quinta-feira, setembro 11, 2008

Portugal dramático

1. A perfeição Deco fez ontem uma das melhores exibições que já vi a um jogador de futebol em 90 minutos de jogo. Foram dezenas de passes arriscados perfeitos, dribles 'humilhantes' e pormenores entusiasmantes. Um génio da bola mundial ao seu melhor nível.

2. Triângulo amoroso
Na semana em que Baía voltou à carga sobre Scolari, numa altura em que Ricardo continua a não ser a primeira opção no seu clube (o que explica que não seja convocado), Quim, ao terceiro jogo como primeiro guarda-redes nacional, o primeiro jogo "a sério", enterra as aspirações da selecção com um erro infantil, muito ao jeito do maior erro apontado à carreira de Ricardo como guarda-redes principal da selecção (o da final com a Grécia). Logo ao terceiro jogo. Já ninguém tem razões para sorrir, nem para achar que tem razão, seja lá isso o que for.

3. Números
A selecção de Queiroz continua a desafiar os apaixonados da estatística. Os rapazes de Record resolveram, por conveniência estratégica, recuar à última derrota caseira em apuramentos para Mundiais para ligarem a efeméride a Queiroz. Mas a última derrota caseira em apuramentos foi em 1998, com a Roménia e não foi com Queiroz. E, se quisermos ser justos, a última derrota em casa em jogos oficiais foi com a Grécia, em 2004, como ontem lembrou o katanec.

4. Jornais Foi extremamente curiosa a reacção dos jornais portugueses. Record invoca Scolari numa clara demonstração de que Queiroz vai ter que lidar com uma marcação cerrada por parte de quem teve tudo do anterior seleccionador. A Bola resolve trazer à tona a "Antiga portuguesa", esquecendo que já a anterior qualificação foi tudo menos calma. Ao segundo jogo da qualificação, sem Ronaldo, o melhor jogador europeu, Queiroz fica a perceber com o que pode contar.

5. Malta como nós Meia dúzia de posts e comentários e já se nota a tendência: com Scolari é que era. Desde risos (nunca pensei, sinceramente) a saudosismos, já li tudo. Depois de uma exibição excelente, com dois golos marcados e várias oportunidades flagrantes construídas, depois da forma como se sofreram os golos (um erro primário do guarda-redes e um remate que vai para fora que bate nas costas de Pepe e entra), é importante compreender estas tendências. Bom futebol e futebol de ataque é algo que, aparentemente, não se pretende, em alguns sectores, para a selecção. Sim, porque com Scolari nunca perderíamos contra a Dinamarca.

6. Comparações Há sempre uma boa forma de comparar as coisas: os que eram apelidados de "anti-Scolari" continuam a apontar os erros do seleccionador, quer nas escolhas, quer nas opções tácticas no decorrer dos jogos, porque o que lhes interessa continua a ser que a selecção ganhe e jogue bem. Os que eram apelidados de "pró-Scolari" riem (não sei quantos exemplos querem, se quiserem mesmo) da primeira derrota de Queiroz depois de um jogo destes. Eu nunca vi um "anti-Scolari" a rir de uma derrota da selecção de Scolari. Meçam.

master kodro

44 comentários:

Erste Mal disse...

O jogo com a Sérvia, tirando a agressão, teve muito a ver com este. Portugal em vantagem, a falhar boas oportunidades de golo e a ser surpreendido perto do final por um adversário directo... que beneficiou de um golo irregular.

Ontem foi Portugal que beneficiou.

cparis disse...

1. Muito bom mesmo

2. "enterra as aspirações da selecção com um erro infantil" ??
Que é erro infantil de acordo. Agora que "enterrou as aspirações"?? Exagero, não? Aspirações de que? De ganhar? Mas ficou 2-3, ou 2-2?

4. Numa coisa tens de concordar com a imprensa: com Scolari nunca havia "vitórias morais"...

6. Não te metas por aí. Houve muita coisinha escrita em jornais e dita na televisão no tempo de Scolari que não pode ser motivo de orgulho de ninguém. Há sempre anormais dos dois lados da barricada.

master kodro disse...

90 minutos de jogo, 2x1, Quim faz um frango que dá o empate. Não enterrou as aspirações da selecção. Pois.

