quarta-feira, março 11, 2009

O dia seguinte

Por essa Europa fora lemos cabeçalhos pouco abonatórios sobre a participação do Sporting nos Oitavos da Champions, mas não há texto mais brutal do que este de Rory Smith, no Telegraph:

"Any side whose palmares include 18 national titles, 19 national cups [...] warrants the tag "giants". When the club in question regularly boasts attendances in excess of 40,000, takes part in one of the most fiercely-contested derbies in the world and has produced some of the game's greatest players through its famed academy, there can be no question that it deserves to be treated with the utmost respect. That, though, will be in short supply for years to come after what happened last night to Sporting Clube do Portugal [...].

Humbled 7-1 in the Allianz Arena by a Bayern Munich side who are not exactly setting their own domestic championship alight, a team so average they are trailing a Hertha Berlin side whose best player is the failed Liverpool forward Andriy Voronin. That followed a 5-0 reverse in the cacophony of the Jose Alvalalde two weeks ago, for an aggregate scoreline of 12-1. 12-1 in the last 16 of the biggest club competition in world football. 12-1 in a tournament where managers constantly remind us that all the games are tough. A catastrophe like that will take years to recover from. [...] Sporting will never be able to compete. They are destined to become a footnote in football's new world order."


Auch...

katanec

14 comentários:

Carga d'Ombro disse...

Ainda se dizem grandes, estes tansos...

João disse...

Este texto diz algumas verdades, mas não me parece que faça doutrina.

Por exemplo, o último parágrafo é contraditório. Diz o homem que o Sporting está destinado a tornar-se numa nota de rodapé na nova ordem do futebol mundial. Ora considerando a moderna Champions League como a nova ordem do futebol mundial, o Sporting sempre foi uma nota de rodapé, como prova o facto de este ano pela primeira vez ter atingido os oitavos-de-final. Nota de rodapé tornaram-se clubes como o Estrela Vermelha, o Steaua de Bucareste, o Anderlecht, etc, que já foram dos melhores da Europa e hoje em dia são clubes médio/fracos.

Quando ao cenário apocalíptico, não tem de ser uma realidade. Se houver grandeza de espírito, o Sporting pode encarar esta desgraça como uma oportunidade para mudar de mentalidade e criar uma nova ordem para si próprio. Às vezes é preciso bater no fundo para chegar ao topo.

Recordo esta história: em 1964 o Manchester United de Charlton, Best, Law e outros perdeu em Alvalade por 0-5, frente a um Sporting que nessa época foi terceiro a 12 pontos do Benfica. Dois anos depois, praticamente a mesma equipa do MU venceu na Luz o Benfica de Eusébio por 5-1. E mais dois anos volvidos voltou a encontrar o Benfica, agora na final da Taça dos Campeões, e venceu por 4-1, conquistando o seu primeiro título internacional.

Que o Sporting não tem actualmente competitividade internacional é claro como água. Mas, repito, este pode ser o sinal de alarme para o fim de uma mentalidade conformista que se instalou no clube há, sei lá, 55 anos. Só o tempo o dirá.

Jorge disse...

Acho a sentenca final exagerada mas e razoavel.
O Sporting conquistou este ano o direito a subir ao palco aonde joga a elite do futebol europeu e teve a oportunidade para mostrar o que vale.
Se isto fosse por convite duvido que o Sporting fosse convidado outra vez no futuro proximo. Mas nao e e o Sporting tera outras oportunidades para la chegar e fazer melhor figura, agora o que e verdade e que a opiniao que o mundo do futebol tem do Sporting e bastante baixa e isso tambem conta.

zefidalgo disse...

Felizmente não sou sportinguista (nem benfiquista ou portista) mas quando leio coisas escritas por ingleses fico logo de pé atrás porque esses rapazes têm a mania que são os maiores do mundo e arredores...
Esses tristes não conseguem ver que o sucesso das equipas deles é feito à conta de jogadores portugueses e de outras nacionalidades...que tirando o Alex Ferguson todos os treinadores de sucesso no País deles é estrangeiro...
É triste ver uma equipe portuguesa perder por 7-1 mas o futebol tem destas coisas.
Sou partidário de que as equipes deveriam ter um máximo de 2 estrangeiros, e quando digo estrangeiros são todos aqueles que nasceram fora do território nacional e sem direito ao recurso das naturalizações, e aí gostava de ver onde chegavam as equipes inglesas.

pitons na boca disse...

