segunda-feira, agosto 03, 2009

Vitória 0 x 2 Benfica

Vitória Nelo Vingada vai ter que decidir o que pretende da vida com alguma brevidade. Já não é a primeira vez na pré-época que tenta juntar Rui Miguel a Nuno Assis (e a um trinco e a Desmarets, desta vez acrescentou o segundo trinco...), tendo desenhado um pentágono atrás de Douglas. E das duas uma: ou tem tomates e põe os dois criativos à frente de um trinco - seja Flávio ou Custódio -, ou assume a escolha entre eles. É que se não for assim não teremos alas e é nas alas que estão, neste momento, dois grandes focos de desequilíbrio das defensivas contrárias, Targino e Jorge Gonçalves. Porque jogar ao meio (é muito bonito com toques de calcanhar e tal...) não serve quando a bola não chega à área contrária com a quantidade e a qualidade necessária para marcar golos e ganhar jogos (a não ser que do outro lado esteja uma patética equipa como o Portsmouth e mesmo aí, foi depois da entrada dos alas que os golos entraram). Para além de tudo isto, com desenhos como o inicial de hoje, o metro e noventa de Douglas é tão útil como o metro e setenta de Marquinho (ou outro qualquer que não seja ponta-de-lança de área) com a desvantagem de a velocidade ser menor. É uma questão de assumir.

O resto foi perfeitamente normal, excepto a infantilidade de querer fazer linha a meio do meio-campo (Moreno no lance do primeiro golo, Milhazes no do segundo). É que não faz linhas destas quem quer, faz quem pode e o nome e as características do adversário também devem ser tomados em consideração nestas questões, sob pena de se incorrer em grandes ingenuidades.

Individualmente, Targino voltou a mostrar quer quer recuperar o tempo perdido em terras escandinavas e Alex está muito longe da forma a que nos habituou enquanto andou pelo Minho, pois pareceu exausto desde o primeiro minuto de jogo. Mas isso é que é normal nesta fase da época, não é?

Benfica É normal, excepto no Benfica de Jesus. Os encarnados, todos eles, estão num magnífico momento de forma física e apresentam índices de agressividade defensiva muito além daquilo a que estávamos habituados nos últimos anos. O Benfica, neste dia, estaria mais do que pronto para uma pré-eliminatória da Champions (como o Sporting não estava) ou para uma eliminatória contra suecos para a Liga Europa (como o Braga parece não estar). Jorge Jesus está a conseguir o toque mágico de todos os jogadores estarem constantemente a morder os calcanhares - literalmente - aos adversários durante quase todo o jogo, e de colocarem o pé, os braços e a cabeça na direcção da bola com uma convicção inusitada, ainda antes de a época começar.

E se em alguns jogadores isso é relativamente normal, como em Maxi (hoje não, claro, mas ontem sim), Yebda ou Miguel Vítor (ou em Shaffer, que perto do fim estava a pressionar Jorge Gonçalves, entrado na segunda parte, bem perto da linha de meio-campo), começa a ganhar contornos de milagre quando se vê, por exemplo, Aimar a fazer tesouras aos adversários (como contra o Portsmouth), a fazer carrinhos do primeiro ao último minuto em campo ou a deixar Flávio Meireles deitado no chão numa disputa pé-bola-pé ou quando se vê Carlos Martins, depois de 60 minutos em campo, a fazer um sprint à área para rematar, dar uma cambalhota e voltar a pôr-se de pé para começar a correr para a defesa, tudo de uma penada. Veremos se esta saúde é para durar. Se for, temos candidato ao título.

master kodro

32 comentários:

Vimaranes disse...

Sobre o Vitória acho que disseste tudo e bem dito. Só é pena que os sócios do Vitória resolvam embandeirar em arco quase se ganha a uma equipa sofrível de segunda e terceira linha do Portsmouth. Os problemas do costuma estão lá. Fragilidades defensivas e a ideia de que trocar a bola no meio, ainda que sem efeitos práticos é que é bonito, com a agravante de este ano, até termos extremos.

último! disse...

Ainda é cedo muito cedo mas este Benfica promete.

Pedro disse...

uau... este post foi mesmo escrito pelo mk?

repito: uau.

Está para cair um santo do altar...

:)

Mr. Blue disse...