Ficamos a saber que há mesmo uma barricada. Eu pensava que não. Até usei aspas. Quando critico as opções de Queiroz, como criticava as opções de Scolari, queria que a selecção jogasse bem e ganhasse. Algo que devia fazer de mim um anti-Queiroz pela mesma linha de pensamento.

Foi esta a grande conquista de Scolari. Criou uma barricada baseada na idolatria pessoal que faz com que portugueses riam quando a selecção portuguesa perde, porque sentem a falta dele. Parabéns Scolari.

luissm disse...

Bem, eu já entrei em discussões suficientes a dizer mal do Queiroz. Obviamente é uma daquelas situações em que fico triste por ter razão.

Mas nisto, como em quase tudo, cada um vê o que quer. E a mim parece-me óbvio que quem atacava o Queiroz, venha agora mostrar que os factos mostram que as críticas que faziam ao Scolari eram injustas.

1. O Deco quase toda a gente sabe o que vale. Os outros só o viram jogar na filial do Benfica.

2. Lá está uma das críticas ao Scolari. O Ricardo é o melhor GR português. Pode não ser um GR de nível mundial, mas é o melhor que nós temos.

3. Derrotas acontecem a todos. A uns mais do que a outros. Umas mais estupidas que outras.

4. E o Scolari só teve boa imprensa, foi? Ao menos dava conferências de imprensa a anunciar os convocados, sujeitando-se a perguntas inconvenientes, e não aparecia de sorrisinho num flash interview depois duma derrota em casa contra um adversário directo.

5. Para quem diz que faz comparações justas, isso só pode ser um lapso. Scolari perdeu com a Dinamarca, na Dinamarca, num jogo de preparação. Bastante diferente. O Scolari nunca perderia este jogo com a Dinamarca estando a ganhar por um golo a 10 e a 4 minutos do fim. Até porque aos 70 minutos, estando a ganhar por 1, não iria refrescar o ataque mas sim a defesa e o meio campo.

E não, não quero que a seleção continue a jogar ao ataque quando está a ganhar por um a 20 minutos do fim. Mas isto sou eu que não gosto de jogar como nunca e perder como sempre (plagiando o Paulo Bento).

6. O primeiro que eu vi a sorrir da derrota foi o próprio CQ. Até para precaver o futuro o CQ tinha que ter chegado ao flash interview com "cara de nenhuns amigos".

kovacevic disse...

Luissm

O Scolari não perdia este jogo?

Isso é a gozar?

Já te esqueceste dos jogos em casa com a Polónia (empate aos 87') e com a Sérvia (empate aos 86')?

És capaz de me dizer, também, qual o problema de Queiroz se comportar civilizadamente e sorrir, sem deixar de reconhecer o erro e avisar que é preciso ir buscar pontos fora, em vez de bater num jogador adversário e insultar jornalistas na flash-interview?

Vitoria-1922 disse...

Protocolos e Afins...

"Enquanto o nosso clube mantiver estas posturas de subserviência perante aqueles que, na verdade, nos temem, veremos sempre o nosso próprio crescimento ameaçado.
Cabe à direcção do Vitória fornecer aos sócios um esclarecimento cabal sobre esta matéria.
Cabe-lhes também fazer algo para inverter esta situação em tempo útil, antes que seja tarde demais."

Veja a rubrica completa em : http://www.vitoria1922.com/fora-de-jogo-com-manuel-aspinall/

pitons na boca disse...

A diferença mais notória entre Quim e Ricardo é que, enquanto um admite o erro, o outro desculpa-se com mãos inexistentes dos adversários, faltas inexistentes, o sol (apesar de ser de noite), o vento que até estava de feição, o valor do preço do petróleo, o cheiro a queijo que sai das botas do Pepe, etc, etc, etc...

Filipe disse...

MK percebo isso tudo mas temos que dar a mão à palmatória e dar o mérito a quem o merece.

O treinador dinamarquês foi melhor que o nosso. Na primeira parte os dinamarqueses não marcaram várias vezes por milagre e nós tivémos sobretudo remates de fora da área. O golo de vantagem ao intervalo era um resultado lisonjeiro. Nós estamos a chorar três ou quatro perdidas escandalosas na cara do guarda-redes na segunda parte. Eles tiveram outras tantas na cara do guarda-redes na primeira parte.

