sábado, abril 05, 2014

Obrigado e boa viagem

Não sei o que pensar depois de ler as declarações de Rui Vitória, após a derrota contra o grande Estoril. Depois de ver o Vitória a jogar com uma linha a 35-40 metros da baliza contra este Estoril. Há qualquer coisa que me escapa neste tipo de discurso quando a pessoa que o faz colocou Josué a jogar nessa linha a 35-40 metros contra este Estoril, durante 90 minutos, pela segunda vez esta época, 8 meses depois da última vez que Josué fez o primeiro jogo de 90 minutos da sua carreira profissional, na Supertaça, contra o Porto; há qualquer coisa que me escapa quando nessa linha jogou Leonel Olímpio; há qualquer coisa que me escapa quando, num jogo destes, contra um adversário destes, resolve estrear Alex (que, em 5 minutos, fez um golo), tal como já dera 22 a Hernâni (com uma experiência total de carreira de 7 minutos) para ser o homem que ia dar a volta à derrota com o Benfica. O tom é o de sempre, o do coitadinho, que, por fim, não tem quem marque golos, ao contrário de todos os outros.

"Todas as equipas que lutam por esse objetivo [Europa] têm jogadores que fazem 8, 10, 13 golos e a nós faltam jogadores para a finalização."

Exceptuando os 13 golos de Derley (2 penalties) do Marítimo, que nem sequer tem mais pontos do que o Vitória (o que mostra como essa questão não é decisiva), tirando os estratosféricos, a coisa vai assim:

Derley 13 (2 pens), Rafael Martins 10 (1 pen), Evandro 9 (3 pens), Rondon 9, João Pedro 7, Pardo 7, Cardozo 6, Alan 6 (2 pens), Marco Matias 6, Horta 6, Djaniny 6, Leal 5, Barcellos 5, Rusescu 4, Seba 4, Tomané 4, Balboa 4, Candeias 4, Ukra 4

Para além do óbvio que estes números mostram, para além da evidência de que não está aqui nenhum jogador da Académica, que é sexta da classificação com 18 golos marcados e mais um ponto do que o Vitória, ignorando a questão de Rui Vitória dar os penalties a bater a um dos mais cepos do plantel, Leonel Olímpio, talvez o treinador deva experimentar um processo de auto-análise que lhe permita perceber porque é que Tomané é o segundo menos utilizado desta lista de jogadores (Rusescu chegou mais tarde e já quase o iguala em tempo jogado), porque é que Tomané jogou a extremo quase metade do tempo de utilização e porque é que Maazou teve direito a tanto tempo de jogo na posição, tão evidente que é a sua incapacidade para acertar em balizas adversárias. Mas não, Rui Vitória prefere queixar-se das condições que tem, imagino que dos jovens, os que lhe deram a Taça. Por mim, já chega.

1 comentário:

Tomé Silva disse...

Ontem estive num evento onde encontrei o Rui Vitória e trocamos algumas impressões sobre o momento do Vitória.

O mesmo não se exclui das responsabilidades por este momento mau,mas foi dizendo que só ele é que sabe o que se passa no balneário.

E que por ele alguns jogadores não voltariam a vestir a camisola do Vitória...