Eu acho que a palavra chave que vai definir a época do Benfica é Fevereiro...

Até lá é só saúde :)

!nsurrecto disse...

O Mundo anda louco:

MK e Rui Santos a falar bem do Benfica!!!!!

ps_ WA depois da azia do jogo descarregaram o que tinham dentro em tudo o que vestia de vermelho... de mulheres a carros foi tudo pela frente!!!

Nuno disse...

Grande regresso de férias, hein, MK! Voltas com o gás todo, e com os disparates do costume. Construir uma equipa com base nas individualidades que se tem, condicionando assim a maneira de jogar de um colectivo às características de um ou dois jogadores já é parvo. Então quando o desejo é que se construa a equipa em função do Targino e do Jorge Gonçalves, parece-me muito engraçado. Uma vez mais, continuas equivocado quanto à necessidade de teres extremos. Não é o ter extremos, isto é, jogadores que dêem profundidade pelas suas características individuais, que fazem com que a equipa ganhe profundidade.

"Porque jogar ao meio (é muito bonito com toques de calcanhar e tal...) não serve quando a bola não chega à área contrária com a quantidade e a qualidade necessária para marcar golos e ganhar jogos (a não ser que do outro lado esteja uma patética equipa como o Portsmouth e mesmo aí, foi depois da entrada dos alas que os golos entraram)."

Vai dizer isso ao Guardiola. Jogar pelo meio, trocando saudavelmente a bola é o melhor que o Guimarães poderia fazer neste momento. O resto, o criar oportunidades, virá por acréscimo. Querer forçar isso obrigando a equipa a ser objectiva só a tornará previsível. Se a circulação de bola for competente e a dinâmica dos jogadores sem bola também, criar-se-ão os espaços necessários para chegarem à frente. Não precisas que isso se faça através de acções individuais. Muito menos através de acções de um gajo que só olha para a bola.

Quanto ao Benfica, de tanta coisa que poderias falar e que, sem dúvida, dão alguma razão à euforia que se vive, como a competência da pressão (que é uma coisa colectiva e intelectual e não tem nada a ver com a saúde física dos jogadores), como a qualidade dos processos ofensivos, como a boa troca de bola, como a abundância de ideias, como a facilidade que a equipa tem tido para criar oportunidades de golo, enfim, de tanta coisa interessante para falar, escolheste falar da capacidade física da equipa e da entrega individual dos jogadores, espantando-te que o Aimar faça coisas que não costuma fazer. Notável! E reparares naquilo que o Aimar oferece em termos ofensivos, com o qual tanto gozaste o ano passado? Não dá jeito? E depois acabas o texto fazendo depender a candidatura ao título precisamente da capacidade física da equipa. Brilhante! Um caso espantoso de jaimepachequisse...

master kodro disse...

Nuno, a tua "pressão intelectual" é das coisas mais estúpidas que já vi serem defendidas em qualquer assunto. Por ti, até um tetraplégico inteligente sem cadeira de rodas seria um defensor fabuloso desde que o fizesse colectivamente, da forma que tu idealizas, com o Farnerud como expoente máximo de perfeição e o Liedson como anti-cristo.

Nem consegues perceber que a capacidade técnica de Aimar, Martins ou Di Maria é a mesma do ano passado e é a capacidade física actual que faz a diferença (quer relativamente ao ano passado, quer relativamente aos adversários que andam todos rotos), e é isso que é focado, por ser a novidade.

Falando na única linguagem que pareces entender, as tuas opiniões preconceituosas interessam-me tanto como um balde de merda despejado na cabeça.

Fredy disse...

o Nuno no seu melhor lolol nada melhor que começar a epoca a rir com as opiniões dele hehehe

Nuno disse...

Master, a pressão é uma coisa colectiva, que só tem qualidade quando feita por todos os jogadores, ao mesmo tempo, e no mesmo sentido. Assim, é uma coisa essencialmente intelectual, porque tem a ver com a percepção que cada jogador tem do espaço que ocupa, do timing de atacar a bola, da cobertura que faz ao colega, do posicionamento colectivo, etc. Tem a ver com isto tudo, que são coisas intelectuais, e não com condição física... O que é estúpido é não perceber isto...

