outro central qualquer...

master kodro disse...

Pedro, tenho que repetir que ninguém lhe retira o direito e que eu provavelmente faria o mesmo. Agora todos os outros tinham um vínculo que pretendiam que continuasse válido, ao contrário do Urreta. O Leiria é uma história diferente, toda a gente sabia que ia acabar.

master kodro disse...

Rearview,

1. Azelha e padeiro são escolhas tuas, não tens o direito de mentir em meu nome.

2. Segundo as tuas contas, eu não sei fazer contas, falavas de factos e defendias que sem o Melgarejo o Paços teria feito menos 10 pontos e descido de divisão, o que é mentira, até na tua forma peculiar de fazer contas.

3. Por acaso podia, se tivesse sido comprado por mais do que foi vendido. Mas não foi o caso. Não foi emprestado por nenhum clube português, não é o Melgarejo, marcou 9 golos e deu lucro ao Paços. Quando conseguires encaixar a ideia de que o objectivo do Paços não é dar lucro ao Benfica, vais perceber o que isto quer dizer.

4. Não percebeste o que escrevi. Outra vez.

5. Opções dos clubes que insistem em valorizar o que não é seu. É isto que defendes. Revelou-se ruinoso a médio prazo. Mas isso não te interessa, desde que o Benfica possa ter 60 jogadores.

6. O homem é expulso em quatro jogos em que a Académica fica a jogar com menos um e tu falas em minutos, quando a discussão específica era sobre "elevar a qualidade das equipas". Ok.

7. Claro que tem todo o direito, ninguém o pôs em causa. Não é isso que está em questão. Estamos a falar de um emprestado que pôs em risco a existência de um clube.

8. Continuas a insistir no acessório do parágrafo e a esquecer-te que a tua teoria é a de que os emprestados elevam o nível de jogo das equipas.

Rearviewmirror disse...

Como estou com tempo, e até estou a achar isto divertido, lá vai.

1. Não falei no teu nome ao referir as palavras azelha ou padeiro. Se aferiste isso da minha frase, o problema não é meu.
Pela tua ordem de ideias do "Se o Melgarejo não jogasse, jogava outro" também o Real Madrid podia jogar com o Bojinov no lugar do Ronaldo.
Os resultados é que provavelmente seriam diferentes. Ou então não.

2. Segundo as tuas contas "peculiares" o Melgarejo deu 7 pontos ao Paços.
No jogo contra o Gil Vicente, se ele não tem marcado os 2 golos perdiam o jogo. Logo aí são 3 pontos em vez de 2. Dá 8. O Feirense ficou a 7 do paços.
Como já te disse, a importância do golo dele à académica fica para tu avaliares como quiseres. Como se diz na gíria, "dou de barato"

3. O objectivo do Paços, como a maior parte dos clubes como daquele que sou sócio, é ficar na 1ª divisão, tentando obter lucro. Isso faz-se tendo os melhores jogadores ao menor custo possível. Tendo jogadores emprestados de qualidade, a preço reduzido (o que não envolve a compra de um passe), consegue-se potenciar os jogadores que pertencem ao clube.

4. Paciência

5. Bom bom é valorizar os jogadores da equipa C do Chelsea. Ou do City. Ou os 4 brasileiros emprestados ao Gil Vicente. Ou o Xandão que vai para a Lázio.

6. E viste os jogos todos do rapaz para dizeres que ele não elevou a qualidade de jogo da equipa? Foi expulso 4 vezes e a tua conclusão é que ele não joga nada?
Se calhar foi por causa dessas 4 expulsões que o FCP renovou-lhe o contrato. O Ferguson se lesse isto lembra-se do Roy Keane e chorava a rir...

7. Um emprestado que tentou fazer valer os seus direitos. Como já fizeram outros no Setubal, Farense, Leiria, etc etc.

8. [esta vai em copy-paste, com o bónus do Marítimo]
"Fez 424 minutos durante 5 jogos, DOS QUAIS RESULTARAM 3 derrotas" presumindo uma situação de causa-»efeito.

Quando a mensagem é mostrada de forma tendenciosa, onde transparece logo uma situação de causa--» efeito, uma pessoa estranha.
E quando duas dessas três derrotas são no Dragão e na Luz (e a outra com o Maritimo), estranha-se ainda mais esse exemplo tendencioso que foi dado.
Como se não fosse nada normal o Vitória perder nesses campos, sejam os centrais o Meira, o Geromel, Gregory ou outro central qualquer...