terça-feira, julho 01, 2014

O professor

Uma vez tive um professor de Matemática que, juravam-me, era uma mente brilhante que sabia mais daquilo que ensinava do que qualquer outro professor. O problema era que, naquele anfiteatro de aulas teóricas, onde estava um professor e uns 50 alunos, só o professor entendia aquilo que era suposto os alunos aprenderem. Culpa dos alunos, claro.

Ao ouvir as 50000 palavras, metade delas repetidas a gaguejar, com que Vítor Pereira procurou explicar cada lance do jogo entre a Alemanha e a Argélia, lembrei-me desse professor, do quadro cheio de sapiência e dos alunos a olharem uns para os outros, com os olhos vazios, à espera que alguém lhes decifrasse os hieróglifos que estavam lá muito à frente, no negrume da ardósia.

Mas até as mentes mais brilhantes têm os seus momentos térreos. E todos se riam, quando, de repente, o professor parava de escrever no quadro e contava, de forma igualmente brilhante, uma das suas famosas anedotas. Era um dos raros momentos em que o professor e os alunos estavam em sintonia.

Ao minuto 69 da segunda parte do jogo que Vítor Pereira ensinava, Mustafi lesionou-se. Lahm deixou o meio-campo e foi ocupar o lado direito da defesa, Khedira entrou para o meio-campo e Vítor Pereira defendeu, com razão, que o flanco direito da Alemanha ficava a ganhar com aquele ajustamento táctico, algo que o locutor de serviço se encarregou de repetir até à exaustão.

Assim, no início do prolongamento, disse o locutor, sem surpresa:

- E foi, em boa verdade, Vítor Pereira, a partir do momento em que Mustafi saiu e foi para lá, jogar para lateral direito, Lahm que a Alemanha passou a ser muito mais perigosa.

- Sim, o Khedira também, o Khedira, julgo que o Khedira também deu... o Schurrle deu... deu-lhe um bocadinho mais de largura deste lado, porque... porque com o Gotze e o Ozil, o jogo era... era sistematicamente um jogo interior e nunununca tinha largura. Neste momento, passou a ter do lado direito, do lado esquerdo nem por isso. - anuiu Vítor Pereira, de forma eloquente.

E, posto isto, Howedes recuperou a bola do lado esquerdo, fez a tabelinha com Schweinsteiger do lado esquerdo, colocou a bola no lado esquerdo em Muller que assistiu Schurrle para o primeiro da Alemanha.

10 comentários:

Hugo disse...

Não digas isso que os catedráticos tiveram orgasmos a ouvir o VP, enquanto veneravam o André Almeida e cascavam na péssima qualidade do Mundial e no Van Gaal que não percebe nada disto

DC disse...

ahahahah o que é que o VP disse ontem que fosse assim minimamente complicado de compreender ou decifrar?

Realmente há gente que merece o Fretas Lobo e as suas metáforas idiotas. Não merecem ter alguém realmente bom e que entenda o jogo. Mas ainda se ouvem constantemente a criticar os comentadores que temos. Mas quando lhes dão um bom é muito complicado, faz doer a cabeça. LOL

Sentinela um Estremecer disse...

A serio? VP bom comentador? Mas pensas mesmo isso, DC, ou é só por causa da vossa guerrinha à conta do VP?
Por causa desses níveis tão baixos de exigência, em termos de qualidade é que hoje em dia temos canais pejados de reality shows que valem tanto como um cagalhão amestrado.
Tens um comentador que diz 487 vezes "este é o momento que define" bla, bla, bla. Eram só "momentos que definem". Depois, junta a isso o "relator", que deixa a azia atrapalhar a sua visão que, como "jornalista" que deve ser, deveria ser minimamente isenta: durante o jogo todo, os argelinos a darem pau a torto e a direito sem que o arbitro zuca fizesse alguma coisa, e o gajo só pedia amarelos para os alemães, por faltinhas da caca. Haja paciência.

