segunda-feira, maio 03, 2010

Um chileno com cara de Sporting

Este aprendiz de cantinflas encaixa que nem uma luva na caricatura do actual Sporting. Na fase do entusiasmo juvenil de JEB, o chileno era o prodígio capaz de encher bancadas; na fase da negação de JEB, o chileno não rendia por culpa da crítica que o queria matar; na fase pragmática de JEB, para o ano é que o chileno é. Toda a gente gaba o talento de Matías, mas ninguém o viu em Alvalade, salvo em raras aparições. Tem três golos e uma assistência na Liga Sagres, apesar de ser o nono mais utilizado. Na Liga Europa marcou uma vez. Ontem com a Naval, mais do mesmo. Parte do problema, na minha opinião, está nas características do jogador: falta-lhe intensidade e objectividade. Outra parte resulta de um equívoco: Matias não me parece um organizador, um 10, vejo ali, isso sim, um segundo avançado, um elemento que deambula livremente por toda a frente de ataque à espera do momento para meter o último passe no goleador da equipa. Finalmente, o problema também está no subrendimento que caracterizou o plantel em 2009/10. Trata-se da primeira tarefa de Paulo Sérgio: extrair todo o potencial dos homens treina, algo que não se vê no Sporting desde a segunda época de Paulo Bento (2006/07).

kovacevic

7 comentários:

Homem Aranhão disse...

O silêncio do Katanec preocupa-me. Estará doente?

JNF disse...

O do Kodro também me preocupa.

Leão de Alvalade disse...

É uma má época para aferir a categoria individual de qualquer jogador do Sporting, pelo que em relação a Matias a porta continua aberta. Mais ainda porque ele foi contratado por um treinador que saíu cedo, sem ter dado conta porque o trocou por 3,5 mais a oferta do Romagnoli, mais pagamento de indemnização.

Mas concordo no essencial contigo: vi-lhe falta de intensidade e objectividade. No fundo Matias foi sempre um corpo estranho ao colectivo. A ideia de o transformar num Saviola era bem capaz de resultar, mas julgo ser difícil de o compatibilizar com as características de Liedson.

O Mundial é bem capaz de responder a algumas destas questões e ajudar-nos a perceber quem temos. Isto desde que o Chile não nos emite na África do Sul.

Felizberto Desgraçado disse...

Não é exactamente a "ideia de o transformar num Saviola", é a lógica de o recolocar na posição em que brilhou na América do Sul, em apoio próximo a Suazo e com liberdade para ter a bola no pé (jogando, é certo, sobretudo em contra-ataque).

Ele não é um craque, por muito que o queiramos tornar em tal. Ele é um jogador sul americano (com os aspectos positivos e negativos) talentoso que necessita trabalho e adaptação a uma realidade táctica mais semelhante à que tinha no seu pais de origem.

Se o Sporting não pensar nesses termos, então o Matías não vai passar de um Tonito, que salta do banco para cumprir algumas ordens e, eventualmente, fazer uns bonitos aqui e ali.

kovacevic disse...

Caros Felizberto e LdA

Em adenda ao post, devo explicar que vejo o Matias a jogar num 442 clássico em que ele integra o duo da frente. Uma linha de 4 defesas, uma linha de 4 médios, 2 atacantes.

No Benfica, Saviola faz parte da dupla atacante, mas tem Aimar na posição 10 a apoiar, além de médios interiores com profunda vocação ofensiva.

Também me parece que Matias renderá mais em contra-ataque. Encaixaria que nem uma luva, por exemplo, num modelo italiano clássico. O problema é que o Sporting assume a iniciativa do jogo em pelo menos 25 ou 26 das 30 jornadas na Liga Sagres. E mesmo na Europa, sempre que actua em Alvalade tem de o fazer.

King Lion disse...

Ainda não sei qual é a verdadeira qualidade deste jogador mas o que temos visto não é nada de bom.

Seá do sistema táctico ou da qualidade do jogador ?.Uma coisa é certa é um jogador frágil, pouco agressivo e com dificuldades a segurar a bola.

katanec disse...

Caro Homem Aranhão, se me lês há algum tempo, terás reparado que não me furto a comentar as derrotas do Benfica, por mais custosas que sejam. Não sou como certos blogs (olha, o teu provável preferido "Portistas de Bancada"), que anuncia o fecho da loja porque mamaram cinco do Arsenal, regressando depois quando os resultados melhoraram.

Certamente compreendes que as pessoas têm vida pessoal e podem ter de escrever em dias diferentes aos teus interesses, certo?