O Queiroz corrigiu algumas coisas no intervalo e Portugal teve uma meia hora brilhante, só que do outro lado estava um bom treinador que mexeu bem na equipa e que nos últimos quinze minutos nos empurrou para a nossa área. Tiveram sorte? Pois tiveram, mas fizeram por isso.

O sufoco inicial e final veio de uma defesa que tem que ser repensada. A nossa defesa não funciona, algo que se tinha visto no europeu.

master kodro disse...

Filipe, e alguém negou isso? Nego só que a Dinamarca tenha beneficiado de 4 oportunidades como as nossas e que o treinador dinamarquês tenha tido mérito num frango de Quim e num remate que ia para fora (um remate de longe como os que fizemos na primeira parte). Teve o mérito de querer atacar com muitos o jogo todo. Mas isso também nós tivemos. Assim podem ganhar-se jogos mesmo que os outros sejam mais fortes.

luissm,

"E a mim parece-me óbvio que quem atacava o Queiroz, venha agora mostrar que os factos mostram que as críticas que faziam ao Scolari eram injustas."

O que é isto? Não é perceptível. A não ser que estejas a dizer que as críticas a Scolari eram injustas e as críticas a Queiroz sejam justas. Com base num jogo que perdemos da forma que todos vimos.

2. Não critiquei a escolha de Ricardo (excepto quando se deu o afastamento de Baía).

4. Sujeitava-se a perguntas inconvenientes às quais não respondia. Para ler uma lista mais vale publicar no site.

5. Só disse que o Portugal de Scolari também perdeu com a Dinamarca. Podes ter a certeza que nunca vais ler nada meu a dizer que o Queiroz não perdia o jogo com a Dinamarca que o Scolari perdeu. Adivinhações dessas guardo-as para a Liga Zandinga. Mas se tens essa certeza (já te mostraram jogos em que aconteceram empates em finais de jogos), não vou argumentar nesse campo.

Mas reparaste que foi depois de refrescar o meio-campo que sofremos os golos (és tu que dizes que era isso que Scolari faria naquela ocasião)?

Repórter H disse...

É verdade que os anti-Scolari nunca se riram das derrotas, mas se calhar ficavam chatedados nas vitórias.

Este pró-scolarismo/anti-queirozismo vs. anti-scolarismo/pró-queirozismo é uma estupidez.

Nem um nem outro são perfeitos nem os melhores treinadores do mundo, mas seria bom que este que agora lá está tivesse paz e sossego para trabalhar.

E digo isto, mesmo tendo muitas reservas às suas capaidades para nos levar longe, mas espero sinceramente é que seja eu que esteja engando.

master kodro disse...

Ficavam chateados nas vitórias, repórter h? Diz-me um momento desses. É mesmo a grande conquista de Scolari: conseguir que portugueses achem que outros portugueses ficam tristes quando Portugal ganha.

master kodro disse...

luissm,

Portugal x Sérvia 1x1

golos: Simão, 11; Ivanovic, 86

1.ª substituição, aos 65 minutos: saiu Nuno Gomes entrou Quaresma (Ronaldo foi para o meio)

Portugal x Polónia 2x2
44'Lewandowski
49' Maniche
72' Ronaldo
87' Krzynowek

1.ª substituição sem ser por lesão (estava 1x1):

69' N. Gomes por Quaresma (a mesma substituição no ataque de quando estava a ganhar à Sérvia)

2.ª substituição, quando já estava a ganhar:

81' Simão por Moutinho

Ontem, Queiroz depois de estar a ganhar:

87' Sai Nani entra Moutinho.

Não sei se consegues ver o padrão. Com base nisto queres criticar Queiroz, dizer que as críticas a Scolari eram injustas e que Scolari nunca perdia este jogo.

Estás no teu direito.

master kodro disse...

luissm, compara a estatística acima com isto que escreveste:

"O Scolari nunca perderia este jogo com a Dinamarca estando a ganhar por um golo a 10 e a 4 minutos do fim. Até porque aos 70 minutos, estando a ganhar por 1, não iria refrescar o ataque mas sim a defesa e o meio campo."

LionHeart (o autêntico) disse...

MK,

Partilho do teu sarcasmo. Acho incrível que se diga que o Portugal de Scolari nunca perdia este jogo. Ainda que fosse um hipotético Portugal de Paulo Bento, esse sim nunca perderia este jogo, mas também nunca nos brindaria com o futebol bonito que se viu.

