sexta-feira, março 14, 2014

Porto 1 x 0 Nápoles

A primeira parte foi completamente dominada pelo Porto, e a equipa de Luís Castro só não saiu em vantagem para o intervalo porque Reina fez de Valdés, defendendo um remate sem defesa de Jackson, e porque Carlos Eduardo viu um golo ser-lhe mal anulado. A segunda foi muito mais repartida. Reina voou para negar o golo da noite a Fernando e, mais tarde, Quintero haveria de acertar no poste, mas, entretanto, Helton também viu a sua baliza ser ameaçada várias vezes e nem ele deve saber muito bem como defendeu aquele remate de Higuaín, no período mais perigoso do Nápoles. Logo a seguir, Jackson fez o golo da vantagem que o Porto terá de segurar em Itália, com a defesa que tremeu contra o Arouca. Vai ser preciso marcar no San Paolo.

2 comentários:

Hugo Viseu disse...

Não vi muitos jogos do Porto este ano, mas aquela defesa meteu medo. O que é estranho se considerarmos os nomes que lá estão. Alguma opinião sobre quem é o "weakest link" que faz aquilo tremer?
O Otamendi faz ou não falta?
Ou é uma questão dos laterais avançarem muito?
Ou é porque de facto a equipa não está muito confiante e os processos não estão rotinados como deve ser?

littbarski disse...

Eu acho que o Porto tem problemas na defesa há muito tempo, sobretudo porque, desde que Bruno Alves saiu, não há um central de valor indiscutível (e mesmo Bruno Alves estava uns furos abaixo de Pepe e de Ricardo Carvalho). Com Villas-Boas, isso foi compensado com um ataque poderoso. Com Vítor Pereira, a partir da segunda época, isso foi compensado com um modelo de jogo que expunha menos a equipa defensivamente. Com Paulo Fonseca isso não foi compensado. Como não foi compensado, os erros defensivos tornaram-se mais visíveis. A instabilidade não ajuda. E não vai ser fácil Luís Castro corrigir isto, com a época na fase decisiva, mesmo recuperando os princípios de jogo anteriores.