domingo, janeiro 11, 2015

Roubos de catedral e resultados pesados

A propósito de tarjas e roubos de catedral, porque não gosto muito de calimerices, não contesto a liderança do Benfica, no campeonato. Julgo que o jogo do Dragão foi o teste do algodão e mostrou que a equipa de Jorge Jesus tem uma maturidade que o Porto de Lopetegui ainda não alcançou. Concordo que, sem alguns erros de arbitragem que têm amparado os encarnados em momentos mais delicados, a diferença entre os dois primeiros seria provavelmente menor. Agora, isto não pode servir para esconder os erros próprios, os pontos perdidos por causa dos equívocos de Lopetegui e as falhas em momentos decisivos (e sem a influência de erros de arbitragem).

O Porto x Belenenses poderia ter acabado 2x1, como disse Lito Vidigal, depois de ver a sua equipa criar uma única situação de golo, já em tempo de compensações. Mas também poderia ter acabado 5x0 ou 6x0, que se calhar era o que merecia um treinador que põe uma equipa a jogar na retranca o jogo inteiro, mesmo depois de estar a perder por 1 e por 2.

Eu sei que a diferença entre o plantel do Porto e o do Belenenses é enorme, mas quem vê jogos de outros campeonatos e equipas como o Burnley e o Sunderland a fazerem pela vida, contra os poderosos de Manchester e de Londres, percebe que o problema, por cá, não está só na diferença de orçamentos. Está também em quem prefere tentar um pontinho caído do céu a arriscar algo mais, com medo sair derrotado por uns, sei lá, 3x0?

1 comentário:

miguel.ca disse...

Dá-me impressão de que vai havendo cada vez menos VidIgais em Portugal mas é preciso continuar a sonhar que desapareçam de vez.