Já acredito antes que o Portugal de Scolari nunca ganharia este jogo. Não jogaria o suficiente para estar a ganhar a esta Dinamarca a 5 minutos do fim.

Quanto aos erros de Quim, também os lamento. Mas não mais do que lamento os falhanços incríveis de Simão, Nani, Danny e, muito em especial (pelo desastre), de Nuno Gomes, que já nem as coisas simples consegue fazer.

pitons na boca disse...

muito em especial (pelo desastre), de Nuno Gomes, que já nem as coisas simples consegue fazer.

Uma bola tensa, que bate no chão imediatamente antes de chegar a ele, para o pé esquerdo (ele que é preferencialmente dextro) e que tem de chegar a ela em esforço.

Louvo-te a capacidade técnica... fala com o Queiroz, talvez tenha um lugar para ti.

É uma oportunidade clara de golo, mas não tão simples assim. Muito mais complicada que as outras 3 que apontaste (e que apontamos todos, claro).

Bruno Ribeiro disse...

Acho piada quem diz que voltámos às vitórias morais! E depois dão como exemplo Scolari ter levado Portugal à final de um Europeu; em casa e que perdeu, contra uma equipa com a qual já tinha jogador duas vezes nos meses anteriores e que fez exactamente a mesma coisa em todos os jogos! Coerente.

Portugal jogou muito bem! Perdeu porque falhou golos escandalosos, porque o Quim cometeu um erro e porque a Dinamarca teve sorte. Há mérito dos dinamarqueses e demérito dos avançados portugueses. Chama-se futebol!

Comparar o frango de Quim com os de Ricardo é pura idiotice. Quim saiu mal à bola; Ricardo encolhia-se, fechava os olhos, ou preferia ir empurrar outro jogador que não estava a disputar o lance. Um errou porque avaliou mal o lance; o outro porque é parvo, porque só isso explica ter cometido os erros que cometeu sem lhe chamar incompetente! O facto de Quim cometer um erro enquanto Ricardo cometeu vários também é um ponto a favor do primeiro.

Repórter H disse...

Mas será que sou só eu que me lembro de ver o Jorge Gabriel todo danado no mundial '06 quando eliminámos a inglaterra? Ou a quantidade de gente que ficou muito insatisfeita com a qualificação para o Euro '08, porque não ganhámos os jogos todos que deviamos ter ganho?
E isso é culpa do Scolari?

Longe de o achar perfeito ou acima de qualquer critica, não percebo porque é que tem que se achar que está tudo mal.

Objectivamente, foi o seleccionador que conseguiu os melhores resultados de sempre. Espero que este consiga fazer ainda melhor. Seria muito bom sinal.

cparis disse...

mk,

Nunca consegui perceber a expressão do "frango que custa três pontos". Talvez um dia me possas explicar isso.

Quanto à "barricada" não posso fazer nada por ti. Tu nem viste ninguém a sorrir quando via a Selecção com Scolari a perder, logo é normal que não vejas a barricada. Ou melhor agora dizes que a existir foi criada com Scolari, como se antes não houvesse gente a defender o indefensável.

Por mim, não sorri e tenho muita pena pela Selecção e pelo Queirós que vai ver mais limitada a sua actuação. Menor margem de erro, vai implicar ser mais sensivel a pressões que prejudicam em vez de ajudar. Gosto de seleccionadores fortes e a força só parece ser conseguida com vitórias. Queirós precisava desta mais do que a Selecção. Estou esperançado que saiba corrigir o que fez mal. Pelo menos os jogadores não inventaram desculpas.

Jorge disse...

Quanto ao ponto 2, tambem acho que foi uma barracada do Quim ao estilo do Ricardo. Mas uma andorinha nao faz a primavera e enquanto o Ricardo deu varias abebias deste genero e sempre mostrou inseguranca nas bolas altas, o Quim ainda tem que fazer muito para atingir o infeliz palmares do Ricardo.

pitons na boca:
Pelo que vi (so vi uma vez e sem repeticao por isso posso estar enganado) a bola teve uma trajectoria bem limpa que nao deveria ter sido dificil de antecipar. Pareceu-me que o Nuno Gomes tentou esticar o pe direito para "tocar" a bola para a baliza com a parte de fora do pe quando, na minha opiniao, deveria ter tentado ir com o pe esquerdo e com maior intensidade, atirando-se para a frente, pelo menos poderia ter tirado o pe de apoio do chao.

