quinta-feira, maio 14, 2015

Juve, 12 anos depois

O futebol da Juventus pode não ser muito atraente, mas é suficientemente competente e está geneticamente calibrado para não perdoar as baldas (defensivas e ofensivas) dos adversários, mesmo quando estes são (em teoria) claramente superiores. O facto de ser Morata a enterrar as aspirações do ex-clube é mais uma daquelas crueldades do destino, sobretudo para Ancelotti, que fica numa situação que certamente não imaginou, depois de ter sido campeão europeu e mundial. Para os italianos é o regresso a uma final da Champions, depois de, em 2003, terem perdido, nos penáltis, com o Milan, um jogo do qual Pirlo e Ancelotti se recordarão, certamente.

1 comentário:

Hugo disse...

Por uma vez ganhou o melhor colectivo