terça-feira, janeiro 20, 2009

Mea culpa

Pois, parece então, que não li o regulamento todo. Peço as minhas desculpas a todos. Parece que se pretende mesmo fazer renascer o goal average "original", em desuso desde 1970, e esquecer tudo o que se disse e escreveu nos últimos quarenta anos. Que seja. Se é assim, façam favor de pôr o Belenenses nas meias-finais da Taça da Liga. Mas não se esqueçam. Não se esqueçam do dia em que, nos assuntos futebolísticos, a letra da lei passou a valer mais do que o espírito, isto na opinião da maior parte das pessoas que se referiram a este assunto.

master kodro

10 comentários:

Ricardo disse...

Off-topic:

Kodro,

lê esta notícia:

http://www.abola.pt/nnh/ver.aspx?id=156430

Parece que o Padroense e o Sporting dominam a convocatória.

(Tirando o Benfica, que também leva 6... como os dois que "dominam a convocatória")

Acho que isto merece um post a falar na bajulação ao Sporting por parte dos membros da Comunicação Social...

LG disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
LG disse...

Eu aconselhava, já que se está a discutir a diferença entre letra e espírito da lei, uma leitura atenta do artigo 9.º do Código Civil, principalmente do n.º 2:
Artigo 9.º
(Interpretação da lei)
1. A interpretação não deve cingir-se à letra da lei, mas reconstituir a partir dos textos o pensamento legislativo, tendo sobretudo em conta a unidade do sistema jurídico, as circunstâncias em que a lei foi elaborada e as condições específicas do tempo em que é aplicada.
2. Não pode, porém, ser considerado pelo intérprete o pensamento legislativo que não tenha na letra da lei um mínimo de correspondência verbal, ainda que imperfeitamente expresso.

3. Na fixação do sentido e alcance da lei, o intérprete presumirá que o legislador consagrou as soluções mais acertadas e soube exprimir o seu pensamento em termos adequados.

Acho que fica claro: a letra não tem qualquer correspondência com o espírito, logo deve ficar afastada a interpretação de que "goal average queria dizer goal difference".

isso agora... disse...

"2. Melhor “goal average”;
3. Maior número de golos marcados na 3.ª Fase;"

Nem sei do que estão a falar mas sei um bocadinho de matemática e, penso, vou contrariar o comentário do LG:
"goal average" traduz-se literalmente por média de golos. Ora assumindo que todos jogam o mesmo núemro de jogos, que me parece razoável, significa que a média de golos (total de golos a dividir por número de jogos) será maior quando o número de golos marcados for maior. Matemática pura.
Pergunto então, onde está a diferença entre o ponto número 2 e número 3 acima. Será na interpretação do significado de "goal average"?
Então se calhar está lá na letra da lei, neste caso mesmo muito "imperfeitamente expresso"

cparis disse...

O goal average não mudou, por isso não há "original" nem deixa de haver. Deixou de se usar, e quem o ressuscitou foi quem o introduziu no regulamento, vá-se lá saber porquê, uma vez que não é usado em mais lado nenhum.
Peço desculpa por continuá-lo a ler da forma que sempre foi. O erro deve ser meu.

Pedro Santos disse...

É óbvio que quem fez o regulamento estava a pensar em goal-diference. Mas a verdade é que escreveu goal-average. O que me parece é que, mais uma vez, a liga presta um péssimo serviço. Não sei quem foi a sumidade que elaborou o regulamento (decerto um eminente jurista), mas devia ter tido o mínimo de cautela. Acho eu! É que elaborar um regulamento de uma prova oficial não é o mesmo que estar com os amigos a conversar à mesa do café. Aí é muito vulgar caírmos nesse erro, quando estamos a falar de diferença de golos. Agora, escrever isso num regulamento... Fico a aguardar pelos próximos capítulos. Estou a adorar o início de mais esta novela :)

Filipe disse...

"Nem sei do que estão a falar mas sei um bocadinho de matemática..."

Goal-average é definido pela FIFA e pela UEFA como sendo o quociente entre golos marcados e sofridos. Não há ambiguidade quanto ao que o termo significa quando usado no âmbito de uma competição futebolística.

Mas porque raio é que não usaram algo simples como diferença entre golos marcados e sofridos? Porquê o recurso a uma expressão inglesa que não se deram ao trabalho de verificar?

Cósmico disse...

É óbvio que a Liga fez asneira. Esclareçam-me esta dúvida, não são os clubes a aprovar os regulamentos? O Belenenses até ontem não sabia o regulamento da competição, pensando que o mesmo se aplicava à diferença de golos?

Se o espírito da competição (pelo menos no papel) é beneficiar quem marca mais, faz sentido que a mesma utilize esta regra bacoca?

Se os meninos da secretaria quiserem, podem ficar com a Taça. Se isto os faz felizes...

Jorge disse...

Desculpa insistir MK, mas o problema, pelo menos para mim, nao e que haja um goal average "original". O "goal average" deixou, em geral, de ser usado como forma de empate nos anos 70 sendo substituido pela "goal difference," mas continua a ter o mesmo significado.
Poderiamos no entanto comecar a usar a nova palavra "golaverage" (com acentos nos sitios devidos) como um novo termo para designar diferenca de golos.

Isso agora:
Media de golos marcados por cada golo sofrido tambem e uma media e e calculada dividindo o numero de golos marcados pelo numero de golos sofridos.
Acho que tambem se pode calcular atraves do exponencial da diferenca logaritmica dos golos marcados e dos golos sofridos o que podera ter induzido em erro os Srs directores.

isso agora... disse...

Mea culpa.
É que eu também sei um pouquinho de inglês e nunca me passou pela cabeça que "goal average" era uma média entre golos marcados e sofridos...
E se eu fosse a voces não me tentava explicar sob pena de dar razão ao Guimarães. Afinal "goal average" é futebolês e significa aquilo que a FIFA/UEFA determinarem independentemente do prontuário inglês.
PS Alguém sabe qual é o goal average do Liedson? É indeterminado e tende para infinito porque ele nunca foi à baliza.