"Nem consegues perceber que a capacidade técnica de Aimar, Martins ou Di Maria é a mesma do ano passado e é a capacidade física actual que faz a diferença"

A qualidade técnica é a mesma, mas o que faz a diferença não é a capacidade física. Defender isto é das coisas mais primitivas que há. O que está diferente é a competência táctica dos jogadores, não é a sua condição física. Hoje em dia, em alto nível, há pouquíssima gente que trabalha mal fisicamente. Pensar o contrário é estúpido. O que está diferente é que o colectivo está melhor, é que há ideias diferentes. E quando assim é, cada um dos elementos tem um destaque maior.

Defender que a diferença de Jorge Jesus para Quique está na componente física parece-me ridiculamente primário. Aconselho-te portanto a continuar a falar de baldes de merda, que para isso parece que tens mais habilitações...

Nuno disse...

Fredy, esqueceste-te de mencionar que eu gosto da formação do Sporting e que abomino todas as outras. Normalmente, essa afirmação garante-te uma risada. Estás a perder faculdades, pá...

Bananaman disse...

Nuno 2 - MK 0

PB disse...

põe 15-0 nisso

Realmente crer q as melhorias se devem a factores físicos, é no minimo ridiculo. (se há coisa onde esta equipa tecnica do SLB perde e mt para a anterior, é precisamente na vertente física)

master kodro disse...

Uau, 2x0 (sem mais), 15x0 e esta equipa técnica perde na vertente física em relação à anterior. Foram as ideias e a pressão intelectual já inteiramente implementadas. Obrigado do fundo do coração, é só o que vos posso dizer.

pitons na boca disse...

Já não basta querer fazer paralelismos entre o Guimarães e o Barcelona para defender ou não a utilização de extremos na equipa, dizer uma coisa destas deve ser mesmo caso unico no mundo:
a competência da pressão (que é uma coisa colectiva e intelectual e não tem nada a ver com a saúde física dos jogadores)

Evidentemente não digo que não é um processo colectivo nem intelectual, mas o resto da frase é de bradar aos céus.

Parvoice é dizerem que o texto apenas aponta os indices fisicos como unica vertente que possibilita a tal pressão alta. Parece-me um caso claro da "lei do menor esforço" de quem lê e que não se dá ao trabalho de interpretar o que está escrito.

Para isso muito contribui uma pequena expressão que está ali escrita e que alguns parece que preferiram ignorar: "apresentam índices de agressividade defensiva muito além daquilo a que estávamos habituados nos últimos anos".
Isto não implica unica e exclusivamente indices fisicos, mas sim de mentalidade (expressão esta com a qual estou completamente de acordo).

É facil demonstrar o porquê de a pressão alta obrigar a que os jogadores apresentem-se em condições fisicas proximas do seu melhor. Um unico jogador pode por em causa essa pressão alta ao não ter pernas/pulmão para acompanhar o adversario mais proximo, abrindo uma brecha na pressão ou mesmo criando uma autoestrada para a equipa adversaria percorrer a belprazer.
Não perceber isso é que é parvoice.

O caso de Aimar não é tão gritante como querem fazer crer, mas nota-se ligeiramente. No inicio do ano passado não apresentava nem de perto nem de longe a frescura e disponibilidade para fazer o que tem estado a fazer esta pré-epoca. Apenas e só... Quanto ao seu génio futebolístico? Esse continua lá, como sempre, felizmente.

master kodro disse...

É, não é, pitons? É a tal história do tetraplégico inteligente. Com estes rapazes não há meios termos. O físico é uma variável inexistente. É só goleadas teóricas.

td disse...

camarada Nuno,concordo em parte com a sua opiniao,mas,a referencia ao Guardiola parece-me despropositada quando comparada com o "jogo pelo meio" do Vitoria.Em relaçao á pressão,penso que está enganado pois uma boa pressão passa grande parte pelos jogadores estarem muito bem fisicamente.Acho que faz uma analise demasiado intelectual e teorica do futebol, talvez devido á sua formaçao ,mas se fosse da prática e do terreno percebia que uma boa condiçao fisica é a base de quase tudo que se passa nas 4 linhas.Cada vez mais a vertente fisica é valorizada ,repare por ex.no Cissoko que custa 15 milhoes e nao deslumbra tecnicamente,acho que nao faz golos de livre,tacticamente é mediano MAS faz o corredor 50 vezes !

Nuno disse...

