terça-feira, junho 10, 2014

Esta Liga que (quase) ninguém quer...

... mas que tem o extraordinário bom gosto de usar os métodos mafiosos dos que não a querem. Como quase ninguém quer saber do que se passa, assim as coisas são bem mais divertidas. Contra Mário Figueiredo correm o Benfica (que não se interessa nada por estas coisas, com Rangel e a pandilha de Viseu e arredores metida ao barulho), o Porto e, por exemplo, o meu Vitória. Ao Benfica dá jeito manter uma televisão que gera muito menos do que a Sport TV pagava, mas que dá muito jeito para controlar as massas e dar empregos; ao Porto convém manter a divisão de valores como está, para continuar a comprar projectos falhados como os de Danilo e Alex Sandro; e os outros querem continuar a ser espezinhados, menosprezados e a dependerem de terceiros, porque aparentemente não querem ter vida própria e esperar apenas por uma benesse das máqunas de lavar do Mendes.

Espero que isto, pelo menos, envolva porrada e prisões para a animação ser ainda maior.

6 comentários:

Filipe Araújo disse...

Uma televisão que gera muito menos do que a Sporttv pagava...

Acredita no que quiseres, ou tenta fazer os outros acreditar nisso. Mas a realidade, está comprovada, não é essa.

Bom para o Benfica, mau para o teu clube, que deixa de ter a olivedesportos como um dos garantes da sua "hegemonia".

Mr. Shankly disse...

"Ao Benfica dá jeito manter uma televisão que gera muito menos do que a Sport TV pagava"

Como sabes isto? Eu não tenho dados que me permitam concluir nem isto, nem o contrário. De qualquer forma, o que está em causa com a Benfica TV não é só o dinheiro, nem o "controlo das massas" nem os "tachos", é afrontar o sistema que era financiado pela Olivedesportos.

Também não percebo o que querem os clubes pequenos, cada vez são mais pequenos e parece que acham que vão no caminho certo.

Hugo disse...

Há que dar merito a lfv. Todas estas trapalhadas simuladas para que MF continuasse no mesmo sitio contando com a colaboracao preciosa do presidente da ag

N.T. disse...

Todos os candidatos defendiam a centralização dos direitos televisivos. Todos.

master kodro disse...

Filipe e Shankly, não há dados?

Juntem estas pistas (e façam as contas do que entra e do que sai) do relatório semestral:

- A rubrica de receitas de televisão ascendeu a um montante de 11,4 milhões de euros, o que corresponde a
um crescimento de 159,9% face aos 4,4 milhões de euros obtidos pela Benfica SAD com a exploração dos
seus direitos televisivos no período homólogo. Esta variação está relacionada com a inclusão da Benfica TV
no perímetro de consolidação da Benfica SAD e pelo novo modelo de exploração dos direitos televisivos.
Contudo, mesmo considerando as receitas individuais da Benfica TV no período homólogo, que ascenderam
a cerca de 2,4 milhões de euros, o acréscimo dos rendimentos gerados pelas receitas de televisão
correspondeu a 4,6 milhões de euros, o que representa um crescimento de 68%.

- Os gastos operacionais consolidados aproximaram-se dos 50 milhões de euros, o que equivale a um
acréscimo de 25,4% face ao período homólogo. Esta variação é essencialmente justificada pelo impacto de 5
milhões de euros com a inclusão da Benfica TV no perímetro de consolidação da Benfica SAD e pelo
aumento de 3,7 milhões de euros ocorrido nos gastos com pessoal da Benfica SAD, essencialmente
justificado pela aumento da massa salarial do futebol profissional.

- Os fornecimentos e serviços de terceiros e as depreciações e amortizações foram as rubricas que sofreram
um maior impacto com a inclusão da Benfica TV no perímetro de consolidação, tendo atingido um montante
de 13,7 e 6,6 milhões de euros, respectivamente.

- O número médio de trabalhadores administrativos no período de seis meses findo a 31 de Dezembro de
2013 inclui 79 colaboradores da Benfica Estádio (31/12/2012: 49 trabalhadores) e 67 trabalhadores da
Benfica TV. De referir que o aumento verificado no número de trabalhadores é principalmente explicada pela
inclusão dos colaboradores da Benfica TV.



Mr. Shankly disse...

mk, falta um dado importante, que são as receitas publicitárias, que não sei de quanto foram.

O Benfica recebia 8 M €/ano e a Olivedesportos ofereceu salvo erro 22 M (sendo a publicidade explorada pela Sport TV). Do meu ponto de vista era mais seguro aceitar a proposta (eram 22 M € sem risco), mas penso que a ideia foi, mais que o ganho a curto prazo, secar a Olivedesportos e cortar receitas ao FCP (que recebia 80% do que o Benfica recebesse). Claro que a estratégia é arriscada (o Benfica mete-se num negócio que não conhece, embora imagine que esteja a ter apoio da Meo). Mas continuo sem saber se a decisão foi boa ou má, até porque falamos do ano de arranque.