domingo, março 27, 2011

Novo Testamento

Ao decidir impugnar a votação de sábado, Bruno de Carvalho perdeu uma oportunidade de ouro para chegar como grande favorito ao próximo acto eleitoral. Depois do golpe de teatro que deu a vitória a Godinho Lopes, bastava-lhe sair sem ruído da longa noite de Alvalade e esperar quatro anos até o poder cair de podre. Pelo contrário, prolongando a disputa nos tribunais, não só está a gerar anti-corpos em potenciais eleitores como se coloca numa posição muito delicada. É que se havia dúvidas quanto ao carácter de Bruno de Carvalho, este é o tipo de jogada que ajuda a dissipá-las. Ou foi vítima de fraude ou está a mentir. Não há meio termo.

Esta questão, a da credibilidade do candidato derrotado, é fácil de sanar.

Mais difícil é comprovar a veracidade do novo testamento que tem vindo a ser escrito nas últimas horas. Neste momento, pede-se aos sócios e adeptos do Sporting que acreditem que:

- a frase "A lista de Bruno de Carvalho venceu a Assembleia Geral" foi indevidamente tomada por "A lista de Bruno de Carvalho venceu o conselho directivo", que é a explicação que está a ser dada para o facto de Rogério Alves achar que tinha ganho e o próprio Godinho Lopes ter-se convencido da derrota

- durante oito horas, com dezenas de representantes de 10 listas diferentes envolvidos no apuramento de resultados, num mundo feito de internet, telemóveis e conectividade permanente, nenhum jornalista em Alvalade, em nenhum momento, percebeu que era sempre Godinho Lopes que liderava a contagem, pelo contrário, foram todos, sem excepção, levados ao engano por contra-informação posta a circular (não vale a pena perguntar por quem e com que objectivo)

- Rogério Alves, candidato ao lugar mais importante nos órgãos sociais do clube, não sabia como iam as coisas lá dentro e foi 'enganado' pelos jornalistas, que alegadamente o levaram a dizer que tinha dado os parabéns pela vitória a Bruno de Carvalho, ajudando a construir um cenário irreal

- a repetição vezes sem conta da palavra recontagem madrugada dentro constituiu mais um erro jornalístico continuado, tendo havido, na verdade, não mais do que uma única e definitiva contagem, a qual implicou uma espera até às cinco da manhã

- o aparecimento de mais 2.952 votos e mais 414 votantes na contagem final, face aos dados oficiais no momento do fecho das urnas, é algo perfeitamente normal, mesmo tratando-se de uma discrepância de 3,2% (número de votos) numa eleição decidida por 0,4%

kovacevic

16 comentários:

PLF disse...

Kovacevic,

Podemos acreditar naqueles que conhecemos e em que confiamos.

Podemos acreditar nos próprios membros da lista do Bruno Carvalho que ratificaram o resultado eleitoral.

Ou podemos acreditar nas teorias da conspiração de segunda apanha que pululam por aí e num candidato que faz mug shots com a máfia russa. São escolhas.

Eu prefiro acreditar naquilo que todas as pessoas sérias, que conheço e que estiveram presentes, me contaram. Tudo o resto são faits divers.

Os votos estão selados numa sala com um polícia à porta. Sinceramente, espero que o Bruno Carvalho seja consequente e promova a tentativa de anulação judicial da AG. Porque seria facilmente desmascarado: basta contar. Não serviria para aplacar que não acreditam em TODOS os delegados que lá estiveram, mas esses não têm cura possível.

Pedro Almeida disse...

Nem eram precisos 4 anos Kova, da maneira como o ambiente está em Alvalade, basta o próximo campeonato começar mal que ele caía logo do poder.

Não acredito que os tribunais resolvam alguma coisa e ele assim já está a começar a ganhar (ainda) mais anti-corpos.
Mas também é complicado, se o homem se sente mesmo injustiçado, que há-de ele fazer?