Pitons na boca, acho engraçado que sugiras que a malta não sabe ler e depois digas que o exemplo do Barcelona foi usado para defender ou não a utilização de extremos. O exemplo do Barcelona foi usado para refutar a teoria de que não se pode trocar a bola no meio, simplesmente porque o Barcelona troca a bola no meio sem qualquer tipo de objectividade, à espera do espaço e do tempo correctos para progredir. Como tal, não percebeste por que foi que se fez essa comparação.

Outra coisa que não percebeste, tu que julgas que os outros não sabem ler, foi que ninguém defendeu que coxos, pernetas e velhos de setenta anos podem ser jogadores de futebol. Quer dizer, o MK também não percebeu. O que se disse foi que ao mais alto nível os jogadores estão fisicamente muito próximos e não são oscilações ligeiras na condição física que os tornarão mais ou menos competentes num processo que é exclusivamente colectivo. Assim, a capacidade de pressão de uma equipa tem a ver com organização em campo, com concentração, com capacidade intelectual e com percepção de espaços dos jogadores e não com a condição física deles porque essa condição física é, hoje em dia, fácil de atingir.

Outra coisa engraçada é dizeres que a malta não sabe ler e que o texto, além dos índices físicos, aponta também a mentalidade como causa da capacidade de pressão, e não consigas ler que eu, no meu primeiro comentário, referi precisamente que o Master escolheu falar "da capacidade física da equipa e da entrega individual dos jogadores". Ou seja, ao contrário do que tu pensas, eu li bem e sei bem que causas se apresentaram para a defesa da boa capacidade de pressão do Benfica. E refuto as duas causas apresentadas. Se no segundo comentário me detive apenas na condição física foi porque entretanto, na resposta que o Master deu, ele argumentou apenas com a condição física. Ora, a capacidade de uma equipa pressionar não tem nada a ver nem com a condição física dos seus jogadores nem com a mentalidade deles. Tem a ver com a concentração, com a capacidade de decisão, com a percepção de espaços, com a inteligência, com a boa ocupação de espaços, com o perceber a movimentação dos colegas, etc. Não tem rigorosamente nada a ver com coisas individuais, como a garra, o deixar tudo em campo, o empenho, o sacrifício, a disponabilidade física. Quem defende isso não percebe nada de futebol. E gosta do Jaime Pacheco.

Nuno disse...

Outra coisa que não percebes é que pressionar mais alto não é directamente proporcional a estar bem fisicamente. Incorres num erro em que muita gente incorre que consiste em pensar que, quanto mais alto se deseja pressionar, mais agressivos e em melhores condições físicas devem estar os jogadores. Isto é falso. As pessoas que pensam assim, como tu, pensam-no porque acham que pressionar alto implica cobrir um espaço defensivo maior. Mas não implica. Pressionar alto implica defender mais à frente, não implica defender num espaço de terreno maior. Isto porque defender é um acto colectivo. Se o desejo é pressionar alto, todo o bloco vai subir. O espaço defensivo é do mesmo tamanho quer se defenda baixo quer se defenda alto. Simplesmente a zona no terreno é diferente. Logo, se o espaço a cobrir é o mesmo, pressionar alto implica o mesmo desgaste que pressionar baixo. Aliás, a escola holandesa até defende que implica um desgaste menor, pois defendendo sistematicamente no campo do adversário faz com que os jogadores não necessitem de baixar e subir sempre que se perde e ganha a bola. A única diferença entre pressionar alto e pressionar baixo tem a ver com a linha de defesa, que está muito mais subida e tem muito mais espaço nas suas costas no primeiro caso.

Quanto ao Aimar, a época passada esteve lesionado ou a recuperar de lesão. É natural que não tenha estado nas melhores condições físicas. Mas nos últimos meses, debeladas as lesões, apresentou-se já muito bem.

Por isso, pitons, antes de mandares os outros ler, vê se não cometeste erros de leitura. E antes de dizeres que os outros estão a dizer parvoíces, experimenta aprender coisas e a tentar perceber se não és tu que estás a dizer parvoíces. É que as coisas que defendes denotam com evidência que o teu conceito de futebol parou nos anos 60.

