segunda-feira, janeiro 19, 2009

Agora a sério

Eu sei que o número de espectadores não é o único critério para avaliar o sucesso de uma prova - mas ajuda muito. E esta Taça da Liga tem números assustadores. Até ao momento registaram-se 144 mil espectadores, em 50 jogos. Falamos pois de uma média de cerca de 2880 espectadores por jogo. Isto é uma vergonha.

Mais. Na terceira jornada da terceira fase, ou seja, num momento crucial da prova, e numa jornada disputada totalmente ao fim-de-semana com jogos na Luz, Alvalade, Dragão e Guimarães, registaram-se cerca de 64 mil espectadores - tendo estado quase metade deles no Benfica-Belenenses. Em seis jogos, quase todos decisivos, pouco mais de 60 mil pessoas. Horrível.

katanec

8 comentários:

Pedro disse...

Infelizmente isso não é problema único da Taça da Liga. É um problema geral...

Se se fizer a média para as assistências na Liga Sagres tb deve ser uma vergonha. E se retirar-se as assistências nos três grandes então a vergonha não deve andar longe dos numeros da Taça da Liga...

Miguel disse...

A Taça da Liga não dá nenhum benefício desportivo, o que retira incentivos à competitividade. Se desse uma vaga na UEFA...

master kodro disse...

Isso, isso, vaga na UEFA já este ano...

James disse...

Eu acho que a Taça da Liga tinha que dar uma vaga à Taça UEFA. Mas antes, tinha que mudar este modelo ridículo. A única coisa de boa que ela tem, é a obrigatoriedade de se usar jovens da cantera.

Eu gosto da idéia de uma Taça da Liga, mas penso que tinha de ser relativamente diferente. Primeiro, tinha de ser realizada de Agosto a Dezembro, sempre em eliminatórias a duas mãos, excepto a final (que seria o último jogo do ano civil em Portugal). A final em campo neutro, todos os jogos em campo neutralizado (seriam disputados em casa e fora, mas em ambos os jogos a renda seria dividida igualmente entre os 2 intervenientes). Haveria a obrigação de se convocar pelo menos 3 jogadores provenientes das camadas jovens + 3 profissionais formados no clube. O clube campeão teria acesso a uma vaga na Taça UEFA (a vaga com menor seeding).

A Taça de Portugal, por sua vez, só incluiria os clubes profissionais a partir do final de Janeiro, e iria até o final de Abril ou início de Maio. A SuperTaça seria decidida como é hoje, entre o campeão da Taça de Portugal, e o campeão da Liga.

É assim que penso que a Taça da Liga deveria funcionar.

francis disse...

"A única coisa de boa que ela tem, é a obrigatoriedade de se usar jovens da cantera."

Qual é a quota ?

Nas meias finais e final as equipas não podem jogar com o melhor 11 ?

À partida parece beneficiar claramente o Sporting.

francis disse...

"As meias-finais são disputadas a uma mão, em campo neutralizado, entre os 4 Clubes apurados na fase anterior.
É efectuado um sorteio pela Liga PFP para alinhamento das equipas.
Os critérios para determinar quem joga na qualidade de Clube visitado são os seguintes:
1. Melhor lugar e pontuação obtidos na 3.ª Fase;
2. Melhor “goal average”;
3. Maior número de golos marcados na 3.ª Fase;
4. Média etária mais baixa de jogadores utilizados nos jogos da 3.ª Fase."

Não há obrigatoriedade, há apenas um critério em caso de empate.

Infante disse...

O problema é muito simples: Portugal não tem mercado para tantas competições.

O problema do Hermínio Loureiro e de outros “reformadores” do futebol português é acharem que Portugal é Inglaterra. Portugal não é Inglaterra, não é Espanha, nem Itália, nem sequer é França ou Alemanha. Portugal é um país pequeno, onde não existe praticamente bairrismo nenhum e onde 90 e tal por cento das pessoas apoiam apenas 3 clubes. Não dá para haver 3 jogos entre Setúbal-Nacional, ou 4 Maritimo-Rio Ave e por aí fora. Não há mercado para isso.
Se é verdade que estiveram 500 pessoas no Setúbal-Nacional num domingo à tarde, que mais precisa o Hermínio Loureiro para admitir que isto foi um falhanço. No outro dia ele apareceu com a história de que os estádios estavam vazios “por causa da crise”, que afectava até os maiores campeonatos europeus. A diferença é que nos principais campeonatos, a crise faz com que um jogo médio passe de 25.000 para 20.000 pessoas. Em Portugal, passa-se de 3.000 para 1.000. Tem tudo a ver… Claro que a final da Taça da Liga vai encher o estádio, seja entre que clubes forem. E aí o Hermínio vai falar em “grande sucesso” e toda a gente se vai esquecer dos jogos com 300 e 500 pessoas…

Para se reformar o futebol português, é preciso CONHECER o futebol português e mais importante, conhecer o país. Mas os nossos “reformadores” nunca tiram o cuzinho de Lisboa e do Porto…

Jorge disse...

MK

Espero que postes um comentario a esta noticia:
"http://www.maisfutebol.iol.pt/noticia.php?div_id=1458&id=1034143&comenta_sucesso=1"

Nao so organizam a competicao de uma forma absolutamente idiotas como utilizam termos que desconhecem e procuram disfarcas erros atirando areia para os olhos das pessoas como todos fossem tao estupidos como eles para confudirem diferencas com medias.

Ja agora um artigo da wikipedia que nao sendo "lei" pode ajudar a esclarecer:
http://en.wikipedia.org/wiki/Goal_difference