sexta-feira, maio 15, 2009

Play it again, Sam # 31 - Beck

I'm a loser, baby, so why don't you kill me?

Toda a história do falhanço de Manuel Machado no Braga. Entrou em Novembro para o lugar de Jorge Costa, pelo que o plantel não foi escolhido por Manuel Machado. Costa deixou a equipa em oitavo na Liga, quando foi despedido à 9.ª jornada; Manuel Machado deixou-a em nono, quando foi despedido à 27.ª jornada (António Caldas deixou-a em sétimo no fim do campeonato, três jogos depois). Treinou o Braga em 18 de 30 jornadas da Liga, portanto. Na Europa, foi eliminado pelo Werder Bremen depois de passar a fase de grupos. Jorge Costa começou por eliminar o Hammarby e empatou fora com o Bolton. Ao segundo jogo do consulado Machado, o Braga empatou com o Bayern - esse, o de Munique - que jogou com Kahn, Lúcio, Lahm, Ribéry, Zé Roberto, Luca Toni e Klose. Ainda empatou no campo do Aris e bateu o Estrela Vermelha.

Já elogiar a carreira de Manuel Machado equivale a "permanecer pequenino". Nas 5 épocas começadas e terminadas na primeira Liga, dois quintos lugares e respectivas qualificações europeias, no Nacional e no Vitória minhoto. A sexta época nestas condições está quase a terminar e determinará a terceira qualificação europeia, novamente no Nacional. As outras três foram o 9.º e o 12.º lugares do Moreirense e um banal 13.º na Académica.

E tudo isto surgiu em torno de Jorge Jesus, que também vai terminar a sexta época completa com a segunda qualificação europeia via Liga (os 6 pontos que "Meyong levou" na época passada davam um sexto lugar e mais uma qualificação). Para além disso, dois oitavos no Estrela e um 16.º no Felgueiras que valeu uma descida no ano de estreia na Liga principal. Quase fez uma época inteira em Leiria (7.º lugar em 29 dos 34 jogos) depois de substituir José Gomes.

Os caminhos dos dois treinadores cruzaram-se. O falhanço de Manuel Machado no Braga (com a ajuda de António Caldas e Jorge Costa) deixou os arsenalistas nas mãos de Jesus na Intertoto. Já Manuel Machado não teve tanta sorte quando chegou a Guimarães em 2004/05 (quando qualificou o Vitória para a Europa), dado que Jorge Jesus tinha deixado os vitorianos em 14.º no final da época anterior, depois de fazer 23 jornadas, a partir da 11.ª, quando substituiu Inácio. Mas a isso não se pode chamar falhar, pois não? Nesse mesmo ano de qualificação do Vitória para a UEFA, Jorge Jesus treinou o Moreirense nas últimas 7 jornadas do campeonato, depois de substituir Vitor Oliveira, não conseguindo evitar a descida da equipa que Manuel Machado içou à Liga principal e tinha deixado em 9.º lugar na época anterior.

Música: "Loser"
Álbum: "Mellow Gold", 1993
Interpretação: Beck



Sinceramente, tudo isto... Continuemos com Beck mais recente:

Música: "Nausea"
Álbum: "The Information", 2006
Interpretação: Beck



master kodro

14 comentários:

Mr. Shankly disse...

Muito bom. O post e a música.
Agora espera pelos comentários (alguns serão do género "new pollution").

Ricardo disse...

Sem dúvida, o post está excelente.

Mas intriga-me esta tua necessidade de andar à volta do assunto Benfica. Agora discute-se Jesus para o Benfica? Venha de lá um Play it again, Sam a demonstrar a qualidade de Machado quando posto em oposição a Jesus. Sim, certo, falas na qualidade do Richard Gere da Damaia, mas também não podias fazer outra coisa, depois de tanto elogio (justo) que lhe foste fazendo ao longo da época. Se esta análise tivesse sido feita há um mês teria tido mais credibilidade. Assim, e mais uma estafada vez, apesar de estar excelente do ponto de vista da capacidade para analisar o trajecto dos dois técnicos, soa once again a odiozinho ao glorioso.

Outra coisa: aqui falas em resultados. É um critério altamente legítimo mas uma pessoa pode gostar mais de um técnico do que outro, mesmo que o primeiro não tenha os resultados que o segundo tem - o que até nem é o caso quando comparamos Jesus com Machado mas, enfim, dou só um exemplo. Eu posso elogiar Jesus pela forma como obtém resultados arriscando muito mais nos processos de jogo que implementa e achar que Machado é um treinador competente mas muito menos interessante do ponto de vista do entendimento e ambição de jogo. Por exemplo.