VP até pode perceber muito de futebol (talvez sim, talvez não) mas como comunicador fica pouco acima de Jorge Jesus. E não é por dar calinadas, mas sim por querer forçar os termos que a nova geração acha que é "de bem" ou "de bom tom" dizer no futebol. Por isso temos os floreados ridículos do Freitas Lobo, as basculações, o explanar as profundidades e as larguras e mais o caralho a quatro. Bons velhos tempos do Rui Tovar ou o saudoso Orlando Dias Agudo, só para dizer dois nomes.
Estes pseudo-intelectuais, a tentarem falar de futebol, a maioria deles sem nunca terem conseguido dar dois chutos numa bola, são apenas e só ridículos. E dos canais todos não se aproveita um.

Joao disse...

A comunicação foi sempre um dos handicaps do Vítor Pereira. Não me parece muito sensato que seja agora comentador e narrador de jogos de futebol...

O homem percebe muito de futebol mas cada vez mais me convenço que o lugar certo para ele é "atrás das câmaras".

Villas Boas foi o único a perceber isso, quando o foi buscar salvo erro ao Santa Clara...

DC disse...

LOL mas vocês preocupam-se com o conteúdo ou com os termos utilizados?
VP foi de longe o melhor comentador que passou pela TV em muitos anos, pelo menos desde Mourinho. Pela simples razão que fala do que interessa, do importante, do jogo. Não se põe com metáforas nem com floreados.

Mas enfim, mais uma vez se prova que tanto a nível de comentadores como de treinadores nós temos o que merecemos.

P.S. JJ certamente seria também um comentador fantástico para quem goste de futebol. Quem pretenda aulas de português num comentador de futebol que continue com o Freitas Lobo ou com outro qualquer, esses é que são uma maravilha.

DC disse...

Ah e AVB não foi buscar o VP a lado nenhum. VP foi uma exigência da direcção do Porto na equipa técnica do AVB. Não foi pedido por AVB, foi imposto pela direcção do Porto.

Sentinela um Estremecer disse...

Acredita no que quiseres ou, neste caso, no que te faz mais feliz.
E podes tentar impingir isso aos outros mas convence-te de uma vez que o mundo real não se rege pelas tuas fantasias ou apetites.

DC disse...

Sentinela, antes de descarregares essa frustração toda em cima de mim, ouve as entrevistas do VP e de dirigentes da SAD sobre o assunto.
Sempre foi política da SAD do Porto ter elementos na equipa técnica da sua confiança, escolhido por eles. E o VP confirmou numa entrevista recente que foi a direcção, por o conhecer por ter sido treinador das camadas jovens do Porto e por ter acompanhado a sua carreira, que o convenceu a recusar um convite do Paços de Ferreira e a assinar como adjunto do Porto.


Costa disse...

A tua 'perseguição' ao VP começa a ter contornos doentios.

Esquece lá isso, o VP é só mais um português a ganhar dinheiro (honestamente) com a sua competência.

A verdade é que, ainda não lhe perdoaste o bi-campeonato...

Infante disse...

"VP foi de longe o melhor comentador que passou pela TV em muitos anos, pelo menos desde Mourinho. Pela simples razão que fala do que interessa, do importante, do jogo. Não se põe com metáforas nem com floreados."


A questão é que para se ser um bom comentador não basta saber de futebol ou largar as metáforas. É preciso ser-se um bom comunicador e isso o VP claramente não é. Má dicção, gaguez, murmúrios, é só escolher.

Aliás, eu nem sabia que era o VP quando comecei a ver, portanto sou insuspeito (isso e o facto de me estar lixando para as guerrinha pró e anti VP).

É óbvio que o homem percebe de futebol. Eu sou da opinião que até mesmo os treinadores que consideramos "fracos" (não digo que seja o VP) percebem mais de bola do que a esmagadora maioria dos treinadores de bancada. O problema é saber transmitir esse conhecimento.

O problema com os comentadores é que não há um que tenha um bocado de tudo: ou percebem muito mas são chatos e não sabem falar (caso do VP) ou percebem pouco e são superficiais, só lhes interessa a frase bombástica (quase todos os que não pertencem ao futebol, MSTs e tal) ou então estão mais interessados nas guerras de bastidores do que no futebol propriamente dito (Rui Santos e tal).

É difícil encontrar esse misto de conhecimento com entretenimento que seria o ideal.