Nuno disse...

td, o Barcelona de Guardiola demonstrou inequivocamente que se pode e se deve jogar pelo meio. Há quem ache que não, que é pelos flancos e que é pela iniciativa individual dos extremos. Nem todos podem ser inteligentes e perceber as coisas, por mais claras que elas sejam.

"Em relaçao á pressão,penso que está enganado pois uma boa pressão passa grande parte pelos jogadores estarem muito bem fisicamente."

Não, não estou. Estou certo. Estar muito bem fisicamente é algo que qualquer equipa profissional, hoje em dia, o está.

"Acho que faz uma analise demasiado intelectual e teorica do futebol, talvez devido á sua formaçao ,mas se fosse da prática e do terreno percebia que uma boa condiçao fisica é a base de quase tudo que se passa nas 4 linhas."

A condição física não é a base de nada. O treino analítico está cada vez mais em desuso e em Portugal, sobretudo depois de Mourinho, é ridículo afirmar que a condição física é a base de tudo. A base de tudo é a táctica. É pela táctica que os jogadores se aperfeiçoam tecnicamente, é pela táctica que melhoram os índices físicos, é pela táctica que melhoram os índices psicológicos. Só quem ainda defende um pensamento antiquado é que pode acreditar que o físico é a base de tudo. O futebol é um desporto específico. E é na especificidade do futebol que reside a sua essência. Não é na condição física.

"Cada vez mais a vertente fisica é valorizada ,repare por ex.no Cissoko que custa 15 milhoes e nao deslumbra tecnicamente,acho que nao faz golos de livre,tacticamente é mediano MAS faz o corredor 50 vezes !"

Isso é falso. Cada vez mais será valorizada a inteligência, isso sim. Quem defende o contrário não terá sucesso. Quanto ao Cissokho, se não está a defender que a sua condição física é melhor do que outro profissional qualquer (espero que não), então estamos a falar de coisas diferentes. A condição física do jogador profissional está, hoje em dia, muito nivelada. Daí que não haja muita diferença entre eles. Pressionar não depende da condição física de ninguém, pois qualquer jogador preparado fisicamente para uma época de futebol está apto a pressionar.

td disse...

camarada Nuno , se a base de tudo fosse a tactica ,todos os jogos acabavam empatados!Todas as tacticas se anulam umas as outras no papel!Meu caro ,a tactica nao é o mais importante e um dia irá perceber que o importante é a dinamica e que essa dinamica só é possivel com uma boa condiçao fisica.Voçê está enganado se pensa que o Mourinho nao dá treinos fisicos.A diferença é que os treinos fisicos do Mourinho nao precisam de tareias no monte mas sim de tareias no campo e com bola.Treina a dinamica da equipa com boa condiçao fisica, percebe agora?Teorias e teóricos há muitos a comentar na tv ou nos cursos de treinadores mas quando é preciso exemplificar limitam-se a teorizar sobre futebol e a dar exemplos como o Barça e o Mourinho.Tomara o meu Vitoria ter o Xavi,o Iniesta ,o Messi etç, assim já podia "mostrar inequivocamente que se pode jogar pelo meio!" No papel as suas ideias são boas mas dentro das 4 linhas o resultado pode ser igual ao Luis Campos!Muita parra e pouca uva.Mas eu é mais música...futebol nao percebo muito.

pitons na boca disse...

Caro nuno,

vejo que, uma e outra vez, cai no mesmo erro. Isto até faz lembrar o treinador do Benfica a dizer ao Miguel para centrar para dentro da area e o Miguel, invariavelmente, centrava para trás da baliza.
Os seus comentários (sem excepção) apenas vieram confirmar o que disse no meu comentário: lá porque uma pessoa não se dá ao trabalho de interpretar o que está escrito (como volta a ser o seu caso) não implica que não saiba ler. Começo a pensar que o nuno lê as coisas na diagonal, depois é claro que parte da mensagem não lhe chega, apesar de tirar as conclusões pelo que acha que estari lá escrito. Nunca escrevi que não sabia ler, seja o nuno, sejam os outros visados pelo meu comentário. Eu, pelo menos não o disse, nem era para ser interpretado como tal. Muito menos "mandei" alguem ler o que fosse. Só na sua cabeça, talvez.