Posso achar que um treinador que consegue resultados com um tipo de jogo muito mais difícil de conseguir resultados num campeonato como o nosso tem um perfil capaz de chegar e obter sucesso num grande que um treinador que faz dos processos mais estudados e mais previsíveis a sua forma de chegar a resultados de bom nível.

Cada um tem a sua opinião. E a minha é a de que Jesus é mais treinador que Machado. Não espero que me tentes convencer do contrário. Mas este Play it again, Sam parece ter um bocadinho disso.

Mas oiçamos a música...

Pipolinus disse...

Boa tarde. Não é meu apanágio comentar aqui sobre futebol, mas tinha de evidenciar a "ilusão" que Jorge Jesus é capaz de dar aos benfiquistas.

Há meses que digo, nos meus círculos, que quero o Jesus no Benfica. É o único, em Portugal, que põe as suas equipas a jogar como eu penso que o Benfica deveria fazer, mandão e em cima do adversário.

Por isso, se se confirmar que vem para o Benfica eu, um famigerado forreta (não Tio Patinhas =/), compro um cativo.

Tamanha é a crença =)

Portanto, em Portugal é o único treinador não-grande que considero. Sim, Manuel Machado é bom, e tb gosto do Domingos. Mas o Benfica tem de ser "mais" do que resultados, tem de ser exibições. Como massa adepta somos injustamente exigentes, mas não vamos mudar.

Não apoio a vinda de um estrangeiro pq no Benfica não sabemos contextualizar, a quem chega de fora, a importância de um campeonato ou das boas exibições. O estrangeiro não sabe que um 2º lugar e ida à Liga dos Campeões não chega. Não sabe que jogar mal e ganhar dá direito a assobio (não muitos, mas alguns).

Logo, tem de ser tuga. E por tudo o resto, tem de ser o Jorge Jesus.

Abraço =)

Pipolinus

master kodro disse...

Caro Ricardo, eu escrevi sobre a unanimidade num dia em que havia notícias a dar conta do interesse do Benfica, Porto e Sporting nele. Daí a unanimidade.

Se achas que ele é melhor do que Machado, estás no teu direito. Eu estou a responder a quem diz que Machado falhou no Braga e a quem diz que elogiar Machado é ter uma obsessão em permanecer pequenino, que são coisas distintas de dizer que se prefere Jesus a Machado, o que não contesto, embora não pense da mesma forma.

Para além de ter trabalho feito em Guimarães, para além de ter trabalho meritório feito em todo o lado por onde passou (excepto em Coimbra e em Braga onde passou meia época), tem aquela maneira esquisita de falar que, nele, tirando um ou outro caso, aprecio (por oposição às banalidades gerais e aos que têm outras maneiras esquisitas de falar).

Para terminar, insulta como ninguém: a das novas oportunidades para o Carlos Cardoso merecia primeira página numa escala de insultos futebolísticos.

Mr. Blue disse...

Sobre o post em si devo dizer que, embora não sendo adepto de nenhum dos treinadores em questão, tenho uma ideia mais favorável a Machado do que a Jesus.
Parece-me que, com evidentes limitações técnicas, é capaz de mais (ou do mesmo) com menos.
E se duvidas tivesse, esta análise ao percurso de Machado relembrou-me alguns dos sucessos que eu já tinha esquecido.

Por outro lado Jesus é o mesmo que andou anos a fio a "teorizar" sobre o bom futebol e na prática, excluindo os últimos 3-4 anos, era (é) apenas mais um treinador banal.

Este Braga, com o plantel que tem, devia ter o 4º lugar (pelo menos) seguro há já algum tempo.
E, embora na Europa tenha realizado boas exibições, no nosso campeonato poucas vezes me convenceu.

Sobre a ida de Jesus para o Benfica, só posso concordar(melhor só Scolari ou P Bento...).
A ida de Jesus para a Luz garante que ele não vem para o meu clube (no que seria um erro crasso) e, segundo se diz, garante a ida de Domingos para Braga, naquela que será (a correr bem) a antecâmara do regresso à casa mãe.

Assim espero.

Peyroteo disse...

resta ainda assinalar que, até ir pela primeira vez para a madeira, o Machado era treinador em part-time. Era professor, salvo erro

master kodro disse...

O nosso mestre da NBA é benfiquista? Abraço, pipolinus e volta sempre, seja de bola laranja ou outra qualquer na mão.

Pipolinus disse...

Mestre é um grau que não se tira num ano, pá. =)

SE voltar a ter sucesso na próxima época, talvez mude o nick para incluir tal epíteto, hehe.

Benfiquista que visita todos os dias este local. O Galvão é que podia falar mais, aqui e no Astro, mas pronto.

Abraço a todos, bom fim de semana.

Agora vou para o poker.

=)

master kodro disse...

