quarta-feira, março 18, 2009

Play it again, Sam # 20 - Black Rebel Motorcycle Club

I'm in love without you
O Sporting é, neste momento, um clube confuso. Uma semana depois de "Uma Aventura dos sete em Munique", voltou a ocupar o segundo lugar na liga portuguesa, antes de disputar a final da Taça da Liga. Paulo Bento, que montou uma equipa suficientemente competitiva para entrar no top16 europeu com meritório recurso a jovens formados em casa, é o mesmo que insulta alguns jogadores jovens através dos media, quase os empurrando para a porta de saída. A SAD emite um comunicado a desmentir um jornal por não ser verdade que tenham sido pessoas a ser ameaçadas (fica por esclarecer se ameaçaram o NIF ou o CAE da SAD). Agora aparece Menezes Rodrigues como possível candidato (isto é uma ameaça?)... Ser sportinguista apaixonado, nesta fase, deve ser muito difícil.

Música: "We're all in love"
Álbum: "Take them on, on your own", 2003
Interpretação: Black Rebel Motorcycle Club



master kodro

9 comentários:

Leão de Alvalade disse...

Nunca foi muito fácil ser sportinguista. Mas não é por isso ou talvez seja por isso que a paixão não esmorece.

João disse...

Como diz o Leão, nunca foi fácil ser sportinguista, tirando talvez na altura dos cinco violinos. De resto, em termos de capacidade de sofrimento considero que estamos bem mais preparados do que os nossos rivais. Os benfiquistas não precisam de sofrer, pois quaisquer que sejam os resultados desportivos eles consideram-se o maior clube do mundo. Por isso perder ou ganhar tem o mesmo efeito, ou seja, nenhum. Já os portistas, na sua maior parte (acredito que uns 70/80%) só se tornaram portistas por o Porto ganhar. Se um dia o Porto deixar de ganhar, eles voltam a mudar de clube. Simples.

Mais sofredores que os sportinguistas só imagino os belenenses. Mas quantos são eles, hoje em dia?

master kodro disse...

Queres mesmo falar sobre sofrimento nesses termos, João? E eu e os outros vitorianos?...

João disse...

Kodro, com todo o respeito: o Vitória nunca lutou por grandes objectivos no futebol português. Ficar quatro vezes em terceiro foi o melhor que conseguiu, de resto conheceu praticamente todas as outras posições na tabela, com algumas passagens pela segunda divisão pelo meio. Na Taça chegou apenas quatro vezes à final e perdeu sempre. Como único título há uma Supertaça. A recente descida de divisão foi triste, mas foi apenas um acidente, não uma regularidade, como acontece com o outro Vitória, o da minha terra. O Guimarães tem uma massa adepta apaixonada, é indiscutível, mas o clube em si nunca teve demasiados momentos altos, nem muitos momentos baixos. Já o Belenenses foi um clube que se bateu de igual para igual com os maiores do país durante várias décadas e hoje enterra-se cada vez mais na mediocridade. Por isso afirmo que ser do Belenenses, hoje em dia, deve ser do mais difícil que há em Portugal.

master kodro disse...

Deixa o teu clube descer de divisão durante a tua vida adulta que vais saber o que é sofrimento...

Eu percebi o que querias dizer. Mas até os belenenses, para sentirem o que estás a dizer, têm que ter uma idade já entradota, porque os da nossa idade já não conheceram esse Belém.

João disse...

MK, nem seria preciso descer de divisão para começar a maldizer a vida. Há uns tempos descobri que o Sporting é o único clube da Europa (na realidade também há um em Andorra, mas o campeonato deles começou apenas nos anos 90) que terminou o campeonato sempre no top-five. Bastaria o Sporting terminar uma época em sexto para eu ficar angustiado, mesmo sendo, pelos vistos, o único a saber disto, pois nunca o vi referido em lado nenhum.

Tens razão em relação ao belenenses, hoje já restam muito poucos que se recordem dos tempos gloriosos. Mas os que conheço, mesmo jovens, ainda esperam que o clube volte a ser de topo. No fundo o sofrimento de um adepto depende das expectativas que tem, não é?

master kodro disse...

Exacto.

Olha uma radiografia das minhas expectativas, só nos últimos anos, e o que me foi dado:

Eu esperava a Europa (com o Benachour e o Saganowski), deram-me (Pacheco e Pontes) a descida de divisão. Quando desisti de acreditar na subida, O Rio Ave fez-me o jeito de começar a perder todos os jogos (e o Cajuda fez um excelente trabalho).

No ano a seguir estava à espera de não ter que lutar para não descer e fiquei em terceiro.

Este ano estava à espera de lutar pela Europa e estou a lutar com o Estrela.

Também não é fácil...

João disse...

Ser adepto de futebol, dos verdadeiros, não daqueles que navegam ao sabor do sucesso, não é fácil. Se eu fosse vimaranense a descida ter-me-ia custado, mas na altura toda a gente percebeu que foi um acidente que rapidamente (um, dois anos) seria resolvido. Traumatizante considero, isso sim, o malfadado jogo de Basileia. Porque não se sabe se haverá outra oportunidade daquelas.

master kodro disse...

Já nem falo nisso...