Bruno Ribeiro disse...

Não é interessante que ninguém tenha usado as ausências de Ronaldo, sobretudo, e de Quaresma para justificar o resultado? É que com Scolari era logo ainda antes do jogo começar!

RA disse...

permites-me?

Sejamos francos: a Selecção está a jogar um futebol lindo. A qualidade das exibições tem vindo a aumentar gradualmente desde que Queirós assumiu o comando técnico, e o jogo de hoje não foi excepção.

Aos 83 minutos, salvo erro, o jogo estava ganho, depois de um pequeno contratempo.

O mal não passa por aí - os jogadores não deviam "apenas" ter o jogo ganho a vinte minutos do fim, como é óbvio, mas deviam tê-lo morto muitos minutos antes, numa das muitas oportunidades que tiveram ao seu dispor. Simão, Danny, Nani, Nuno Gomes... todos tiveram a sentença do jogo em seu poder!

Esbanjando oportunidades claras de golo, Portugal ainda se pôde refazer do revés que foi o golo do empate, através do penalty marcado de forma exemplar por um Deco num pico de forma que já não se via há uns tempos valentes. No entanto, o empate (!) fugiu (!?) ao cair do pano. Se empatar já era mau, depois de uma exibição tão forte e consistente, perder é injusto. Os jogadores da Dinamarca não mereceram ganhar este jogo, mas acreditaram nas poucas hipóteses de que dispuseram até ao fim do jogo e, com alguma sorte à mistura, roubaram a liderança do Grupo a Portugal.

As conta de Queirós ficaram mais complicadas, mas se a sua equipa continuar a jogar assim (com um pouco mais de pontaria), o apuramento para o Mundial não só é uma garantia - é uma certeza. Só é preciso abrir a pestana e não falhar tantos golos.

José disse...

Boas!

Os cães ladram e a caravana passa... Só espero que estes que agora maldizem o nosso seleccionador quando perde, tenham a grandeza de o aplaudir sempre que ganhe! Não será difícil colocarem-se em bicos de pés...

Apetece-me dizer que 5 anos de obscurantismo no plano defensivo não se corrigem em 5 ou 10 treinos!! Já para não falar do "problema psicológico" que afecta as nossas selecções nacionais em TODOS OS ESCALÕES, mas principalmente nos AA, veja-se França em 2000 e 2006, Grécia em 2004 e mais exemplos haveria... Corrigir isto é o grande desafio das diferentes equipas técnicas! Pois quando fazemos aquele penalti infantil, ou o livre em zona proibida ao cair do pano, ou aquele canto inconcebível a escassos minutos do fim ou ,como ontem, que depois de um jogo de bom nível, não conseguimos segurar uma vitória durante 6 ou 7 minutos.

master kodro disse...

Tens que me explicar onde é que está escrito "frango que custa 3 pontos", cparis, que, pelo que escreves, é uma citação. Resta saber de quem, pois não é minha.

repórter h, "ficar chateados nas vitórias" do teu primeiro comentário não tem o mesmo significado que "a quantidade de gente que ficou muito insatisfeita com a qualificação para o Euro '08, porque não ganhámos os jogos todos que deviamos ter ganho" do segundo.

As pessoas, como é óbvio, não queriam perder na Polónia, nem empatar em casa com a Polónia, Sérvia, Finlândia, nem fora com a Arménia. Nada comparável com ficar triste com vitórias.

galvao99 disse...

Primeiro que tudo, devo dizer que fui um admirador das capacidades de Scolari enquanto selecionador de Portugal, e que me revi, na maioria das vezes, nas suas opções.

Em segundo de lugar, acho que Deco resumiu o que se passou: depois do "frango" de Quim (e acho graça as diferenças que apontam entre o frango de Quim e o frango de Ricardo frente à Alemanha no mundial e que deu o 3-1, quando já se perdia por 2-1, portanto; seria até interessante fazer um balanço efectivo dos frangos que Ricardo deu ao serviço da selecção; alguns dos especialistas na matéria que façam aí um gráfico para percebermos a enormidade da coisa), mas dizia que Deco resumiu bem o jogo de ontem dizendo que depois do penalty nenhum dos jogadores acreditou que nao ganhassem o jogo.