E na NBA, sofres por quem? Eu já não sei. Vou atrás de jogadores, mas desisti do Iverson. Vou virar para Oklahoma com a putalhada. Estava a precisar de um "conterrâneo" da casta do Drazen Petrovic lá, mas isso já não se fabrica...

N. disse...

Eh pá, segundo as contas que apresentas em cima, acho é que o treinador ideal para o Benfica não é o Jesus nem o Manuel Machado...

António Caldas já! :)

master kodro disse...

Foram 4 jogos (um deles entre Jorge Costa e Manuel Machado, por acaso foi um Braga 3 x 0 Sporting!), 3 vitórias e um empate. Se calhar...

José disse...

Boas!

Não consigo ver a coisa assim tão "black and white", dir-me-ás que são factos o que apresentaste, o que é facto tambám é quealidade de ambos, pelo menos aprecio os dois e se é pra treinar o Benfica qualquer um deles seria trucidado, mas se calhar o Machado até seria mais indicado...

Já agora perguntava-te, aquele senhor com quem tinhas um partie pris no VSC, José Marinho, ainda aí mantém o tacho? É que agora andas com umas blogadelas onde se assume benfiquista...

master kodro disse...

O Zé sentiu a pressão de quem não pode com oportunistas (os sócios do Vitória) e pôs-se a milhas já há alguns meses. Agora é só director de comunicação do Manuel Cajuda e está a tentar preparar a entrada em cena de José Veiga no Benfica. Relativamente às blogadelas do senhor, ele já as fazia antes de ir para o Vitória noutro sítio. Vai ser engraçado acompanhar a guerra entre os V's que se vai desenhar se não rebentar nenhum escândalo, entretanto. Mas não deve rebentar porque nenhum deles pode falar.

Nuno disse...

"Eu estou a responder a quem diz que Machado falhou no Braga e a quem diz que elogiar Machado é ter uma obsessão em permanecer pequenino"

Master, o Manuel Machado pode servir para um clube médio ou pequeno da primeira liga, nunca para um grande. Porque um grande tem de assumir o jogo e as equipas do Manuel Machado nunca o fazem. Joga homem a homem na defesa e adapta o seu sistema táctico ao do adversário. Isto é coisa de gente pequena. E admirar isto é ser pequeno. A qualidade dos treinadores não se mede pelos resultados, embora queiras à força provar o contrário. Há que ter em conta os recursos, as circunstâncias, etc. Se é por resultados, o Jaime Pacheco tem de ser bom. E não é. Se é por resultados, não podes contestar tanto o Cajuda depois do que ele fez o ano passado. O Manuel Machado, quando não está num clube capaz de lhe oferecer um orçamento interessante (e o Nacional tem dos orçamentos mais elevados da Liga), não tem resultados especialmente interessantes, nem nunca teve. Desculpar a sua aventura no Braga pelo facto de não ter escolhido o plantel é engraçado. É verdade, isso, mas também é verdade que deveria ter feito mais qualquer coisa.

O teu problema é continuares a olhar para resultados e não perceberes a forma como eles se atingem. E é a forma que interessa. Só. Jesus é muito mais competente para um grande do que Machado porque as suas equipas jogam à bola, não se adaptam em função do adversário. Mas o teu problema com o Manuel Machado é o mesmo que com o José Mota. São dois treinadores limitadíssimos, que podem ter algumas épocas de sucesso (num clube que ofereça estabilidade, isso não é assim tão complicado), mas que inevitavelmente têm maus resultados a intervalar os bons. Neste momento, há na Liga dois treinadores capazes para um grande, o Jesus e o Carvalhal. Porquê? Porque são capazes de pôr as suas equipas a jogar à grande. E o melhor Jesus nem é este de Braga. É o do Belenenses, nessa altura sim, com um futebol de encher o olho e com recursos bem mais parcos.

Por isso, sim, quem elogia Machado é pequeno. Porque não percebe o quão limitado, enquanto treinador, ele é. Porque não percebe que os conhecimentos que o homem tem sobre futebol ficam muito aquém do ideal. Porque não percebe que aquilo em que as suas equipas se baseiam é do mais primitivo que há. Porque não percebe que os resultados, por si só, não ilustram rigorosamente nada. Elogiar o Machado, colocando-o acima de treinadores como Jesus ou Carvalhal só é possível não se percebendo peva de futebol. Se quiseres compará-lo com o Carlos Brito, com o José Mota, com o Daúto Faquirá, com o Ulisses Morais, força, és capaz de conseguir provar que ele é o melhor desses todos. Agora, mais do que isso é força de vontade a mais. É como insistir em elogiar o Hernanes quando na mesma selecção jogavam o Diego, o Anderson e o Thiago Neves, ou quando ainda havia Elano, Juninho, Alex, Kaká, etc.. É elogiar a mediocridade.