domingo, novembro 02, 2014

Passa a bola, Brahimi

Pediam os portistas mais impacientes. O resultado era curto, o Nacional já tinha ido lá à frente umas quantas vezes e ainda faltava o prémio do dia, a ser disputado entre Maicon, Indi e Alex Sandro, que felizmente haveria de dar empate, sem golos oferecidos. Quintero já não estava em campo, Quaresma já não tinha trivelas e via-se que não era noite para Jackson marcar. Sobrava Brahimi, sozinho. Sozinho? Não, ainda havia Óliver. Vou passar a bola, então, pensou o argelino, ou o mister manda-me para o banco, antes que a bancada me coma. Passou, Óliver devolveu. Boa, já só faltam três, mais o Quaresma em fora-de-jogo, o Jackson marcado e entretanto o gajo que tinha ficado para trás voltou. Dou a bola ao Herrera, que está lá atrás mortinho por mandá-la para a bancada? Olha, que se foda, vou chutar.

2 comentários:

miguel.ca disse...

É, eu também dei comigo algumas vezes a reclamar com o Brahimi para passar a bola. Há momentos para tudo e para o Brahimi ontem todos os momentos foram momentos de jogar sozinho.

Zé Pelé disse...

Foi um golo de antologia. E muitas vezes eles só nascem quando os jogadores pensam "olha, que de foda".