Mas se o problema é comparar Queiros com Scolari, entao analisando de per si a prestaçao de Queiros, devo dizer que há críticas a serem feitas, e isto nao decorre de qualquer mania da perseguiçao pelo facto deste ser o sucessor de Scolari.

A equipa jogou melhor futebol, mais vistoso, mas o que é facto é que se criaram imensos espaços na zona defensiva Portuguesa que proporcionaram várias ocasioes de golo ou de jogadas de perigo para a nossa baliza. O estilo de jogo potencia este tipo de situações, e fazer de Bosingwa extremo, desiqulibra a equipa. Ontem foi pelo seu lado que a Dinamarca mais fez ofrer Portugal. E é neste desiquilibrio que reside o calcanhar de aquiles de Queiros, talvez decorrente da necessidade que sente de marcar diferenças para Scolari.

Este jogo deve servir para isso, para Queiros, nao abdicando dos seus principios de jogo, perceber que o equilibrio da equipa passa tambem pela necessidade do treinador saber estancar o jogo, reagrupar a equipa, fechar os espaços entre linhas, e fazendo-o, ser impopular por vezes. Há determinados momentos do jogo em que isto e necessario, e a crítica a Queiros vai nesse sentido. Os ultimos 10 minutos de jogo requeriam uma intervençao que nao chegou a acontecer, e a saída de Hugo Almeida e a introdução de Moutinho na parte final da partida, provocou o alastrar de um dos grandes perigos da selecçao adversaria:o jogo aéreo.

Tratam-se, entao, pura e simplesmente, de questoes tecnicas, práticas, concretas. Sem ter que chamar Scolari à conversa, independentemente de uns terem gostado da maioria das suas decisoes á frente da selecçao Portuguesa, e outros nao.

master kodro disse...

Concordo com quase tudo o que dizes, galvão. Contudo, o lateral direito de Scolari já fazia de extremo, não é novidade de Queiroz (quer Miguel, quer Bosingwa depois). O grande problema é que ninguém joga como a Dinamarca (com tantos avançados, nem nós).

Relativamente ao erro do fim de jogo, com o qual concordo e que já apontei a Scolari, na altura, também não é novidade (e desculpa a comparação, mas já vou com o balanço dos comentários anteriores e já não consigo parar), Scolari fez exactamente os mesmos erros.

master kodro disse...

bruno ribeiro, não me espanta por uma razão muito simples: em 43 jogos oficiais, Scolari teve Ronaldo disponível em 42; em dois jogos oficiais, Queiroz não teve Ronaldo.

Repórter H disse...

Não nos vamos por aqui a discutir semântica, pois não?

Efectivamente existia ums facção anti-scolari, que o queria ver pelas costas e que se para isso fosse preciso a selecção perder, não se importavam! Como aconteceu.

Continuo a achar idiota a postura pró-este, contra-aquele, vendo em cada erro e derrota, uma forma de se mostrar que se está certo.

A prova disto é a discussão que aqui se gerou.

Bruno Ribeiro disse...

mk,

recordo-me de quando perdemos com a Grécia (para não variar) a desculpa de Ronaldo não ter estado presente veio logo em primeiro plano.

Outra coisa que me faz confusão: perder em casa com a Dinamarca no segundo jogo de qualificação coloca numa Portugal numa posição muito má a propósito de quê? Não percebo o calamitismo que vai havendo por esse país fora. Se não houvesse hipótese de os compensar ainda vá que não vá; mas há segunda jornada já estão a fazer contas?

Pedro Reis disse...

Outra nota curiosa:
Devo ter lido mal quando algumas pessoas (as que mais criticam Queiroz) dizem que devia era ter entrado o Bruno Alves. Então esse não é aquele caceteiro que não joga nada, só distribui fruta e não merece estar na selecção? Ou é outro?

Já agora o extremo Bosingwa estava no seu sítio bem colocado no 1º golo da Dinamarca, o problema é que escorregou quando o dinamarquês mudou de direcção. Culpa de quem? Só pode ser do Queiroz...

Uma coisa é verdade e o Deco tocou no ponto: os jogadores portugueses acreditam que quando estão a vencer o jogo "está ganho" e quando estão a perder raramente acreditam que podem dar a volta. É uma questão de mentalidade e sempre foi assim com rarísimas excepções (como no Euro-2000 frente à Inglaterra), com Scolari, Queiroz ou outro qualquer.