Devia começar era a haver um movimento de fundo de forma a alterar os estatutos pré-históricos e fundamentalmente instaurar o voto electrónico.

Filipe disse...

Novas eleições é que era bom! Então se o Futre manifestasse apoio ao Bruno de Carvalho, juntando chineses e russos....

MM disse...

PLF,
"Máfia russa", e depois são outros que vivem de chavões ...

Kovacevic,
O número total de votos possíveis e contabilizados não bate certo, mas não há problema. Num outro plano, plano não fraudulento, houve muito mais sócios a votar em Bruno de Carvalho do que em Godinho Lopes, mas também não há problema.

Não há problema nenhum, mas só para os provincianos. Aqueles que mesmo agora não conseguem desviar-se do Bruno de Carvalho. O homem "perdeu" mas continua a ser o mau da fita, a ser o único que é examinado, aquele que - pasme-se - até tem agora de ficar muito quieto para prestar um bom serviço ao Sporting. Sim porque impugnar as eleições será um tremendo alvoroço. Ferirá o clube de morte, é isso que feriu / fere / ferirá o clube de morte.

Que mentes provincianas. Preocupem-se antes com o novo presidente do Sporting. Elegeram-no, agora preocupem-se com ele. País de merda roido por invejas labregas que até ocupam os espíritos mais iluminados. Acabei de ouvir a intervenção do Bruno de Carvalho no jornal da SIC Notícias e se aquilo é um "saco-de-vento" o que serão os outros?

Saco de vento e máfia russa.
Eu tinha um avô que fazia exercício semelhante mas ao contrário: "se vem de Portugal, se se relaciona com Portugal, não interessa a ningém de certeza". Pelo menos tem melhor sustentação, é mais apurado do que aquele avô da aldeia que diz "se vem da cidade, é perigoso!"

"Vai-te mafioso vai-te e não faças mais barulho que é para prestares um bom serviço ao Sporting. Não queremos cá mafiosos russos como tu".

Eu se fosse ao Bruno de Carvalho ia fazer qualquer coisa mais interessante e mandava o Sporting para o caralho, mas isso era eu. Ele que impugne essa merda porque é óbvio que há no mínimo inconformidades. A maior de todas? O universo total de votos não bate certo. Todas as outras, aqueles que o post descreve. Nem numas legislativas a comunicação social costuma enganar-se, quanto mais numas eleições tidas num espaço que embora controlado é acedido por muita gente, num universo de 14000.

Esqueçam-se os sinais todos, porque se impugnar presta um mau serviço ao clube? Bom serviço ao clube prestaram vocês palhaços que preocuparam-se tanto com o Bruno de Carvalho que acabaram por eleger o triste e seu bando que passaram anos e anos a roubar o Sporting. Provincianos de merda.

Visigordo disse...

Kova, deixo aqui um comentário já deixado no "A Norte" que creio explicar essa diferença de números.

"Apesar de não me rever minimamente nesta direcção, tenho uma teoria que creio justificar essa diferença de nº de votantes e nº de votos.
Na entrada na sala de votação, na triagem de verificação de identidades e de quota válida, ficou o registo de um número de pessoas que passaram.
A diferença creio vir dos sócios que levaram cartões de outros sócios metidos no bolso e depois de votarem na sua mesa, davam meia volta e dirigiam-se a outras (ou à mesma) mesas para votar como se se tratassem dos sócios não presentes (os tais cartões no bolso) e não registados informaticamente na entrada da sala de votação.
Ora, parece-me que pode ser por aí que existe uma diferença entre o registo informático e os números descarregados nos cadernos eleitorais.
Até onde é que vai a legalidade disso, não sei, mas sei que picando os nomes nos cadernos eleitorais e vendo o registado informaticamente, rapidamente se apuraria quem são os "sócios votantes" que não estiveram presentes nas urnas."

zigoto disse...

