quarta-feira, agosto 27, 2014

A 13 passes da perfeição

«Se não há uma sequência de 15 passes, é impossível fazer a transição defesa-ataque de forma correta».



14 comentários:

miguel.ca disse...

Quem disse tamanho disparate? O Lopetegui? Credo!!!

littbarski disse...

Miguel, quem disse isto foi o mestre. Em que contexto não sei porque não li o «Herr Pep». Em todo o caso, o que me agrada é ver que o Porto tem jogadores capazes de explorar o espaço com transições rápidas e espero que este lance não tenha sido um acidente.

DC disse...

Sabes qual é a diferença entre uma transição defesa-ataque e uma recuperação de bola no meio-campo?

littbarski disse...

Sei que, no momento em que o Evandro recuperou a bola, tinha duas opções: ou guardava a bola para atacar em segurança (e permitia que o Lille se recompusesse defensivamente), ou lançava o contra-ataque. Agrada-me que, dadas as circunstâncias (espaço e desorganização defensiva do Lille), tenha escolhido a segunda hipótese. Se tivesse escolhido a primeira, tendo em conta as oportunidades de golo que o Porto está a criar por jogo, provavelmente 15 passes não chegariam para levar o perigo à outra baliza, e continuaríamos com incerteza no resultado. Assim, com um ataque rápido, simples e eficaz, o Porto matou o jogo.

DC disse...

Sim e isso tudo tem a ver exactamente em quê com o que o Guardiola disse?
Mais uma vez, sabes o que é uma transição defesa-ataque?

littbarski disse...

É um relatório que queres? Olha, tens aqui um. Entretém-te.

DC disse...

O teu problema é que os teus complexos e preconceitos face a determinados tipos de jogo nem te deixam pensar.
Para qualquer um que raciocinasse um bocadinho, é óbvio que o Guardiola quer dizer que não consegue chegar com a bola em condições favoráveis à àrea adversária sem fazer 15 passes, quando a outra equipa está organizada. Basicamente, fazer a transição desde a sua defesa até à defesa adversária, por exemplo após um pontapé de baliza.

Agora, tu pegas numa recuperação de bola no meio-campo, com o Lille balanceado para o ataque e queres associar isso a estas declarações?

Até podes não concordar com a visão do Guardiola, até podes achar que um pontapé de baliza directo duma área à outra é a melhor forma de fazer a transição defesa-ataque, agora fica-te mal, porque mostra desonestidade intelectual, é querer tentar descontextualizar declarações para tentar provar nem sei bem o quê.

Ou o Barcelona e o Bayern do Guardiola quando recuperavam a bola com o adversário desposicionado não aproveitavam a transição rápida?
O que é aquilo aos 2:22s? Queres ver que é uma transição com 1 passe apenas?
https://www.youtube.com/watch?v=9kWZqe0vmck

Mas ok, o VP não está a treinar e não tem falado muito, tens que descarregar o ódio ao futebol de posse em alguém. Compreende-se.

littbarski disse...

Por acaso, estás enganado. Eu gostava do Guardiola jogador e nada me move contra o Guardiola treinador (apesar de não ser fã do seu modelo de jogo), a não ser a mania da afición culé de o colocar em todo o lado como via única para o sucesso e de olhar para a palavra dele como a palavra de Deus.

Se o Guardiola diz que é impossível fazer a transição defesa-ataque (ou entre a defesa e o ataque, se preferires), de forma correcta, com menos de 15 passes, só pode ser verdade. É impossível que não seja verdade. Mesmo que todos saibamos que há várias formas de fazer a transição ofensiva e que a alternativa aos 15 passes não tem necessariamente de ser pontapé de uma baliza à outra.

Aliás, essa tendência para ver apenas o preto e o seu oposto impede-te de perceber que eu não tenho nada contra o ataque posicional, desde que ele seja eficaz no último terço do terreno. E que aquilo que eu denfendo é que o Porto deve saber jogar de outras formas, para os jogos em que não consiga ser protagonista ou para situações de jogo em que possa ser mais eficaz explorar o espaço com transições rápidas.

O facto do Vítor Pereira não conseguir arranjar o clube que pretende devia ensinar-te uma coisa ou duas sobre o amor e o ódio. Mas não, eu odeio o Vítor Pereira. Eu e o mundo, que insiste em não reconhecer que ele é o melhor treinador português da actualidade. É um mundo que não sabe amar.

Fredy disse...

é o Litt que tem complexo com o guardiola, ou o DC que tem com o Litt?!?! humm :s

DC disse...

Tu podes defender o que quiseres. Mas se queres defender alguma coisa sê honesto e usa exemplos honestos. Usar uma perda de bola e associar a essa frase é ridículo porque não tem absolutamente nada a ver com aquilo a que o Pep se referia. E portanto, sim, se és desonesto é porque tens algum problema com o Pep.
O facto de VP não ter clube, tal como Mourinho ou Guardiola não tiveram durante um ano, ou o facto do Nuno Espirito Santo e o Leonardo Jardim terem os clubes que têm, devia ensinar-te que, mais uma vez, estás a usar argumentos ridículos.

Fredy, se é isso que tens para dizer ficavas melhor calado ;)

miguel.ca disse...

DC... Radicalizas demais. O futebol do Guardiola e do seu Barcelona e dos 250 passes ate chegar à area adversaria era uma seca e sinceramente, apesar de neste caso se tratar efectivamente de uma recuperação de bola a meio campo a analogia do Litt faz todo o sentido porque de facto já houve e e continua a haver dezenas de treinadores e equipas chamadas de topo que jogam de area a area com menos de 10 passes como as big 5 Inglesas por exemplo, a Juve e Nápoles, o Borussia do Klopp e até em Portugal tens o benfas que não gosta de perder muito tempo com passes para o lado e para trás .
Uma transição defesa-ataque com 15 ou mais passes é mera opção estratégica que visa fundamentalmente provocar distracções e erros de posicionamento no adversário. Basta a equipa estar a perder para esta dinâmica pura e simplesmente desaparecer.

DC disse...

"O futebol do Guardiola e do seu Barcelona e dos 250 passes ate chegar à area adversaria era uma seca"

É uma opinião. Que eu acho completamente errada e infundada (aliás até podia provar-te que está errada pelo número de golos em cada jogo, mas não é essa a discussão) mas tens direito a ela.

Quanto ao resto, se tu próprio percebeste o que estava em questão -
"neste caso se tratar efectivamente de uma recuperação de bola a meio campo" -
como é que a analogia do litt faz todo o sentido?

Quer dizer, pega num lance que não tem nada a ver e passa a ter sentido?
Então eu pego num lance em que o Porto, Real, Borussia, Benfica, Juve e Nápoles troquem a bola 15 vezes ou mais (porque há muitos, muitos por jogo) e digo que eles fazem transição lenta.
E pronto, passo a ter um argumento da treta e uma teoria da treta para provar uma treta qualquer.

Quem radicaliza é quem pega em alhos e quer justificar bugalhos. Eu simplesmente não gosto de desonestidade.


"Basta a equipa estar a perder para esta dinâmica pura e simplesmente desaparecer."

E já agora, isto é completamente errado em várias equipas do mundo, que se mantêm fieis ao estilo seja qual for o resultado. Além de que acelerar a transição não implica que ela seja feita em boas condições, tal como o Guardiola disse.

" visa fundamentalmente provocar distracções e erros de posicionamento no adversário"

E com 2 passes consegues isso contra equipas a sério em organização defensiva? Tens que me dizer como.

Fredy disse...

oh Litt, mete aí o video do rio ave ontem lol

littbarski disse...

Grande Rio Ave! :)