Enfim...

galvao99 disse...

Quando acabarmos esta discussao, estou disposto a participar num abaixo assinado para a construçao de uma estátua de Deco.

Para que as geraçoes vindouras saibam que, mesmo sem ganhar prémios individuais, ele foi um dos grandes.

E se (isto dos ses pegou-se-me desde que li o ultimo post do Antonio Boronha, um dos mais flagrantes tratados modernos à negação; o post, nao o autor) o futebol nao fosse um jogo de numeros, as capas de todos os desportivos mundiais trariam hoje uma foto de Deco a controlar uma bola junto à linha lateral, com Tomasson a 30 centimetros de distancia.

master kodro disse...

bruno ribeiro, mas o Ronaldo jogou os dois jogos contra a Grécia.

Voto na estátua, galvão.

Bruno Ribeiro disse...

mk,

acho que estamos a ter uma conversa de surdos! Ou tu não me percebeste ou eu não te estou a perceber. A minha ideia é simples: a ausência de Ronaldo não serve para justificar um desaire de Queiroz, mas serviu e serviria para justificar um desaire de Scolari.

Quanto ao Deco, a maior injustiça que lhe fizeram foi o considerarem o Shevchenko o melhor do mundo em 2004; seguido do Ronaldinho em 2006. Quanto ao primeiro ano, nem é preciso exemplificar o porquê; quanto ao segundo toda a gente se esquece que com Ronaldinho o Barça ganhou zero, adicionando Deco ganharam tudo!

master kodro disse...

bruno, eu percebi a tua ideia (e acredito que serviria, até o Cazaquistão era muito perigoso), mas essa desculpa não pode ter servido contra a Grécia porque o Ronaldo jogou. Olha aqui:

http://www.maisfutebol.iol.pt/fichajogo.php?param1=27018

http://www.maisfutebol.iol.pt/fichajogo.php?param1=26186

master kodro disse...

O único jogo em que Ronaldo não esteve disponível para Scolari foi contra a Bélgica e esse ganhámos.

Virgílio Bernardino disse...

Deco: brilhante!

Ele sim, não merecia perder desta forma! Num jogo em que esteve, literalmente, à beira da Perfeição! Fez coisas deliciosas de um primor técnico raríssimo... Tive muita pena de perder, principalmente por Deco! Definitivamente tb voto pela tal Estátua!!!

Só um aparte: aquele lance do 2.º golo tem um nome e chama-se FRAAAAANGO! Não vale a pena andarem os anti-labrecas (uma vez que estamos numa de 'anti') cá com eufemismos...

Acho piada, qd se diz q a culpa do 2.º golo deste jogo tb é do Pepe pq se encolheu todo, mas já no golo da Grécia na final do euro2004 a culpa (essa marota) já foi exclusivamente da direcção do 'ceguinho' do costume. Nesse caso o Costinha já não se encolheu!!! Haja coerência...

Uma coisa é indiscutível. O espectaculo foi bom, o resultado foi péssimo. Qd, enquanto sportinguista, tenho esperanças q PB consiga juntar exibições às vitórias, aqui (enquanto português) digo precisamente o contrário: que Queirós consiga juntar resultados às exibições.

Eu, tendencialmente quero é ganhar jogando bem ou nem por isso. Mas, tb é verdade, q qd me falam no mundial de 82 o q me vem imediatamente à memória é aquele futebol maravilhoso protagonizado pelo Sócrates, Falcão, Éder e companhia...

SL!

Virgílio Bernardino disse...

Porra faltou-me o Zico... Uma provocaçãozita: Não era ele q vinha a caminho?...hehe

Cumpr.

luissm disse...

Bem, a resposta aos vossos comentários é fácil: Portugal empatou esses jogos e perdeu ontem.

A diferença não é só um ponto para nós, são também dois pontos para um adversário directo.

O meu "nunca perdia" é óbvio que é relativo, se o Benfica já ganhou ao Sporting é porque tudo pode acontecer :).

Já agora, experimenta ver a ficha toda do Portugal-Sérvia e não só a parte que te interessa. Vais ver que o Scolari refrescou o meio-campo antes de sofrer o golo.

No Portugal-Polónia quando se apanhou a ganhar também refrescou o meio-campo. E só podia fazer uma substituição.

