quinta-feira, abril 23, 2009

Caso Coimbrões

Para análise dos interessados, um artigo de Record:

"O Leça admite impugnar a Série B da III divisão, depois do Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) não ter punido o Coimbrões por alegada tentativa de suborno do árbitro. O processo de averiguação ao encontro entre o Serzedelo e o Coimbrões, realizado a 22 de Março, foi arquivado na terça-feira, por o CD ter considerado que "não há nos autos elementos seguros que possam relacionar os factos com algum clube de futebol ou agente desportivo". A direcção do Leça, que se pronunciou quarta-feira, em conferência de imprensa, sublinhou que a impugnação será um último recurso, e que o clube vai recorrer da decisão para o Conselho de Justiça (CJ) da FPF, até sexta-feira. Além disso, os leceiros vão solicitar à Procuradoria Geral da República que remeta ao CD as informações pedidas sobre o caso e requerer ao presidente do Conselho de Arbitragem, Carlos Esteves, que aconselhe o irmão do árbitro que foi alvo da tentativa de corrupção - a testemunha central do caso - a colaborar com a justiça desportiva. No entanto, os dirigentes frisaram que todas estas medidas, incluindo a impugnação da Série B do campeonato - cuja fase final deveria ter-se iniciado há três semanas -, serão tomadas "no espaço de dias", por forma a que os possíveis prevaricadores sejam penalizados "em tempo útil". No caso de ter de disputar os jogos da III Divisão, na fase de manutenção, sem que o Coimbrões seja punido, o presidente do Leça, Fernando Monteiro, pondera "jogar sob protesto". "Não se pode arquivar um caso destes. Nesse caso, o futebol português está a saque, tudo é possível", afirmou. A ser punido por tentativa de corrupção, o Coimbrões (sexto classificado) poderia trocar de posições na fase regular do campeonato com o Leça (sétimo), passando este clube a disputar a fase de subida. O gabinete jurídico do Leça consultou o processo de averiguações, na sede da FPF, considerando que os autos deveriam ter sido "transformados em processo disciplinar". Neles, pode ler-se, de acordo com o revelou a direcção dos leceiros, que o árbitro nomeado, João Cabral, declarou que houve contactos com o seu irmão - também ele juiz de futebol -, efectuados por um vice-presidente e outro dirigente do Coimbrões. Quando efectuava o pagamento de 1.500 euros, o emissor foi detido pela Polícia Judiciária. O CD alega que "a decisão que se tome no presente processo não impede que mais tarde se instaure um processo disciplinar, se os factos que venham a ser conhecidos o determinarem".

ps - Juro que o que me chamou a atenção foi o Leça e os 1500 euros. 1500 euros na série B da III divisão é de nível. Aproveito para deixar um resumo da história dos quinhentinhos.

master kodro

3 comentários:

cparis disse...

É esta a tipo de CD que alguns querem reavivar. Enfim... O que será necessário para condenar alguém por corrupção para este CD?
Pelos vistos que o árbitro seja burro e confesse.

E o mais ridículo para mim é esta frase: A ser punido por tentativa de corrupção, o Coimbrões (sexto classificado) poderia trocar de posições na fase regular do campeonato com o Leça (sétimo),. É que ser punido por corrupção desportiva em Portugal tem como pena... perder o jogo.
Na verdade qualquer um fica assustado:
1. Dificilimo de se provar.
2. Provando-se (paar aí em 0,00001%), só se quem paga for dirigente do clube é que o clube é punido.
3. Se o clube for punido, perde os pontos do jogo em causa, pontos esses que provavelmente não ganharia se não comprasse o árbitro.

Até admira que haja tanto dirigente que não compre árbitros. É que mais tentador do que isto não vejo o que possa ser.

Mr. Shankly disse...

Incrível. Incrível.

cparis disse...

Correcção ao que escrevi antes: A pena de perda de pontos é para o crime de tentativa de corrupção.