Nem me vou debruçar muito sobre o que escreveu, seria perda de tempo para mim, com pessoas assim. Mas gostei dessa ultima referencia ao Aimar. Parece que afinal quem dizia que ele o ano passado estava menos bem fisicamente até tinha razão. Já que deu a mão à palmatória nisso, não se deixe então ficar por aqui e aproveite para rever o resto das suas afirmações. Pode ser que comece a fazer um pouco mais de senso, no mundo real. Verá que as outras pessoas vão começar a levá-lo mais a sério.

E pelos vistos parei no tempo nos anos 60, quando ainda nem era nascido. Apenas mais uma das conclusões maravilhosas que o nuno tira, de forma errónea.

Como diria um antigo colega de equipa em fim de carreira, nos meus primeiros anos de sénior: "menino, não inventes... não inventes, que o futebol já foi inventado há muitos anos".

Nuno disse...

td, quando falava de táctica, estava a referir-me de forma abrangente e não a limitar-me ao sistema táctico. Mas olhe que se há coisa que o Mourinho não faz é dar treinos físicos. Na metodologia de treino adoptada pelo Mourinho, tudo se subordina à componente táctica. Não há treinos físicos com bola. Há treinos tácticos. Mais nada. Ele não dá tareias nenhumas. Não faz pré-época, não põe ninguém a correr à volta do campo. Todos os seus exercícios são de acordo com algum momento específico do jogo.

Nuno disse...

pitons, sobre a maior parte do teu texto não vou falar, porque te limitaste a não responder a nada. Vou responder apenas aos dois últimos parágrafos. Não disse que parou no tempo. Disse é que o conceito de futebol que tem caducou desde os anos 60. Por isso, antes de dizer parvoíces, deveria rever os seus conhecimentos. Quanto àquilo que o seu colega disse, sem lhe faltar ao respeito, mas é um disparate. No futebol está quase tudo por inventar. Quem pensa o contrário, não tem cérebro...

td disse...

camarada Nuno,está enganado.Os unicos treinos do Mourinho que não são fisicos , são a palestra e os videos! todo o trabalho de campo é treino fisico.Como explica um treino de campo defesa/ataque com dinamica de jogo,em que o Mourinho ou outro qualquer, nao treine o aspecto fisico? O conceito de treino fisico está englobado em todos os aspectos do treino de campo.O Mourinho não dá treinos tacticos , dá isso sim,treinos dinamicos com diversas situaçoes de jogo em que se inclui a vertente tactica ,mental,etç.Se voçê tivesse uma ideia do que é um treino do Mourinho baseado na posse/roubo de bola ,veria que é um treino fisico e bastante puxado!

Nuno disse...

td, parece que não me está a perceber. Nunca disse que os factores físicos não fossem potenciados pelo treino. Mas não é esse o objectivo de nenhum exercício do Mourinho. O trabalho físico dos atletas é uma consequência e não um objectivo do exercício. Os exercícios têm objectivos unicamente tácticos. Como o cumprimentos dos exercícios se faz exercitando-se, é natural que sejam "puxados" e é natural que, como consequência, os jogadores melhorem os seus índices físicos. Agora, ele não faz exercícios unicamente físicos, como correr, como subir escadas, como fazer sprints, como saltar barreiras ou arcos. Nem faz estas coisas com bola, que é o chamado Treino Integrado. Não separa físico de táctico, nem de técnico, nem de mental. Todos os seus exercícios são contextualizados, espelham uma situação táctica, uma situação de jogo. Aliás, a metodologia de treino chama-se Periodização Táctica por isso mesmo, porque tudo se subordina à táctica. Foi por isso que disse que os seus treinos eram treinos tácticos. Agora, parece-me que você entende por treinos tácticos treinos em que se fala de táctica ou se corrige posicionamentos. Não era disso que estava a falar...

Fredy disse...

a parte mais engraçada é a insistencia em comparar o barça ao guimaraes..a qualidade e inteligencia dos jogadores até é parecida e tudo lol

ai nuno nuno..cada vez mais acho que simplesmente gostas de ser do contra e inventas cada teoria que não lembra a ninguém lol

Pedro disse...

O q o Nuno defende é q os treinos de Mourinho treinam o físico ao treinarem a táctica. É um 2 em 1.

O Nuno tb defende q como a pressão alta é um mecanismo colectivo e não individual o factor físico dos jogadores não é determinante pois estarão todos, em alta competição, ao mesmo nível.