Dizeres que estas substituições são parecidas com as do CQ ontem é só quereres ver parte da ficha de jogo. O CQ depois de estar a ganhar não tirou só o Nani para pôr o Moutinho, também tirou o Hugo Almeida e o Simão para pôr Danny e Nuno Gomes. Apenas uma substituição de marcha-atrás.

Mas não é só nas substituições de marcha-atrás que se muda a atitude da equipa. Ontem Portugal atacou com demasiada gente e com cabeça de menos. Os próprios jogadores admitiram isso. O Nani diz que "atacámos à toa".

"És capaz de me dizer, também, qual o problema de Queiroz se comportar civilizadamente e sorrir, sem deixar de reconhecer o erro e avisar que é preciso ir buscar pontos fora, em vez de bater num jogador adversário e insultar jornalistas na flash-interview?"
Gosto de meios-termos. Não acho que seja nem com sorrisinhos nem com socos que as coisas vão lá.

"O que é isto? Não é perceptível. A não ser que estejas a dizer que as críticas a Scolari eram injustas e as críticas a Queiroz sejam justas. Com base num jogo que perdemos da forma que todos vimos."
Está pouco explícito, realmente. Quis dizer que achava normal que as pessoas que criticaram a troca Scolari-Queiroz viessem agora defender o Scolari, mostrando que muitas críticas eram injustas (como a escolha do GR).

E eu não critico o CQ com base num jogo. Critico-o com base numa carreira inteira.

master kodro disse...

luissm, estás a gozar? Refrescou o meio-campo depois de refrescar o ataque. Exactamente o que Queiroz fez neste jogo.

Pedro Reis disse...

luissm,
Se o Danny e o Nuno Gomes têm marcado os 2 golos nas oportunidades que tiveram, Queiroz era um Deus?
Em que te baseias para dizer que as opções foram más? Os jogadores entraram muito bem no jogo, o problema esteve em 1ºlugar na falta de eficácia. O resto é retórica. Claro que quem está a perder pela margem mínima, pode acreditar até à última que pode vencer. O que por exemplo nos portugueses é raro que aconteça, com Scolari ou com outro qualquer. É a mentalidade e nunca houve nenhum treinador (se calhar com excepção do Mourinho no FCP) que eu ache que a conseguiu mudar em Portugal.

luissm disse...

MK,

A grande diferença é que o CQ refrescou o ataque com duas substituições quando estava a ganhar. O Scolari fê-lo quando estava empatado.

Mas, enfim, a mim o que mais me irrita é que o jogo de ontem mostrou aquilo que eu penso do CQ. Consegue pôr as equipas a jogar bem ao ataque, mas não a jogar bem futebol. Porque futebol é ataque e defesa.

A ver se ele aprende para bem de todos nós.

Mas, como já disse há umas semanas atrás, tenho pouca esperança num tipo que enquanto treinador principal a melhor coisa que apresenta é uma Taça de Portugal.

master kodro disse...

Quando estava empatado? Mas tu não viste que eu só coloquei substituições de quando Portugal estava a ganhar e não empatado? Passa por cá amanhã, que tens um post sobre mitos.

Bruno Ribeiro disse...

mk,

estava a falar deste:
http://www.maisfutebol.iol.pt/fichajogo.php?param1=54968

Aqui não houve Ronaldo e Nani e isso foi logo lembrado pelos jornalistas do clube de fãs de Scolari.

master kodro disse...

Já nem me lembrava desse.

luissm disse...

Pois, mas não puseste todas...

Quando troca o Nuno Gomes pelo Quaresma é para ter mais velocidade e mais capacidade de contra-ataque. E é 1(uma) e não 2 (duas) substituições. Já as substituições do CQ deixam tudo na mesma (Hugo Almeida e Simão por Danny e Gomes)

Antes de sofrer o golo do empate (86min) ainda troca Deco por Moutinho (77) e Maniche por Meireles (83).

No jogo contra a Polónia, quando troca o Gomes pelo Quaresma estava a perder. Depois do golo que deu vantagem (72min), fez a unica substituição que podia (tinha sido obrigado a fazer uma logo no início do jogo) aos 81min trocando Simão por Moutinho.

Se não consegues ver diferenças é contigo.

Mas amanhã venho cá ver mitos :).