quinta-feira, junho 17, 2010

Notas sobre o Mundial (4)

Pior que as vuvuzelas, só a falta de qualidade dos comentadores televisivos. Numa actividade que envolve milhares de pessoas, não se compreende a selecção de tão incapazes indivíduos. Em textos anteriores já dei conta de algumas pérolas, mas hoje voltaram a repetir-se os disparates. No Argentina-Coreia do Sul, o narrador da SIC manifestou três vezes (!) o seu desejo de que o primeiro golo argentino fosse atribuído a Gutierrez, não obstante as imagens mostrarem que este não toca na bola e que é o jogador coreano a desviar por completo a trajectória da mesma. Nem as sucessivas repetições convenceram o homem...

Por outro lado, ainda há pouco, na Sport TV, o comentador de serviço teceu longas considerações sobre a "eliminação da Nigéria" (sic), num jogo onde, e cito, "uma das equipas sairia eliminada". Disparate. E desconhecimento, que é o mais ridículo, tratando-se de profissionais pagos. Ficando a Coreia do Sul com 3 pontos, a Nigéria poderá qualificar-se vencendo os coreanos pela margem mínima, desde que a Grécia perca com a Argentina. E só haveria um eliminado neste jogo se a Nigéria o tivesse ganho. É assim tão difícil fazer estes cálculos? É - quando não se prepara minimamente uma intervenção televisiva.

katanec

8 comentários:

Diogo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sérgio_alj disse...

Goal difference!

A Nigéria tem de vencer por 2-0 os sul-coreanos.

Infante disse...

Gaffes como essas, ainda tolero, pronto, revelam ignorância e preguiça, claro, mas essas não mexem comigo.

Aquilo de que não gosto nada é da insistência em mitos parvos e ideias feitas, mesmo que o contrário esteja bem à frente dos olhos. Ontem, lá se esforçava o gajo no mito de que o Brasil é horrível e não sabe jogar e que o Dunga não gosta de futebol e destruiu a selecção. Enfim...

Se é verdade que o Brasil de facto não fez um grande jogo, (duvido que Portugal e Costa de Marfim tb fizessem, a tentação de subestimar a Coreia era muito forte), não podemos também esquecer que o segundo golo, por exemplo, foi uma jogada perfeita. Lá teve o gajo que engolir e admitir que sim, pronto...

E depois a insistência no espectáculo, como mostraste no teu post, a história de que todas as selecções deviam jogar sempre no tiki-taka, ao primeiro toque e "proteger o espectáculo". Caraças, isto é uma competição. Também gosto de ver espectáculo, mas numa competição a sério, o importante é ganhar 8ou empatar, se for caso disso). Se se fizer isso jogando bem, óptimo, melhor! Se não, azar.

Ah e pessoal, não se esqueçam que a Coreia do Norte está no Mundial "injustamente". A Arábia Saudita é que merecia lá estar porque nos jogos entre as duas selecções "atacou mais".

katanec disse...

Completamente de acordo, infante. Já me apeteceu escrever um post sobre isto, aliás: por estes dias, há uma onda de patetice analítica. Pedem-se as coisas mais incríveis às equipas... Formações mais fracas jogam com as armas que têm. E há várias maneiras de ganhar jogos, caramba. O que tem piada é que quando o MOurinho ganha com estratégias defensivas, é um génio; se a Suíça faz o mesmo, "teve receio de atacar". Que nervos!

katanec disse...

Creio que não, Sérgio. Coreia tem 3-4, Nigéria 1-3. Se nigerianos ganharem por um golo, Coreia ficará sempre com -2 e Nigéria com -1. O primeiro critério é goal difference em geral e não entre equipas empatadas.

Abraço!

Sérgio_alj disse...

Perdão, a Nigeria precisa apenas de 1-0!

Obrigado Katanec!

gboleo disse...

Goal difference. :)
Afinal o que a nossa Liga diz ser o entendimento geral do famoso "goal average" nos regulamentos da FIFA está claro como a água!

Muito me ri quando hoje li os regulmentos para saber os factores de desempate pois confiar nos "comentadores" é coisa que não faço à muito.

http://pt.fifa.com/mm/document/tournament/competition/56/42/69/fifawcsouthafrica2010inhalt_e.pdf
(

. disse...

Sabendo que são aficionados pela NBA como eu, aconselho a se quiserem comprar material oficial da nba vão ao site www.leiloes.net e procurem por "NBA" e encontrarão.