segunda-feira, fevereiro 25, 2013

A vedeta do Twitter



5 comentários:

simaoasa disse...

Com aquelas defesas bem que marca golos. Receber e progredir com tanto espaço... não vai aprender nada, só vai servir para continuar a achar que é melhor do que realmente é.
É uma pena!

Joao disse...

Se recuperar a confiança e vir com outra mentalidade para o Porto é meio caminho andado para ter (pelo menos algum) sucesso no FC Porto.

littbarski disse...

Simaoasa, bem sei que em Portugal as defesas são mais sofisticadas do que na Argentina e que o mais certo era o Iturbe não dar mais de 3 passos sem ser arrancado do chão por um qualquer Maxi Pereira de última geração. Pelo menos esta lição ele deve ter levado para casa. Mas olha que não é sempre assim. Por exemplo, um argentino que veja os 2 últimos golos sofridos pelo Porto é capaz de ficar a pensar que a suposta superioridade táctica dos europeus em relação aos sul-americanos, se calhar, é mais soberba do que outra coisa.

Jorge disse...

Sao lances diferentes. O Iturbe recebe a bola com quatro defesas atras da linha de bola, passa por um e marca golo, ja que os outros se colocam praticamente fora do lance.
Os dois ultimos golos sofridos pelo Porto resultam de bolas longas para as costas da defesa.

littbarski disse...

São lances diferentes que, no entanto, podiam ser semelhantes. Se a defesa do Tigre subisse no terreno, o Iturbe já não recebia a bola no pé, com tempo e espaço para dominá-la e partir para cima da defesa. Mas podia recebê-la nas costas da defesa, só com o guarda-redes pela frente. Apesar de tudo, parece-me mais difícil o que fez o Iturbe do que aquilo que fez o Targino.

Claro que a maioria dos adversários do Porto não deixa espaço entre linhas, nem nas costas da (sua) defesa, uma vez que tem 10/11 jogadores no seu meio campo, atrás da linha da bola. Mas, nesse caso, não seria mais difícil só para o Iturbe (se ainda cá estivesse e o deixassem jogar), como se pôde comprovar nos últimos jogos no Dragão.