segunda-feira, março 05, 2012

Cantinho do Vitória

Era um jogo decisivo. Uma vitória colocava-nos a 6 pontos de distância do quarto (do outro lado do campo) e quinto lugar e com mais 7 do que o Nacional (entretanto o Olhanense, impulsionado por duas assistências, um golo e velocidade supersónica de um fantástico Salvador Agra, um internacional sub-21 português que já tem as malas feitas para o Bétis na próxima época, diminuiu para 6 a distância para o sétimo). A derrota colocava-nos a 4 do Nacional (que afinal eram 3 do Olhanense) e a uma distância considerável dos da frente.

Não foi um bom jogo. Não houve risco, não houve velocidade (excepto quando Urreta acelerou, embora não soubesse fazer absolutamente nada de produtivo com esse atributo). Assis voltou ao onze, mas as poucas oportunidades criadas passaram por rasgos de Alex, de Edgar ou de Toscano. Barrientos entrou e a bola começou logo a rondar a área adversária e a bola entrou. Foi imediato. Nota ainda para a raridade que é um jogo quase perfeito de N'Diaye.

Foi feio, foi lento, mas nesta altura, com tudo o que envolve a equipa, não se pode (ou deve) pedir mais do que isto. Ganhou-se um jogo que era para ganhar. Venha o próximo, que é em casa do Sporting e ficamos já a saber se a época acaba ou não.

master kodro

3 comentários:

Jota Pê disse...

"(...) Uma vitória colocava-nos (...)"

Colocava-nos? Colocava-nos a quem?

miguel_canada disse...

A eles... Vimaranenses! É assim tão difícil de perceber ou o facto dele não gramar o benfas o faz menos Vimaranense?

Costa disse...

Ainda há quem tente ensinar Emersons a conjugar formas verbais e interpretar frases simples...

Esqueçam, eu já tentei...
Não é possível.