O Alex Ferguson é escocês. ;)

N. disse...

"Sou partidário de que as equipes deveriam ter um máximo de 2 estrangeiros, e quando digo estrangeiros são todos aqueles que nasceram fora do território nacional e sem direito ao recurso das naturalizações, e aí gostava de ver onde chegavam as equipes inglesas."

zefidalgo,
em traços gerais, isso que mencionas chama-se Selecção Nacional. E todos sabemos os registos fantásticos que a Selecção Nacional Inglesa tem tido ultimamente. Não podes queres transformar os clubes em selecções, agora que as selecções se estão a tornar, infelizmente, clubes.

Já agora, alguém que diga ao Rory Smith que o Sporting não mete 40 mil pessoas no estádio... Aquelas cadeiras coloridas é que enganam muito...

zefidalgo disse...

ehhhhhh pá Selecção Nacional não brinques! Aí não havia estrangeiros....era só mais o que faltava!

N. disse...

zefidalgo,
obviamente que na selecção nacional não se admitem estrangeiros.

O que eu estava a dizer é que se as equipas limitarem os estrangeiros acabam por se tornar mini-selecções nacionais.

zefidalgo disse...

Pois eu discordo completamente da tua opinião...eu acho que o excesso de estrangeiros tapa a carreira de todos aqueles que sendo nacionais não entram nas contas dos empresários que se querem encher de dinheiro à conta deles e dos clubes!
E depois a questão das mini-selecções nacionais em Portugal teriam de ser no minimo 16...
Que relevância tem para Portugal ter um campeão Olimpico de nome Obikiwelu, um defesa central de nome Pepe, um médio de nome Deco, etc...se não nasceram cá?
Orgulho tenho em Carlos Lopes, Rosa Mota, Telma Monteiro, Vanessa Fernandes, Eusébio, Cristiano Ronaldo, José mourinho, etc...mas isto sou eu que tenho este terrível defeito de ser muito critico em relação ás naturalizações!

jose disse...

zefidalgo, esse Eusébio é capaz de ser Moçambicano. Pede-lhe o passaporte e verás.

zefidalgo disse...

na altura era Português porque Moçambique era uma Provincia Ultramarina, lembras-te ou não és desse tempo ;-)

N. disse...

zefidalgo,
partlho a 200% da tua opinião!

Eu deixei de ver jogos da selecção durante 18 meses quando o Deco começou a jogar. Engoli esse sapo, mas deixei de vibrar com a entrada do Pepe e deixarei de ver jogos novamente se o Liedson for chamado.

O Obikwelu tem, pelo menos, a humildade de dizer que foi em Portugal que encontrou uma vida feliz e veste as nossas cores para retribuir por aquilo que o País lhe deu.

zefidalgo, continuo a concordar que em caso de dúvida mais facilmente se aposta num brasileiro de 18 anos do que num portugues de 21, mas se os empresários são (e são mesmo!) os grandes culpados disto então que tal acabar com eles? Basta os clubes e os jogadores deixarem de negociar com 438 intermediários pelo meio!

P.S: uma das disciplinas que mais detestava na escola, sobretudo no secundário era História. Mesmo assim, ainda consigo reconhecer que não há muito tempo tinhamos umas colónias em África que eram território oficial Português.

zefidalgo disse...

N como deves ter reparado a do Eusébio não era para ti, mas para o autor da mensagem imediatamente anterior.
Quanto ao acabar com o negócio dos empresários penso que seja muito dificil e tu sabes muito bem porquê! Outros valores mais altos se levantam...era quase como acabar com a fome e a miséria à face da Terra e muitas outras coisas que estão mal na nossa sociedade mas sem solução à vista...
Repara, no mundo do futebol todos os agentes nele envolvidos estão ricos ou bem na vida, enquanto os clubes estão praticamente todos nas lonas! Porque será?

N. disse...

zefidalgo, claro que reparei. O meu PS também era para ele.

Pois... Porque será? Será do Guaraná, como dizia o outro?

:)