quarta-feira, abril 09, 2014

Emoção até ao fim, em Londres e em Dortmund

Dois grandes jogos, com Mourinho a repetir, em Londres, o mítico sprint de Manchester *, quando Demba Ba castigou a falta de ousadia do PSG, e com Reus a brilhar, em Dortmund, contra um Real sem Ronaldo e que por pouco não viu esfumar-se a vantagem de 3 golos que trazia de Madrid. Gostava de ver um Real x Chelsea e um Barcelona x Bayern, nas meias-finais, mas não sei se o Atlético de Madrid deixa.

* Lucho deu uma entrevista a O Jogo, onde revelou que saiu do Porto porque já não se sentia feliz no clube, já não tinha alegria, já não era a mesma coisa. Lembrei-me de Mourinho a correr, em Stamford Bridge, como se não houvesse amanhã, não para convencer Lucho a mudar de empresário e a ir para o Chelsea, mas para festejar, junto com a sua equipa, um apuramento sofrido. Provavelmente, Mourinho não se lembrou de que já não estava em Old Trafford, não era Costinha nem o caminho para a sua primeira Champions que ele iria abraçar. Eliminar o PSG com o Chelsea, já com uma carreira consagrada, não é o mesmo que eliminar o Manchester United com o Porto, em início de carreira. Talvez tenha sido isso que levou Mourinho a defender-se, dizendo que correu para dar instruções aos seus jogadores. Mas, para mim, o que aconteceu ali foi o oposto do que Lucho confessou: a mesma alegria, a mesma paixão pelo jogo, a mesma vontade de vencer. E é também por isso que ele continua a ser especial.

4 comentários:

Mr. Shankly disse...

Acho que o Mourinho correu para festejar, e a meio o Mourinho racional tomou conta do assunto e percebeu que a eliminatória não estava ganha. É visível que quando chega à melée já vai com a ideia de dar instruções a alguns jogadores.

Nota-se que Mourinho tem um prazer imenso no que faz, nota-se em cada jogo, cada treino, cada conferência de imprensa. E não se notava em Madrid. Muitos falam dos mind games dele, mas eu acho que 99% do tempo Mourinho diz a verdade. E disse que não estava feliz em Madrid e que voltaria a ser feliz em Londres. E isso é óbvio.

Hugo disse...

É por jogos como ontem que mais me custam a entender derrotas como as que o Chelsea teve diante do Aston Villa ou do Crystal Palace

miguel.ca disse...

Como é que Lucho havia de sentir felicidade no Dragão? Treinado por uma anémona e a sentir o clube a ser espoliado pelos comi$$ionistas que o deixaram a capitanear uma equipa que é uma sombra daquelas que partilhou com Hulk, Licha, Moutinho, James, etc.

littbarski disse...

E isso é novidade para o Lucho?

«Depois da primeira época pelo FC Porto [a época do Adriaanse e do Artmedia...], que foi muito boa e em que terminei como o melhor marcador da equipa, apareceu o Chelsea. (...) Havia interesse do Chelsea, mas eu tinha o representante errado. Fiquei no meio de uma guerra. O Jorge Mendes mostrou interesse em que assinasse por ele e eu, ingenuamente, acreditei que o meu empresário se entenderia com ele e que as coisas aconteceriam. Os empresários são um mal necessário, mas acabei eu por pagar.»

O Lucho já não está para se chatear. Apareceu-lhe uma excelente oportunidade, em termos financeiros, num clube onde terá muito menos pressão, e ele aproveitou-a.