quinta-feira, fevereiro 26, 2015

Atlético sobrevive, Arsenal cai com estrondo

Gosto dos comentários de Pedro Henriques. Ontem, durante o Leverkusen x At. Madrid, num lance entre Mandzukic e vários jogadores do Bayer, saiu-se com qualquer coisa deste género: «foram todos comer, levantaram-se, foram-se embora e ele [Papadopoulos] ficou para pagar a conta» - sendo que a conta foi um cartão amarelo e que a única coisa que o grego papou foi o braço de Mandzukic. Acho piada a estas coisas. Na verdade, por vezes é a única coisa que me diverte, no meio de alguns jogos enfadonhos. Não foi o caso. O Leverkusen tem um futebol straightforward, mesmo quando do outro lado está uma equipa organizada, forte defensivamente e que concede pouco espaço aos seus adversários. O 1x0 pode ser curto, mas estes alemães mostraram que são perfeitamente capazes de marcar em Madrid e complicar as contas do Atlético.

Mais uma corridinha e Leonardo Jardim ia festejar com Mourinho o terceiro do Mónaco, no Emirates. Percebe-se porquê: num só jogo, os monegascos marcaram quase tantos golos como nos 6 jogos da fase de grupos e puseram o Arsenal com um pé fora da Champions. É difícil acreditar. Mas depois de olhar para o espaço que Berbatov, Carrasco e Cia. tiveram e ver Giroud, na frente, a falhar tudo o que lhe deram, é mais fácil perceber. De repente, os quartos-de-final prometem ter uma equipa de fazer crescer água na boca às restantes 7, mesmo sabendo o quanto Wenger e os seus Gunners não terão salivado também.

Sem comentários: