quarta-feira, fevereiro 12, 2014

Porto seguro e vazio

Desalento parece ser a palavra de ordem nas hostes portistas. O que é compreensível. Se, em determinada altura da época, havia (pelo menos em mim) a esperança de ver alguns períodos de bom futebol tornarem-se na parte dominante, neste momento ela é esmagada pelo inverso do esperado: um futebol cinzento e tão persistente como este tempo que levanta telhados e faz nevar lã de vidro.

Algumas pessoas defendem que o apoio dos adeptos deve ser unidireccional e tão incondicional como o amor ao clube. Eu, que não vejo o futebol como uma religião, não concordo. Apoiar o clube não significa necessariamente apoiar, sempre, em qualquer circunstância, todas as pessoas que passam pelo clube. Se quem está no clube, num determinado momento (que, no caso dos jogadores, é cada vez mais fugaz e ausente), não demonstrar o mínimo de consideração pelos adeptos, preocupando-se mais com os milhões do negócio do que com a parte que os adeptos amam (e pagam para ver), não pode depois queixar-se se o resultado for este, por mais bonito e seguro que seja o estádio.

Do jogo com o Paços, guardo dois momentos: yin e yang.

2 comentários:

miguel.ca disse...

Este Porto é um frasco de perfume caro... vazio!

O Anti Lampião disse...

Mais uma golpada do 5lb

Que time é esse ?
http://oantilampiao.blogspot.pt/2014/02/que-time-e-esse.html