quinta-feira, maio 07, 2015

Messi

Quando a organização coletiva anula a organização coletiva, sobram as individualidades para fazer a diferença. E ter Messi, mesmo com Neuer do outro lado, faz (fez) toda a diferença.

1 comentário:

Pés-Juntos disse...

Escrevi aqui ou noutro lado qualquer que o Porto na Champions podia com qualquer clube menos o Real ou o Barça que tinham génios em campo. Quase que acertava, excepto que esmorecemos em Munique.
Messi faz o que mais ninguém consegue, faz o difícil parecer simples. CRonaldo faz o difícil parecer difícil. É essa a diferença. No caso do Bayern, o colectivo esmaga. Falta ver se a Juventus tem pedal para acompanhar, mas está visto que as quatro melhores equipas europeias estão nestas meias finais, exceptuando possívelmente o Chelsea.