sexta-feira, janeiro 23, 2009

E assim passou mais um dia...

1. O Benfica ultrapassou a irregularidade do início de época, sendo hoje uma das mais consistentes equipas do campeonato. Consistente na sua mediocridade, movimentos atacantes previsíveis e transições defensivas descuidadas. Semana após semana assistimos ao mesmo filme, tendo eu cada vez mais dúvidas sobre a capacidade de Quique para alterar a situação. E não vale a pena fazerem-se queixas do plantel. Quando se tem no banco Cardozo, Reyes, Nuno Gomes e Carlos Martins... Uma palavra final para a estupidez de Miguel Vítor (muito mal nos dois lances em que viu amarelo) e para a abnegação de Maxi (o melhor em campo).

2. Entretanto, a patética Taça da Liga e o seu já lendário regulamento vão animando a malta. Depois da polémica do "goal-average", temos agora mais dois episódios ridículos. Um, menos grave, diz respeito ao Benfica, por causa de uma provisão do regulamento acerca dos "jogadores formados localmente". Para os seres humanos normais isto quer dizer "formados no clube". Mas para os iluminados da Liga significa "formados em Portugal". Com efeito, a palavra "local" tem as costas largas: na minha terra quer dizer a malta do bairro; nos corredores da Liga, quer dizer a nossa bela nação; e suponho que para os observadores inter-galácticos os "jogadores locais" devem ser os que nasceram no planeta Terra.

Mais interessante ainda é o caso envolvendo o FC Porto, que numa evidente violação do regulamento utilizou apenas um titular (Pedro Emanuel) do jogo anterior no encontro contra o Setúbal. Na Liga ninguém deu por nada, ninguém denunciou a situação, ninguém acha mal. O Porto explicou-se com a utilização de suplentes que tinham sido "efectivos" no jogo anterior. A Liga acha bem, apesar de os seus estatutos fazerem distinção entre "efectivos" e "suplentes". O Mundo, esse, vai girando à volta do Sol. Até que a Liga se pronuncie sobre o caso, naturalmente.

katanec

24 comentários:

Menphis disse...

era tão bom o FCP ser suspenso agora. Era menos uma chatice.

Menphis disse...

uma chatice, leia-se, fazer o frete e ir jogar a Alvalade.já agora, fazia-se logo a final: sporting-benfica e ficava tudo bem.

camarao disse...

O Regulamento esclarece para quem o quiser ler. Espanta-me que dês voz a uma calimerada:

"Considera-se como “jogador formado localmente” aquele que tenha sido inscrito na Federação Portuguesa de
Futebol, pelo período correspondente a três épocas desportivas, entre os 15 e os 21 anos de idade
(inclusive)."

Filipe disse...

O momento do jogo é o amarelo do Suazo. Devia haver um prémio para o jogador mais burro da jogada. Num terreno daqueles fintar o guarda-redes, levar um toque e não se mandar para o chão, e simular penalti depois de dar uns passitos longe do guarda-redes.. três disparates na mesma jogada.

Esta edição da Taça da Liga devia ser abolida por incompetência generalizada.

Filipe disse...

O Camarão já se antecipou, mas formado localmente inclui de acordo com a definição o Carlos Martins, o Ruben Amorim, o Quim, e o Nuno Gomes. Juntando o Ribeiro e o Vitor dá seis.

Não tem que ser formado no clube, apenas no país.

Filipe disse...

Queria dizer, «é referido explicitamente que não tem que ser...»

Este foi o único caso em que foram competentes.

katanec disse...

Caro camarao e filipe e próximos comentadores: eu sei que o Benfica cumpriu o regulamento. O que estou a questionar é a linguagem desse regulamento. Por que diabo não se diz "jogador formado em Portugal"?

Jorge disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jorge disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jorge disse...

Katanec:

Por prazer de tornar complicado o que e facil.
Lendo o artigo sobre o caso do Porto as coisas ainda sao mais confusas.
O regulamento fala em efectivos, para explicar a liga cita um comunicado que explica o termo "efectivamente utilizado" e o Sr Professor Meirim diz que e evidente que os jogadores efectivos são os onze que integram a equipa inicial aos quais o comum dos mortais chama de titulares, que possivelmente e um termo que tambem nao esta claramente definido.
Regulamentos escritos na tasca, em cima do joelho com o resto de um fosforo.

Jorge disse...

Desculpa ter apagado dois dos meus comentarios mas queria ler os artigos citados pelo Meirim para ter a certeza daquilo que ia dizer.
Para mim nao e tao evidente como para o Sor Professor. Os artigos nao definem o conceito de efectivo, apenas refere jogadores efectivos e suplentes de uma maneira que parece ser mutuamente exclusiva, mas mesmo isso so parece certo no artigo 26. No entanto, o que acho que e importante, o artigo nao exclui a possibilidade de um jogador que comeca o jogo a suplente se tornar efectivo ao entrar dentro de campo. Ou seja um jogador e um dos suplentes no momemento do inicio do jogo, nao sendo nessa altura um dos 11 efectivos, e quando entra para substituir um efectivo, passa a ser um efectivo.
E por estas e por outras que convem haver uma definicao clara e inequivoca destes termos acessivel a todos, especialmente aos srs da liga.
Talvez ela apareca entretanto, mas ja da para ver que os tipos da liga nao a conhecem.

Visigordo disse...

Cancelar esta merda desta taça, já!
Se está inquinada desde o início, desde que houve meia dúzia de gajos, que já deveriam estar no olho da rua, que não souberam, preto no branco, definir as regras para a competição....
Pior, no último jogo de apuramento, cada um joga à hora que à Liga dá mais jeito.
O Porto ameaça não aparecer em Alvalade, e eu acho que faz muito bem.
Benfica e Sporting deviam fazer o mesmo.
Aliás, se eu tivesse nos cargos directivos do Sporting, já me teria retirado desta prova.
Não usem esta "taça Guadiana" para branquear os atropelos que se têm passado no campeonato.

Leão de Alvalade disse...

A Taça da Liga é o espelho do nosso futebol: desenracamo-nos no relvado mas os gabinetes cheiram pior que a pior das latrinas públicas. E isto por melhores que sejam os after-shaves ou os charutos cubanos...

pitons na boca disse...

Realmente, estupidez do Miguel Vitor, ver dois amarelos sem fazer falta nenhuma é mesmo estupidez dele... ou então incompetência do Elmano, porque prefiro pensar em incompetência em vez de pensar noutros cenários, tendo em conta o que se viu durante o jogo todo.
A entrada por trás (penso que) do Diakité sobre o tendão do Aimar está consagrado pelas leis como vermelho directo desde os tempos do Van Basten deixar de jogar, mas devido ao relvado escorregadio ainda se aceita o amarelo, mas o pisão maldoso do Silas ao Di Maria, que nem falta foi assinalada não pode ter sido por causa do relvado!
Mais os dois amarelos ao M.Vitor e o inclinar do campo, está (quase) tudo explicado.

Se o resto do campeonato vier a ser assim só porque fomos beneficiados num jogo... olha, levem-nos ao colo...

Repórter H disse...

Junta a tudo isso a interpretação manhosa que se fez do Regulamento para meter o Benfica como cabeça de série no sorteio da meia-final e tens o ramalhete composto.

"As meias-finais são disputadas a uma mão, em campo neutralizado, entre os 4 Clubes apurados na fase anterior.

É efectuado um sorteio pela Liga PFP para alinhamento das equipas.

Os critérios para determinar quem joga na qualidade de Clube visitado são os seguintes:
1. Melhor lugar e pontuação obtidos na 3.ª Fase;
2. Melhor “goal average”;
3. Maior número de golos marcados na 3.ª Fase;
4. Média etária mais baixa de jogadores utilizados nos jogos da 3.ª Fase."

Parece-me mais que óbvio que o sorteio deveria ter sido realizado entre as 4 equipas, sem condicionalismos e depois se veria quem seriam os visitados. Conseguiram por à partida o Sporting (que o seria sempre) e o Benfica (que o seria se não calhasse com o Sporting) como visitados e portanto condicinaram o sorteio, conforme lhes apeteceu!

Trapalhadas à portuguesa!

Littbarski disse...

O campo ontem estava tão inclinado, tão inclinado, que os jogadores do Belenenses desequilibravam-se e caiam sozinhos dentro da área do Benfica.

Entretanto, segundo diz Quique Flores, parece que Reyes continua a brilhar... nas capas dos jornais. Só faltou dizer: obrigado, Cebola!

pitons na boca disse...

littbarsky,

para ti só um conselho: oftalmologista.

Todas as jogadas dentro da área do Benfica ontem são claras (ao contrario de pelo menos duas dentro da do Belenenses que deixam duvidas). Por isso aí fica o meu conselho para ti.

Littbarski disse...

"70'
Há falta na área de Miguel Vítor sobre Marcelo?

Jorge Coroado
Marcelo acorria a um cruzamento da esquerda quando Miguel Vítor estendeu a perna esquerda para trás, derrubando-o e fazendo o suficiente para grande penalidade.

Rosa Santos
Miguel Vítor, com a perna, derruba o avançado do Belenenses, pelo que o árbitro deveria ter assinalado grande penalidade.

António Rola
Perante as imagens, verifica-se que Miguel Vítor está à frente do jogador do Belenenses, que caiu sem que se tenha observado falta para tal. Sendo assim, dou o benefício da dúvida ao árbitro."

(O Jogo)


Obrigado pelo conselho, pitons na boca. Vou ver se consigo saber qual é o oftalmologista do António Rola.

david disse...

Littbarski, só colas aqui o que te convém?

Cola tudo, para se ler h
a 2 penaltis contra o Belem, todos dizem que o 1º amarelo ao MV é vergonha...

És o típico...

Filipe disse...

Tantos dramas por causa dos penaltis e depois metade das vezes os jogadores falham. O Sporting lá se safou hoje à pala disso.

Filipe disse...

haha o António Tadeia a inventar novas regras de fora de jogo. Árbitros, dirigentes, jornalistas, comentadores, é tudo de uma incompetência atroz.

Littbarski disse...

David, o pitons na boca acha que o campo estava inclinado, eu acho que não. Ele acha que não houve nenhum lance duvidoso dentro da área do Benfica, eu mostrei-lhe que sim. Foi só. Podes ler.

pitons na boca disse...

Mostraste? Onde? Copiaste a "opinião" desses 3 que para mim vale tanto como a tua. Ainda por cima um deles é o Coroado, que cada vez que fala do Benfica parece que salta um balde de azia dali para fora. Se a isso juntarmos o facto de ser contra o "seu" Belenenses, tens aí caso para levar isso ainda mais a sério.

Não sei se viste o jogo ou não (se viste, parece que só viste o que te apeteceu, para variar). Eu não preciso de ler cronicas nos jornais para saber o que vi. Até podias meter aí a reportagem do Porta a dizer que o Reyes o impediu de rematar e por isso era penalty... não é por causa disso que deixa de ser ridículo, com as imagens da tv que há.

Mocho Astuto disse...

Já agora, ninguém acha estranho o que se passou por alturas do sorteio?
É que, de acordo com os regulamentos, primeiro devia efectuar-se o sorteio entre os quatro qualificados e só depois se definia quem jogava em casa (de acordo com o que está disposto no mesmo regulamento)