segunda-feira, dezembro 15, 2014

Ganhou a equipa mais madura e eficaz

No jogo jogado, o Benfica foi melhor do que o Porto? Na minha opinião, não. Mas teve o mérito de aguentar a pressão inicial portista, sem nunca se desorientar, e de saber aproveitar as poucas oportunidades que teve - quantos jogos é que o Porto já ganhou assim? O resto é futebol: a bola que bate na barra e caprichosamente não entra, a defesa incompleta que desvia a bola para os pés errados. Grave é a desconcentração portista, no lance do primeiro golo. Mas também isso o tempo varre. Para a história ficam os dois golos de Lima e os seis pontos (que poderão ser sete) que o Porto terá de recuperar, na segunda metade do campeonato - uma missão que, não sendo impossível, é extremamente complicada.

4 comentários:

António Nicolau Andrade disse...

o porto parece que joga bem porque tem muita bola, mas na prática não joga. O melhor jogador é o Óliver, de longe! O resto é bom tecnicamente, mas tacticamente ficam a anos luz do slb. O Brahimi é só rodriguinhos. O Casemiro dá muito pau. O Herrera é bipolar. Os laterais atacam pra chu chu, mas abrem buracos incríveis e os centrais são fracos comparativamente com o resto da equipa. Safa-se o Jackson, que hoje teve azar, o Óliver, e o Quintero se lhe derem confiança. O cigano também entrou bem, mas logo afrouxou, como é normal. Acho que se elevou demasiado a fasquia a esta equipa. A champions iludiu muita gente. Aquele grupo ainda era pior do que o dos lagartos. O Oliveirinha é que disse tudo: o jj no porto e estávamos à frente 10 ou 12 pontos. O lopetegui é bom pra selecções. Começo a achar que o orelhas anda a comer o pinto de cebolada. ai...

Mr. Shankly disse...

100% de acordo.

Joao disse...

Sinceramente acho que o Porto continua a ter demasiado respeito pelos adversários...

littbarski disse...

Eu neste jogo não aponto o dedo a Lopetegui. Compreendo que tenha deixado Maicon de fora (fartou-se de meter água, a meio da semana), gosto muito do futebol de Quintero, mas não há nada a apontar a Óliver

A equipa tem as limitações que se conhecem: não tem um central que saiba sair a jogar e Casemiro serve essencialmente para destruir, o que cria logo ali um problema na primeira fase de construção (que o Benfica tentou explorar, pressionando alto), para quem pretende um modelo baseado em posse de bola.

Houve erros em momentos decisivos (e é aqui que eu acho que entra a maturidade de uma e outra equipa, de um e de outro modelo de jogo). De resto, o Porto fez o que lhe competia: entrou ao ataque e podia ter marcado na fase inicial do jogo (e obrigado Jesus a mudar a estratégia). Mesmo com dois golos de desvantagem, lutou até ao fim, só que este foi um jogo em que tudo correu bem a Jesus e mal a Lopetegui. Para agravar as coisas, Brahimi está em queda livre há alguns jogos (desde que se começou a falar do interesse do PSG...).

Também já ouvi e li que o Benfica só se preocupou em defender. Pessoalmente, compreendo a estratégia matreira de Jesus (o Benfica joga fora, com 3 pontos de vantagem, o empate serve), era o Porto que tinha de fazer pela vida (e fez). Como eu disse, um golo do Porto, no início mudava tudo. Não aconteceu, e Jesus deixou rolar, procurando defender bem e aproveitar um erro adversário ou uma oportunidade para sair no contra-ataque. Teve a sorte do jogo, tal como o Porto teve há duas épocas na Luz, quando passou a segunda parte toda só a defender e acabou por empatar com um golo oferecido por Artur, com Cardozo a estourar a hipótese do 3x2 no poste. Desta vez, Jackson meteu duas na barra. Acontece.

Faltam 21 jogos. Há 3 épocas, o Benfica tinha 5 pontos de vantagem e, em 3 jogos, passou para 3 de desvantagem. Lopetegui que use este exemplo para motivar os jogadores e que faça a sua parte nos jogos em que, ao contário deste, a obrigação é ganhar sempre. Este jogo valeu 3 pontos. O Porto já perdeu 11.