Eu aqui discordo pq não é isso q se verifica na realidade. Há jogadores com uma capacidade física e/ou um pulmão inesgotável enquanto q outros não conseguem durar os 90 minutos. Esta aptidão física dos jogadores pode influenciar toda a dinâmica de uma equipa independentemente de qual a táctica q se use.

rui disse...

"Há jogadores com uma capacidade física e/ou um pulmão inesgotável enquanto q outros não conseguem durar os 90 minutos. Esta aptidão física dos jogadores pode influenciar toda a dinâmica de uma equipa independentemente de qual a táctica q se use." --- Acho que isto é bastante óbvio...O nuno está errado quando diz que hoje em dia os indices fisicos dos jogadores e a sua predisposição para o esforço fisico é quase todo igual...o tanas...


RuiBonga

Nuno disse...

Rui, não disse que a predisposição para o esforço físico seja igual de jogador para jogador. Há jogadores que têm mais do que outros, há jogadores que são mais agressivos e que têm disponibilidade física para reagir intensamente. Mas nada disso é extraordinariamente determinante para o sucesso de uma pressão, que é um acto colectivo. É necessário apenas que estejam em condições físicas suficientes para aguentar e isso qualquer profissional, desde que trabalhe bem, o está. Por exemplo, não concordo que um jogador, por ser mais disponível fisicamente, por ser mais agressivo, por ter uma maior capacidade para andar a morder os calcanhares dos outros seja melhor nas tarefas defensivas. Por exemplo, não acho o Liedson melhor em termos defensivos que o Romagnoli era. E porquê? Porque o ser bom em termos defensivos não tem nada a ver com a capacidade de andar a correr atrás da bola. Tem a ver com posicionamento, com percepção espacial, com ocupação correcta de espaços, com concentração, com o perceber em que alturas se deve efectivar a pressão, etc. E o Liedson, apesar de inquestionavelmente ter maior disponibilidade física que o Romagnoli, por exemplo, não é perspicaz a efectivar a pressão, não "aperta" nos momentos em que o deve fazer, mas sim quando lhe dá na gana. Portanto, ter capacidade para correr não tem nada a ver com ser bom a pressionar. Porque a pressão não tem a ver com a capacidade física.

P.S. Sei que estou a falar para o boneco e que maior parte das pessoas que contesta o que eu digo não tem capacidade para entender a complexidade inerente ao jogo que é o futebol e que preferem uma análise simplista e despreocupada da coisa. Como tal, para essas pessoas tudo o que fuja um bocado às convenções é ridículo. Não faz mal. Os pobres de espírito também são gente e merecem um bocadinho de atenção. Não espero destes, porém, qualquer resposta sensata. O bom senso é uma virtude dos sábios, não dos filisteus...

rui disse...

"Por exemplo, não concordo que um jogador, por ser mais disponível fisicamente, por ser mais agressivo, por ter uma maior capacidade para andar a morder os calcanhares dos outros seja melhor nas tarefas defensivas."---Obvio que nao. Há que ser inteligente sobretudo. Mas, a pressao tem haver com a capacidade física...Tens que a ter senao a pressao nao resulta...Dai que existam jogadores que sao extraordinarios pk têm os dois atributos: inteligencia e capacidade fisica...e sao esses que jogam nas grandes equipas. E só com esses dois atributos juntos é que se consegue fazer uma boa pressao. Por isso dizer que "Porque a pressão não tem a ver com a capacidade física." é um tremendo disparate.


Ruibonga

Nuno disse...

Rui, repito o meu PS anterior...

rui disse...

A minha visão do jogo é tudo menos simplista pk eu este é algo que se deve ver como um todo e não apenas como uma soma das partes. Dai que eu ache que muitas vezes as pessoas querem dar mais importancia a um aspecto em detrimento de outro quando tal é errado de se fazer..num aspecto deve ser descurado nem elevado...não há aspectos "mais importantes que outros"...defender isso é sim uma visao simplista e demasiada redutor...o que há é formas diferentes de interpretar o mm jogo, cada uma com as suas vantagens e desvantagens, de forma a servir melhor o grupo de jogadores que compoem uma equipa...qual é a melhor ou não, isso depende dos resultados obtidos, até porque vai de encontro ao objectivo do jogo: ganhar.


RuiBonga