Sistema informático explica discrepância


Uma das dúvidas levantadas, sobretudo em fóruns na internet, foi a discrepância entre os números de votos e eleitores anunciados logo após o fecho das urnas e os totais ontem divulgados. No sábado à noite, o Sporting anunciava um total de 88 530 votos, distribuídos por 14 205 eleitores. Mas a soma dos resultados divulgados ontem dava 91 482 votos e 14 619 eleitores. Segundo fonte oficial do clube, tudo se deve ao facto de nem todos os sócios serem reconhecidos pelo sistema informático, o que fez com que tivessem de recorrer aos cadernos eleitorais para poderem votar. Os primeiros números a serem apresentados diziam respeito apenas aos sócios reconhecidos pelo computador.
http://www.ojogo.pt/27-87/artigo919152.asp

Petinga disse...

Eu geralmente ate concordo com o que o PLF escreve. Mas acho que neste comentario estiveste mal, e o MM acaba por explicar porque.

Apenas duas coisas:

1- Isto e precisamente a repeticao de Al Gore/W. Bush, a escala do Sporting. Na altura ate podemos todos ter achado que Al Gore teve um gesto elegantissimo ao admitir a derrota, mesmo sabendo-se das irregularidades. Hoje, e tendo em conta toda a merda que o W. fez (e sabendo nos que viria ai um 11 de Setembro), nao podemos deixar de nos interrogar quem ficou realmente a ganhar com aquela fraude. Os americanos nao foram, concerteza.

2- Nao vejo qualquer interesse PARA O SPORTING em BdC permanecer na sombra como o "candidato que devia ter ganho e esta so a espera que esta merda caia para voltar em forca". Isso, sim, seria de Vale e Azevedo. O que o Sporting precisa e, JA, de um presidente legitimado para poder tomar as suas decisoes com a autoridade necessaria. Ate porque o Sporting nao tem muito tempo para resolver os seus graves problemas de tesouraria, de performance desportiva, de estrategia para o futebol e, sobretudo, de controlo (ou perda dele) da SAD.
Nao da para "esperarmos ate que a temporada comece e o Domingos ou o Rui Vitoria (seria um belo golpe, este!...) facam merda para depois tomar o poder". Isso e o tipo de estrategia de pessoas que colocam os seus interesses pessoais e sede de poder a frente dos do clube.

If anything, Bruno de Carvalho demonstra muito mais caracter do que quem escrutinizou as suas propostas com um rigor que nunca vimos aplicado a Godinho Lopes (por exemplo).

kovacevic disse...

Petinga, não podia esta mais de acordo. O que quis demonstrar é que, estrategicamente, impugnar é uma decisão que o expõe e prejudica, provavelmente fere-o de morte, se os tribunais não lhe derem razão.

kovacevic disse...

MM,

"Nem numas legislativas a comunicação social costuma enganar-se, quanto mais numas eleições tidas num espaço que embora controlado é acedido por muita gente, num universo de 14000".

Precisamente.

É preciso ter assistido no local ou em directo pela TV (como eu) sem desligar por um momento para perceber na plenitude como a evolução dos acontecimentos é absolutamente estranha e inesperada.

kovacevic disse...

Mais uma:

Godinho Lopes diz hoje à Bola que o seu delegado (João Pedro Varandas) na sala de contagem estava sem telemóvel, daí a própria lista ter-se convencido da derrota e a sua gente desmobilizado

Lindo.

PLF disse...

Kovacevic,

o que diz o Novo Testamento sobre o comportamento dos delegados da lista do Bruno Carvalho?

MM,

Palhaço? Sem comentários.

Petinga,

Se costuma estar de acordo com o que escrevo então pense bem porque não está desta vez. Não escrevo as coisas de ânimo leve. Nem eu, nem o Leão de Alvalade. Todos conhecemos a mesma história, todos a ouvimos de fontes diferentes e essa história não cola com viciação de resultados.

Seria melhor que estivéssemos calados perante aquilo que se lê e que é mentira?

