sexta-feira, janeiro 09, 2009

A (não) recandidatura de Soares Franco

Na minha ingenuidade, custa-me perceber:

- por que razão se anuncia uma não recandidatura a um clube de futebol em prime-time televisivo

- por que razão se torna pública essa informação num momento em que a época avança rapidamente para jogos decisivos

- por que razão se apresenta um importantíssimo acordo com a banca para reestruturar o passivo e sem garantir que o mesmo seja uma realidade se diz 'vou-me embora'

Prosseguindo ingénuo, parece-me que o grosso das asneiras de gestão no Sporting são anteriores à presidência de Soares Franco, tendo o clube estabilizado financeiramente e crescido muito desportivamente, com Paulo Bento, durante a sua governação.

A renovação do treinador, entretanto, é um novo problema criado pela brincadeira de ontem na RTP. Se Soares Franco não fica, não faz sentido ser ele a negociar com Paulo Bento ou qualquer outro.

kovacevic

9 comentários:

leaoconselheiro disse...

Só concordo com o parágrafo a seguir aos 3 pontos (e com a ingeniudidade revelada, claro). De resto:

- o anuncio foi feito antes da entrevista e divulgado em todos os canais. A entrevista foi num timing util porque serviu para que se explicassem os motivos. Se ela não tivesse existido estavamos agora a especular sobre eles, o que era muito menos produtivo. Não sei mesmo qual é o problema...

- O timing das eleições levaria, ou a um tabu que se arrastaria perigosamente até muito próximo das eleições (e não retirando instabilidade), ou a isto. É claramente preferivel isto...

- Uma parte do abatimento depende da aprovação da AG, mas SF explicou na entrevista que tal só acontece para evitar que o Sporting pague impostos sobre uma venda. De resto, claramente, a reestruturação era uma promessa eleitoral e não tem forçosamente que implicar uma continuidade.

Sobre o último parágrafo, isso é um cenário possível, mas é também um cenário que praticamente coloca o Sporting com uma forte limitação em relação à escolha do próximo treinador e a planificação da próxima época desportiva. Se as coisas se começarem só a fazer em Junho, o mais provável é ficarmos com os restos do mercado. De qualquer forma, foi dito precisamente que era incerta a renovação por esse motivo, por isso, mais uma vez, não faz sentido a critica.

Sei que franqueza nem sempre é muito bem vista, mas, como já expliquei, quem anda por aqui, sujeita-se...

Filipe disse...

Numa meio de uma queda de neve no Porto tudo me parece estranho. Podíamos era fazer um quadro de apostas quanto ao homem acabar por "ceder a pressões" para se recandidatar.

Quanto a mim daqui a duas semanas aparece a dizer que está a ponderar voltar com a palavra atrás.

João Pedro Silva disse...

leaoconselheiro

Há aí uma pequena incorrecção da leitura.

A parte que evita que se pague impostos sobre uma venda é a compra da Comércio e Serviços pela SAD, alternativa à decisão de incorporação da AG.

Mas essa incorporação de per-si não gera nenhum capital para permitir o abatimento. Destina-se apenas a valorizar a SAD, para que a colocação das VMOC's (essas sim geradoras de capital imediato) seja atractiva aos investidores.

Quanto ao timing, atendendo a que há Congresso em Março e eleições entre Abril e Maio, dificilmente poderia ser outro, com todos os custos que isso possa acarretar.

master kodro disse...

Também voto no quadro Manuel Montereiresco segurem-me-que-eu-vou-me-embora / eu-ou-o-caos, filipe. Já foi testado, em condições distintas, e costuma resultar nas questões de "1-2 %" relatadas na entrevista.

leaoconselheiro disse...

João Pedro Silva,

Segundo percebi, e me parece lógico, o que vai acontecer é a passagem da Sporting Comércio e Serviços para a SAD. Esta empresa tem os direitos TV e vai valorizar a SAD para que se possa emitir as VMOC's com algum valor real. A outra alternativa que não passaria pela AG era vender directamente os direitos TV à SAD, mas aí perder-se-ia a componente dos impostos.

Já agora um ligeiro mas importante pormenor sobre isto. Os direitos TV pertenciam até 2005 à Sporting Desporto e Espectaculo que fazia parte da SAD. Na altura houve um exercicio de engenharia financeira que tirou essa empresa da SAD (e os direitos TV) para que em termos contabilisticos a SAD saisse uma situação de incumprimento com normas da CMVM. Será hoje, por isso, uma grande hipocrisia ouvirmos alguém pronunciar-se contra esta operação da passagem dos direitos TV para dentro da SAD, porque essa era a situação original.

João Pedro Silva disse...

leaoconselheiro,

Verdade. Mas obscuro. Como muitas outras coisas no universo empresarial do Grupo, das quais é tabu falar-se. Exemplo? Siga o meu raciocínio:

1) se a SAD apresenta lucro (pelo 3º exercício consecutivo;

2) se o prejuízo do Sporting Clube de Portugal, tal como consta de Relatório e Contas (e onde estão todas as outras modalidades) é de 2M?

3) se o prejuízo consolidado do Grupo Sporting é de 10M;

Então onde são gerados os outros 8M de prejuízo????

Mistérios insondáveis. Cadáveres que teriam de ser desenterrados.

leaoconselheiro disse...

Pois não posso responder porque, além da SAD, que vou acompanhando os relatórios e contas com algum detalhe há alguns anos, desconheço as restantes contas.

De qualquer forma, deixe que lhe diga que nesse tipo de coisas, quando há truques, as coisas não são assim tão claras. Normalmente é numa rubrica e não fazendo desaparecerer, simplesmente, 8 milhões. Mas, como referi, não posso falar sobre isso...

leaoconselheiro disse...

Mas dou-lhe uma coisa que desconheço os motivos e que seria interessante perguntar:

A tal passagem da Sporting Desp. e Esp. valeu na altura 65 milhões. Agora, o processo inverso vale 55 milhões. Porquê, não sei...

Miguel disse...

65 ou 55 vai dar no mesmo. Nenhum deles é, provavelmente, o valor real de mercado.