quarta-feira, maio 29, 2013

Curtas

1. No Benfica continua indefinida a situação quanto ao treinador. Incompetência da Direcção, garantem os media. No Porto continua indefinida a situação quanto ao treinador. Brilhante jogada da Direcção, garantem os media. Mistérios insondáveis da análise futebolística em Portugal.

2. Jesus deve ou não ficar? É impossível ser taxativo, pois depende do ponto de vista. "Quase" chegar a títulos é prova de que foi trilhado um caminho bem-sucedido até à fase decisiva. Mas chegar a esse momento e falhar é também prova de incapacidade. Difícil desatar este nó. Eu propunha uma solução intermédia: renovação de contrato com diminuição de salário e prémios chorudos em caso de vitórias nas principais provas.

3. Por este andar, Paços de Ferreira e Estoril vão jogar na Europa com os juniores. Percebe-se a necessidade de vender activos para manter equilíbrio financeiro, mas um clube não se pode afirmar aceitando dizimar o seu (bom) plantel.

4. O Mónaco é um caso de polícia. Jorge Mendes é um caso de polícia. Como também o Atlético de Madrid, Besiktas e Deportivo. A FIFA, sempre tão célere em implicar com minhoquices logísticas, admite este autêntico escândalo nas suas barbas. Com que intenção, desconheço.

5. Sem promessas, tentarei regressar ao 442. Devagarinho, mas com vontade.

katanec

6 comentários:

master kodro disse...

Ah grande Katanec!

miguel.ca disse...

Não me lembro de registar qualquer tipo de comentário por parte da imprensa relativamente ao brilhantismo do impasse gerado a volta do Vítor Pereira. A versão que vem circulando é que o FCPorto deseja manter o técnico que por sua vez terá pedido algum tempo para meditar sobre o assunto. Nos entretantos sondou Manuel Pelegrini para a eventualidade de ter de contratar novo treinador.
Por outro lado penso e desejo fortemente que tal impasse não tenha qualquer tipo de relação com o impasse que se verifica no benfica em relação ao Jorge Jesus que, reitero, considero um técnico de nível aceitável mas com visíveis dificuldades em manter o plantel concentrado ate ao apito final da época, com falhas dramáticas ao nível do discurso, do desportivismo e do fair play e não tem qualquer tipo de relação afectiva com o FCPorto, coisa que VP transborda por todos os poros. Considero-o mesmo uma pessoa sem perfil para treinar o FCPorto embora, repito, não desgoste da forma como valoriza jovens jogadores e das dinâmicas ofensivas que oferece as suas equipas, por sinal, as duas maiores fraquezas do Vítor Pereira, mas nunca trocaria um pelo outro.
Por mim, bastaria a VP corrigir e melhorar estes dois pontos para que não me restassem duvidas sobre a sua continuidade ao leme da nossa equipa.
Em relação ao dilema benfiquista, sinceramente não o considero minimamente incompetente. A época acabou de terminar, os dirigentes reúnem-se e discutem os prós e contras das hipóteses em mãos para tomarem a decisão mais acertada. Estão, neste momento, absolutamente dentro do prazo para o fazerem. Seriam incompetentes se a nova época estivesse para arrancar dentro de um mês.

Carlos disse...

@Miguel
Concordo a 100%
Nunca mais vejo Jorge Jejum a renovar para acabar com esse cenário de hipotética contracção pelo Porto.
JJ não tem perfil, tal como referes.
4 anos de jejum mostram-no, entre outros critérios.

@MK
Na tribuna de Honra disseram e muito bem a meu ver, o seguinte:
Deveria haver mais cidades como Guimarães. Cidades em que os 3 grandes estão em minoria.
Concordo totalmente e seria muito bom para o futebol em muitos aspectos.

Carlos disse...

.

Infante disse...

Em relação ao ponto 3, eh pá, é fácil falar quando se está de fora. A verdade é que os clubes não têm muita palavra nestas transferências, sobretudo quando são clubes pequenos.

Vamos então dizer ao Licá, Jefferson, Josué, etc, que não vão poder ir para Porto e Sporting e vamos ver como eles reagem. Se até no Benfica e Porto a história de "cortar as pernas" dá chatice, imaginem num Paços ou Estoril.

Isto já para não falar do facto de que o Estoril é propriedade da empresa brasileira Traffic, cuja missão é... vender jogadores. Para eles, esta classificação foi o melhor que podia ter acontecido.

(é curioso que nos jornais ninguém refira que foi esta Traffic que salvou o Estoril da falência em 2010 e pôs lá estes Jeffersons e Carlos Eduardos e tais.
Cheira-me que, se o clube tivesse descido, já tinhamos ouvido 500 reportagens sobre como estas empresas são o demónio e tal...)

miguel.ca disse...

Eu sei que já disse isto demasiadas vezes mas ontem voltei a ficar enjoado com a atitude do Pinto da Costa na afurada onde dedicou demasiado tempo do seu discurso ao benfica!
Uma das características que sempre apreciei no nosso Presidente foi a capacidade que teve para se adaptar aos tempos modernos e de acompanhar a velocidade com que o futebol e o mundo em geral se transformaram mas depois continua a protelar este climazinho de guerrilha contra um clube que já é notoriamente inferior ao nosso ao bom estilo dos idos anos 80. Acho que já chega.