segunda-feira, maio 04, 2015

Play It Again, Sam # 155 - The Districts

Eu sou do tempo (foda-se, estou a ficar velho) em que conhecíamos música através de uma cassete, gravada de uma cassete, gravada de uma cassete que reproduzia fielmente os estalidos e arranhões do vinil original, até a fita magnética começar a enrolar-se na cabeça do leitor e termos de as separar com uma Bic e algodão embebido em álcool. Conhecíamos meia dúzia de bandas e éramos felizes assim. Hoje, é mais difícil sermos felizes. Temos acesso a dezenas, centenas, milhares de músicas e, ainda assim, não ficamos satisfeitos. Abençoada fartura. Abençoado acesso universal à cultura e ao conhecimento. Sem ironia, porque o defeito é nosso (ou meu, pelo menos) e não dos recursos que criamos e desperdiçamos.

Lembrei-me disto enquanto pensava na abundância de títulos que nós, portistas, estávamos habituados a festejar, até há bem pouco tempo. Nessa altura, ir à Avenida dos Aliados ou à Alameda do Dragão era já um ato quase mecânico, o mero cumprimento de uma formalidade. As vitórias do Porto tornaram-se uma banalidade. Pode ser que este jejum nos faça bem e nos ensine a sair dele de forma rejuvenescida e com sede redobrada. Enquanto isso não acontece, podemos sempre ver Vítor Pereira a ganhar na Grécia, Mourinho em Inglaterra e Villas-Boas na Rússia, consolar-nos com o facto de sermos a melhor escola de formação de treinadores em Portugal, ver um jogo do Sporting...

«It's a long way down from the top to the bottom It's a long way back to a high from where I am»

Música: "Young Blood"
Álbum: "A Flourish and a Spoil", 2015
Interpretação: The Districts


Sem comentários: