quinta-feira, outubro 23, 2008

Play it again, Sam # 5 - ...Trail of Dead

Tudo a correr!
Depois da cimeira luso-ucraniana na Champions, que acabou com dois resultados surpreendentes, hoje temos um confronto com representantes da Bundesliga e da Premier. Não são os papões do topo do futebol europeu, mas é gente que joga regularmente contra grandes equipas e não se atemoriza por isso. Sobre o Hertha, basta dizer que vai em quarto num campeonato em que o Werder Bremen e o Bayern são 10.º e 11.º (todos com oito jogos disputados). Do Portsmouth, já falámos, a propósito da eliminatória com o Vitória. Grandes nomes que podem decidir a qualquer momento. Mas a atitude é tudo. Lá, defendemos e perdemos. Cá assumimos o jogo e ganhámos (até o gafanhoto nos lixar no prolongamento).

Acima de tudo, independentemente de eventuais limitações de técnica de uns ou de ordem táctica de outros, isto é gente que corre. Gente que corre muito. E os jogadores das nossas equipas têm que se habituar a correr sempre, também, a atacar e a defender. Aqui fica um incentivo energético duns rapazes que me deixam sempre bem disposto e com vontade de enfrentar o mundo:

Tema: "Baudelaire",
Álbum: Source tags and codes, 2002
Interpretação: And you will know us by the Trail of Dead




master kodro

5 comentários:

Filipe disse...

Aquela forma do Hertha de envolver a defesa do Benfica e destroçar toda a organização benfiquista (acabando por ficar com superioridade numérica na linha de remate) é das melhores coisas que vi nestes últimos tempos. E é extraordinariamente simples, apenas circulação de bola. Aquele treinador é muito bom.

mago disse...

Grande banda, grande álbum e grande som. Resumindo, bom destaque.

E já agora, completamente de acordo com o comentário do Filipe.

Nuno disse...

"E os jogadores das nossas equipas têm que se habituar a correr sempre, também, a atacar e a defender."

Claro, claro... O que importa é correr. E correr muito. Tão bom que é filosofar sobre atletismo...

master kodro disse...

O que importa é não descontextualizar excertos de textos que falam em:

"Mas a atitude é tudo. Lá, defendemos e perdemos. Cá assumimos o jogo e ganhámos (até o gafanhoto nos lixar no prolongamento). Acima de tudo, independentemente de eventuais limitações de técnica de uns ou de ordem táctica de outros"

Lá está: a atitude é tudo. E a tua deixa muito a desejar, nuno.

Nuno disse...

Ena, afinal não é correr, ainda que o mote do texto seja "Tudo a correr!", mas é a atitude que importa. O que importa é querer, é vontade, é espírito de luta, é garra, é isso tudo. Qualidade que é bonito, não, muito obrigado... Tá certo, Master... Por que é que não te dedicas a falar de panelas de pressão? É que de futebol, se é para dizer que o que é preciso é atitude, já há para aí muito artista...