É preciso reflectir porque as coisas chegaram a este ponto. E o primeiro passo é compreender por que razão havia (O Jogo di-lo) uma "chuva de informações apenas num sentido", quando esse sentido era incorrecto. Estavam lá 45 delegados para dar conta da viciação das eleições e nem um!

Nuno disse...

Teorias da conspiração à parte, há dois pormenores em que Bruno de Carvalho tem razão:

1) Em qualquer país civilizado e minimamente consciente do que é uma democracia, eleições decididas por margens tão curtas obrigam necessariamente a uma segunda volta, com os 2 candidatos mais votados. Se os estatutos do clube o não prevêm, seria de bom senso que as listas o propusessem. A segunda volta resolveria não só o problema da eventual fraude como tornaria muito mais claras as preferências dos votantes e daria mais força e legitimidade à lista vencedora. Aliás, a possibilidade de uma eventual fraude ou de teorias da conspiração só é possível porque a margem foi mínima. Se margens tão reduzidas implicassem necessariamente segundas voltas, jamais estas confusões e estas dúvidas teriam sido levantadas. Ia-se para segunda volta, fosse quem fosse que tivesse mais votos. Muito mais do que um problema de seriedade ou não, trata-se de um problema democrático. Não foi este o argumento de Bruno de Carvalho, que solicitou uma segunda volta com base nas alegadas inconformidades. O meu ponto é que, mesmo sem inconformidades, a segunda volta era democraticamente exigível.

2) Não só, mas sobretudo porque as campanhas tinham antecipado a possibilidade de as eleições serem discutidas taco a taco e de haver acusações de um lado e do outro, seria de bom senso, como forma de apelo à isenção e ao rigor, que as mesmas tivessem ficado a cargo de uma entidade externa ao Sporting. Seria muito mais difícil fazer acusações e solicitar impugnações se tal acontecesse.

No rescaldo destas eleições, não deveria estar em causa, portanto, o carácter nem de Godinho Lopes nem de Bruno de Carvalho. Aliás, os sportinguistas mostraram que se estão nas tintas para o carácter dos seus representantes, ao depositarem mais de 70% dos votos nas duas listas que menos escrúpulos demonstraram, ao longo da campanha. O que deveria estar em causa era, isso sim, o sentido democrático das próprias eleições. Esse, sim, não foi salvaguardado. E por aí, sim, parece-me haver razões para discordar do desfecho dessas eleições.

M disse...

vai vir charters de providencias cautelares.....

kovacevic disse...

PLF

"por que razão havia (O Jogo di-lo) uma "chuva de informações apenas num sentido", quando esse sentido era incorrecto".

Responde tu.

Qual é o objectivo? Preparar terreno para a impugnação? Só pode, já que a votação já tinha terminado e não havia eleitores para influenciar.

O que é mais plausível? Uma enorme trapalhada nas eleições ou alguém começar a orquestrar uma impugnação com 24 horas de antecedência?

PLF disse...

Kovacevic,

O objectivo é simples: condicionar o resultado final de uma eleição que se previa disputada.

Acho piada à comparação com as eleições americanas: é que nestas eleições, o vencedor anunciado foi um, até houve quem - influenciado pela contra-informação - o tenha parabenizado (e aquilo que se retira das suas declarações, que eu também ouvi, é totalmente abusivo!) mas fez-se a contagem dos votos até ao final e os resultados foram outros.

O ambiente está envenenado e hoje parece-me que teremos mais novidades. As pessoas escolhem o querem acreditar. Não tenho nenhuma filiação à lista do GL nem nenhum amor pelo estado que o (simplisticamente) roquetismo deixou o clube. Penso que o meu trajecto nisso está fora de causa.

Eu não vou desistir mas haverá quem desista de pugnar pela verdade e se vá no populismo.

JLC disse...

"Nao vejo qualquer interesse PARA O SPORTING em BdC permanecer na sombra como o "candidato que devia ter ganho e esta so a espera que esta merda caia para voltar em forca". "

O candidato que devia ter ganho? Manda quem?